segunda-feira, 7 de maio de 2018

Comentários que passam automaticamente a post pelo bom aroma a bolo acabado de sair do forno

Existem por vezes comentários que, pela qualidade dos mesmos. merecem passar a post, é o caso deste comentário de um meu texto - o texto da pequena e confortável cozinha, lá mais em baixo - em que um comentador, o André do blog 'A loja do Mestre André', teve a enorme gentileza de deixar por aqui. Comentário de comer e chorar por mais, diria.

Ora vejamos:

«Bolo de Iogurte como deve ser
Ingredientes:
- 1 iogurte natural (não açucarado, nem magro, nem cremoso, nem grego… *)
- 3 ovos de galinha (podem usar-se de codorniz ou de avestruz, mas será então conveniente codornizar ou avestruzar, respectivamente, a quantidade dos restantes ingredientes!)
- açúcar (branquinho e refinado)
- farinha (de trigo, daquela “para bolos”)
- fermento (em pó)
- óleo (de girassol)
- manteiga ou margarina (para efeitos de untamento)

Confecção:

Iogurte pardentro e passa-se o copo por água para servir de medida.
Separam-se as 3 gemas das 3 claras (reservam-se as últimas para mais tarde fazer castelos) e ajuntam-se as primeiras ao iogurte. Mexe-mexe com carinho, sempre-sempre até homogeneizar.

Venha o açúcar (e com ele a batedeira, equipada a rigor com as hastes amassadeiras já que é disso que agora se trata) à quantidade de 3 vezes o copo que se passou por água, medido a olhómetro por onde estava o iogurte. Coiso-coiso com o dito, sempre-sempre até que tal.

Medida como o açúcar, está na hora da farinha. Com pozinhos de ferlimfimfim, quero dizer, de fermento – uma colher das de chá será bastante para a magia acontecer. E para bom entendedor, já será dispensável a lenga-lenga de final de parágrafo!

Já com a massa mais densa e pesada, o ingrediente que se segue é o óleo. Mede-se como os anteriores, mas à razão de 1/3 (apenas 1 copo, para os cérebros menos matemáticos). E toca de lenga-lengar…

Posto isto põe-se a massa a descansar – umas pseudo-tréguas, coitada – enquanto se mudam as hastes da batedeira e se brinca aos castelos com as antes reservadas clarinhas. Tudo-tudo como sempre-sempre, clara está!

Tocados a colher de pau, muito braço e ainda mais carinho, envolvem-se os castelos na massa, até que de tão homogénea esta comece a em-bolhar-se consigo mesma.

Forma untada, polvilhada com farinha cujo excesso se sacode, transfega-se a massa do contentor anterior para est’ outro. Outro este que se põe no forno, previamente aquecido à ordem de entre 150 a 200 graus (dos centígrados)!

*ver título!

Nota final:
Havendo por objectivo minimizar a gulodice masculina, parece que é só botar – p’ra sabotar! – gindungo em barda entre os dois primeiros passos da confectura
!»

18 comentários :

  1. A princípio, bloqueei. Depois, reparei que se falava de iogurte com bolo, ou bolo de iogurte, parece que é mais assim, e fiquei pensativo.
    Motivo? O bolo de iogurte.
    A receita é, para mim, pessoa sem jeito algum para a cozinha, uma coisa assustadora.

    "Comentários que passam automaticamente a post (...). Como será o inverso? Passar automaticamente de post a comentário. Hummm???

    Volto mais logo, se o tempo se mantiver como está.
    Beijinho, estimada Maria. Boa 2ª feira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Bolo de Iogurte apesar de ser fácil de fazer, pode correr mal quando as pessoas não têm 'mão' para fazer bolos. Ou seja, por vezes tem um aspecto dourado, aparentemente estaladiço, só que por dentro fica encruado. Coisa que não deve nunca acontecer nos bolos.

      Esta receita está escrita de forma original - o que me agrada - e com uma pitada de humor q.b. Delicioso comentário o do André, portanto.

      Beijinho para si também, caro Observador. Boa semana.

      Eliminar
  2. Já tinha lido no post da cozinha e digo-te que se gargalhada pagasse importo tinha entra na completa falência. Voltei a ler agora e está demais e não me canso de rir:)))

    Já ando a espreitar o blogue referido e digo-te que é de facto digno de ser lido e revisto:)) e um dia destes irá fazer parte dos que sigo:)

    Parabéns para ele e fizeste muito bem em mudar o comentário para um post:)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também adorei a forma com está escrito, daí ter arrastado o comentário para o patamar de post com o respectivo link directo ao blog do autor.

      É digno de ser lido, sim senhora. Concordo o mais possível, Fatyly :)

      Eliminar
    2. O meu teclado andou a comer letras e só agora é que dei pela falta de pilhas. Desculpa!

      Um resto de boa tarde e por aqui o tempo já mudou:)

      Eliminar
    3. Percebe-se tudo, Fatyly, não tem qualquer problema :)

      Eliminar
    4. Faltaram as pilhas à senhora TIR?
      Saiam da frente!!! :)))

      Eliminar
    5. Já agora, e rapidamente, um muito obrigado pelas partes que me tocam, Fatyly!

      Como eu também me ri a escrever esta receita, faz-me – a Fatyly – duplamente contente: por me dar a saber que também se riu a lê-la, e por me confirmar que, pelo menos por enquanto, a gargalhada ainda é das poucas coisas não-taxadas desta vida!

