segunda-feira, 21 de maio de 2018

(devo ser a única pessoa em Portugal que, admite, publicamente, não saber quem foi António Arnaut)

... mas pronto, como diz o velho provérbio: quem diz a verdade não merece castigo...

(bom, neste momento já sei, mas achei que seria muito desonesto da minha parte aquela coisa de me fazer muito sabedora se realmente não fazia ideia de quem era)

13 comentários :

  1. Devem haver centenas senão milhares de jovens que só o saberão porque foi dito na TV. O SNS foi criado ainda não eram nascidos.
    Um abraço e boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Elvira, não faço a menor ideia de quando foi criado o SNS para saber se ainda estou na idade 'comestível' ou se já perdi o prazo de validade :))))

      Fui ler algumas coisas sobre António Arnaut - pelo menos esta parte é positiva, levou-me a pesquisar - no entanto não cheguei a essa parte do SNS.

      Também acho que não é uma questão de idade, penso é que com isto das redes sociais parece que quando morre alguém as pessoas têm pruridos em assumir que não sabem de quem se trata, eu cá não uso isso de pruridos, tão pouco de vergonha. Não sei... não sei... procuro e fico a saber. Está feito!

      Tenha também uma boa semana.
      Abraço.

      Eliminar
    2. Falei na criação do SNS porque eu própria até ao ano passado, só sabia sobre ele que tinha sido o criador do SNS. O ano passado numa aula de história contemporânea (da Universidade Sénior ) que frequento, foi-nos contado a história dele como advogado,militante contra o regime, que lhe valeu a prisão, politico e Grão-mestre da Maçonaria Portuguesa.
      Mais tarde numa visita de estudo ao GOL Grande Oriente Lusitânia foi-nos de novo falado dele.
      Um abraço

      Eliminar
    3. Obrigada, Elvira, aí está, existe todo uma vida que passa e não só por ter sido, como está a ser catapultado pela tv, jornais e políticos: "o pai do Serviço Nacional de Saúde".

      Abraço.

      Eliminar
  2. Não és a única há muita gente e sobretudo jovens que lhes passa totalmente ao lado. Tu ainda foste saber quem era, mas outros/muitos não o farão. Sabes Maria o que eu acho? Muitos da minha geração não passam aos mais novos "assuntos importantes" como este. Eu passei e sabem bem que "Arnaut foi o pai do Serviço Nacional de Saúde" e como tal e apesar de muita gente se queixar de barriga cheia...só me ocorre dizer...Obrigado Arnaut pelo seu trabalho e convicção que resultou no que resultou após um luta bem dura!

    Beijocas e um bom dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fatyly, este fenómeno das redes sociais arrastou também com ele uma componente muito oportunista. Muito pouco verdadeira. Algumas pessoas que escrevem textos - bom, a maior parte nem sequer escreve um texto, limita-se a picar o ponto - sobre personalidades mediáticas com algum/muito peso na sociedade portuguesa que acabaram de morrer, não passam para as gerações mais novas, e por mais novas não significa ter 20 anos, basta ter nascido após o 25 de Abril, ou estar na fase da infância quando o mesmo se deu, dizia que que não passam com os textos que escrevem, conhecimento. É a isso que me refiro. Desenvolver com conhecimento de causa todo o percurso profissional, de vida, das personalidades em questão. Os comentários então de algumas pessoas são de um vazio absurdo, dá para perceber em muitos deles que não fazem a menor ideia de quem se trata, arranjaram foi uma estratégia, uma de serem parcos em palavras de forma a picar o ponto e saírem dali com a boa acção do dia resolvida. Isto das redes sociais por vezes não serve para nada, é mais um estendal de coisa nenhuma. Nestes assuntos mais pesados em todos os sentidos, obviamente.

      O melhor texto que li sobre António Arnaut foi no blog 'Delito de Opinião' do autor Sérgio de Almeida Correia. Vale a pena ler e reflectir.
      É este: http://delitodeopiniao.blogs.sapo.pt/antonio-arnaut-10052430

      Tenha também um bom dia, Fatyly.