      =o)

      Ah, e acredite que já me tenho rido (alguma vez a pontos de insolvência), também eu, com palavras suas, e com a sua maneira sempre bem-disposta de as dizer - é isto dizer que consigo (a não confundir com de si, que para isso ainda nunca me deu)! ;o)

      Eliminar
  3. Uma forma muito bem humorada de escrever uma receita, de bolo que até é famoso, oiço muita gente falar dele, embora nunca lhe tivesse posto o dente, em cima. Se em vez do açúcar levasse sal... eu sei, eu sei que o sal é o principal factor de risco para a hipertensão, mas que quer sou mais salgada que doce.
    Abraço e boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já comi bolo de iogurte feito por uma amiga da minha mãe, o problema é que o bolo por dentro não estava bem cozido. Este bolo tem aquele pormenor, como diz a receita escrita pelo André, de o copo/embalagem do iogurte depois de vazio servir de medida.

      Muito bem humorada, mesmo :)

      (li algures, ou ouvi, já não me lembro bem, que existem receitas de bolos que levam uma pitada de sal, talvez tenha ouvido mal...)

      Boa semana para si também, Elvira.
      Abraço.

      Eliminar
    2. Os meus bolos de aniversário, (eu costumo fazer os bolos para todos os aniversários da família) faço sempre a massa base da mesma forma, vario os recheios e as coberturas. Mas há 3 coisas que não dispenso. Uma chávena de água, uma colher de café de sal, e uma calda de especiarias para molhar o bolo.
      Abraço

      Eliminar
    3. Ah, afinal ouvi bem em relação ao sal...

      Eliminar
  4. E pronto! Estes hoje-em-dias são tramados! Já não pode uma pessoa deixar um bolo a arrefecer na forma enquanto vai ali e já vem, sem se ver surpreendida no regresso com ele já empratado, fatiado e servido aos comensais!...

    Por norma, do gato até me defendo bem. Mas sinto-me lisonjeado (ou, talvez, coisa que o valha) e esta espécie de - e sobretudo, se - imprevisto costuma, ela sim, "comer-me a língua", tolhendo-me com isso as palavras!... Menos mal sobrarem-me os dedos, que conseguiram brotar estas, ou ainda lhe me obrigadava apenas com reticências!

    E por falar nisso, Maria: Obrigado!

    =o)


    PS - Puxa vida! Já fazia algum tempo que não me saíam tantos PEPPs (pontos de espantação por parágrafo)!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então, mas não podia deixar um bolo destes aí a estragar-se. Tinha, obrigatoriamente, de o empratar, fatiar e servir :)

      E deixe-me que lhe diga baixinho para ninguém ouvir, que a sua receita agradou a muitos, pelas visualizações existiram pessoas que chegaram pela calada da noite mas também do dia, serviram-se de uma fatia, ou mesmo de duas e, fecharam a porta devagarinho só para ninguém perceber que tinham entrado na cozinha. O que as denunciou foram as migalhas. Malditas migalhas :)))

      Volte sempre, André, com ou sem pontos de 'espantação'.

      Eliminar
    2. ˢᶜʰʰʰ﹗ ᴾᵒᵈᵉ ˢᵉʳ ᑫᵘᵉ ᵖᵃʳᵗᵉ ᵈᵃ ᵐᶦᵍᵃᶫʰᵃᵈᵃ ᵗᵉᶰʰᵃ ˢᶦᵈᵒ ᶜᵘᶫᵖᵃ ᵐᶦᶰʰᵃ﹗ ᑫᵘᵉ ᵉᵘ ᶜᵃᵈᵃ ᵛᵉᶻ ᑫᵘᵉ ᵃᵇʳᵒ ᵒ "ᶰᵃᵛᵉᵍᵃᵈᵒʳ", "ᵛᶦˢᵘᵃᶫᶦᶻᵒ" ᵛᵒᶫᵘᶰᵗᵃʳᶦᵃᵐᵉᶰᵗᵉ ᵒˢ "ᶫᵒᶜᵃᶦˢ" ᑫᵘᵉ ᵉᶰᵗᵉᶰᵈᵒ ᵐᵉʳᵉᶜᵉᵈᵒʳᵉˢ ᵈᵉ "ᵐᵃᶦˢ ¹" ᶰᵒ ᶜᵒᶰᵗᵃᵈᵒʳ⋅⋅⋅ ᴵˢᵗᵒ ᑫᵘᵉʳ ᵒˢ ᵛᵉʲᵃ ᵉᶠᵉᶜᵗᶦᵛᵃᵐᵉᶰᵗᵉ, ᑫᵘᵉʳ ᶰᵉᵐ ᵗᵃᶰᵗᵒ ⁻ ᵐᵃᶰᶦᵃˢ ᵈᵉ ᵐᶦᵍᵃᶫʰᵃʳ ᶜᶦᵇᵉʳᶜᵃᵐᶦᶰʰᵒˢ, ᶜᵒᵐᵒ ᵒˢ ᵐᵉᶰᶦᶰᵒˢ ᑫᵘᵉ ᵈᵉˢᶜᵒᵇʳᶦʳᵃᵐ ᵃ ᶜᵃˢᶦᶰʰᵃ ᵈᵉ ᶜʰᵒᶜᵒᶫᵃᵗᵉ⋅⋅⋅

      ;o)

      Eliminar
    3. Também poderá ser, mas olhe que existem outro tipo de migalhas com peugadas muito peculiares :)

      Eliminar
  5. Jindungo para sabotar? Wrong, acho que um homem gosta sempre de se sentir encalorado. :)

    Um beijinho, Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito jindungo na comida e aquilo é capaz de provocar um incêndio ao nível dos sentidos :)))

      Beijinho, AC :)

      Eliminar