      Eliminar
    2. Também gostei muito deste texto do blog 'Atenta Inquietude':
      https://atentainquietude.blogspot.pt/2018/05/antonio-arnaut.html

      Eliminar
    3. Li ambos os textos e também gostei. Falas das redes sociais Fuçasbook & Companhia (julgo eu) mas até nos blogues reparo pelas respostas versus comentários que muitos lêem na diagonal, outros ficam-se apenas pelo título o tal picar do ponto.

      Quando referi a passagem do conhecimento, o que para mim vale muito mais, é nas conversas, debates, opiniões que devemos ter e trocar com os mais novos. Sempre falei e falo muito com as filhas, genros e netos e nessa troca de conhecimentos sobre coisas pelas quais nunca passaram, figuras públicas que não conheceram. Foi nessa base porque nas escolas a matéria é apenas de ...nem sei qual a palavra exacta.

      Eu não sei tudo mas quero e faço por aprender até morrer.

      Houve figuras públicas que já partiram e algumas pensei...que não voltes por favor porque já pagaste pelo mal que fizeste.

      Não sei se me fiz entender!

      Eliminar
    4. Já agora e pedindo desculpa pela minha ousadia, não abriste os comentários do andar de baixo, mas digo-te apenas que nunca tinha ouvido tal termo e quando me ocorrem situações adversas e já foram muitas...perco o apetite e nada me conforta, comendo apenas o necessário para não cair para o lado e por vezes é mesmo nada!

      Eliminar
    5. Aquela coisa do Facebook, do Instagram e quejandos, aquilo da caça desesperada aos likes, penso que também já contagiou de alguma forma a blogosfera, algumas pessoas vivem numa caça desesperada por seguidores, devem ganhar ao click, só pode.

      Ah, mas eu nisso não me posso queixar, tive a sorte e o orgulho de ter uma mãe que adorava ler, portanto existiam muitos livros lá em casa, era assídua e regular compradora de imprensa em várias vertentes, portanto, quando se cresce com isto ao lado. facilmente nos tornamos, sendo filhos, curiosos face à vida e também regulares leitores de tudo e mais alguma coisa. A senhora minha mãe foi, provavelmente, uma das melhores conversadoras que tive o privilégio de conhecer, ainda por cima nem precisava de sair de casa. Por vezes tenho saudades das nossas conversas intermináveis depois do almoço quando a ia visitar (mãe e pai) ao fim-de-semana. Quando dava por isso era já quase hora de jantar. Coisas que a vida nos rouba e não existe maneira de as compensar.

      Não se tem de saber tudo, pode-se saber muito bem o que é o SNS, tudo o que se encontra por detrás desta estrutura, mas no entanto não saber o percurso da pessoa que lhe deu vida... Acho estranho é que só se saiba das pessoas quando elas morrem, não me lembro de ter ouvido políticos, jornais, tv, cidadãos ditos comuns e que têm páginas pessoais na net, falar, escrever, por exemplo, do estado debilitado e terminal de António Arnaut. Não me lembro de ter visto qualquer tipo de agradecimento público nas nossas tv's. Não me lembro de o terem homenageado em programas da manhã, da tarde, da noite, quiçá pela madrugada adentro. . Muita coisa não me lembro eu. Se calhar é por ser distraída e ter nuances alouradas ;)

      (fez-se entender, sim senhora, Fatyly)

      Eliminar
    6. Esqueci-me de responder ao seu comentário em relação ao post da 'comida de conforto', fechei a caixa de comentários porque achei que as pessoas não teriam muita paciência para ler aquilo tudo. Vai daí, como gosto muito de escrever e também o faço como forma de exorcizar o que existir para ser exorcizado, escrevo apenas como se fosse uma folha de um diário que ninguém lê. Embora alguns leiam :)

      Eliminar
  3. António Arnaut foi um advogado e político português. Ocupou o cargo de Ministro dos Assuntos Sociais do II Governo Constitucional.
    Interessante ler:
    https://www.dn.pt/portugal/interior/arnaut-morreu-mas-deixou-para-votar-na-ar-um-novo-sns-9364399.html

    Bom dia, caríssima Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelo link, só que neste momento já sei qual foi todo o percurso de vida e não só da personalidade em questão. Ligá-lo 'apenas' ao SNS como a maior parte das pessoas fez, é pouco, muito pouco. Penso eu.

      Tenha também um bom dia, caro Observador.

      Eliminar