segunda-feira, 9 de abril de 2018

Começo com Pedro Chagas Freitas e termino com Catarina Martins (as voltas que o mundo dá)

Ontem deu-me para ouvir atentamente a entrevista que Pedro Chagas Freitas deu a Júlio Magalhães no seu espaço de entrevista ali para os lados do Porto Canal. Antes de me debruçar no ponto que me leva a escrever este texto, que, como se sabe, sendo uma página pessoal nada mais reflecte do que uma opinião pessoal - conforta-me pensar que as pessoas sabem fazer essa diferença. Esta democratização das redes ditas sociais, embora exista quem afirme que um blog não entra nesse pacote, veio de alguma forma deixar o pensamento à solta, um pensamento à solta pode ser saudável a partir do momento que tem essa faculdade de desarrumar consciências, sendo por aqui, acho positivo que as pessoas usem páginas pessoais para fazer o exercício de opinar. Há quem não goste, há quem prefira aquilo de manter as pessoas caladas para melhor as controlar, ou para melhor controlar, assim, a seco, sem pessoas nem nada. Eu ainda continuo a gostar de pessoas, de algumas pelo menos, e quando se gosta de pessoas gosta-se de ouvir a opinião dessas mesmas pessoas ainda que a nossa opinião não vá ao encontro de outras que não as nossas.

Sendo assim começo nisto de falar do escritor Pedro Chagas Freitas que gosta de dizer que não é um escritor mas "um gajo que escreve cenas". Mais acrescenta: " um gajo que escreve cenas lamechas". Não posso opinar em relação à escrita ou às tais cenas escritas porque a bem dizer nunca li nenhum livro do autor. No que me vou centrar foi numa parte da entrevista  a Júlio Magalhães - um aparte para escrever que sendo Júlio Magalhães um profissional, admito que fico sempre quase a cair de sono na parte das perguntas, parece estar sempre anestesiado -, e nessa parte Pedro Chagas Freitas diz não opinar no que toca a política porque quando uma pessoa não percebe sobre um assunto não deve escrever sobre ele. Acrescenta no entanto que a falar de política, fala só quando se encontra entre familiares, amigos. Bom, pensei, então mas se tudo nesta vida é efectivamente política, até numa simples compra, o facto de se escolher isto e não aquilo é já um gesto todo ele voltado para isso da política, algo que parece a maioria não perceber, então, se fôssemos por aí teríamos um mundo mudo. Até na hora de votar. 

Continuamos a ser um pouco hipócritas nisto de assumir que por vezes não damos a nossa opinião porque de alguma maneira aquilo nos pode comprometer. Eu, por exemplo, e continuando na onda da política, fiquei de alguma forma confusa quando Catarina Martins, a líder bloquista, diz que a "prisão de Lula não é sobre corrupção", diz ser um "golpe da direita reaccionária, racista e fascista". Neste momento, instalada que está a confusão na minha cabeça,  já não sei se quando uma pessoa recebe, não recebendo, um apartamento tríplex envolto em quantias de mais de meio milhão de euros, se está tudo bem? É que se for por aí eu também quero se faz favor e obrigada também. Existem decks de madeira muito lindinhos por aí...

17 comentários :

  1. Não conheço o senhor Freitas. Porto Canal e Júlio Magalhães estão bem um para o outro, bem lá no fundo da lata das coisas com que não se deve perder tempo.
    Adiante, então.

    Catarina Martins, essa figura vinda do mundo do teatro tem, na matéria em causa, meia razão. Quando diz que a prisão de Lula é um "golpe da direita reaccionária, racista e fascista".
    Meia razão despachada, vamos à outra metade em que na minha perspectiva não tem razão: diz ela que a "prisão de Lula não é sobre corrupção". Ó mulher de Deus, ou não conhece o significado do termo corrupção ou está a referir-se a outro 'comestível' qualquer. Estará a nossa querida Catarina a misturar Lula com Cherne?
    (Parto do princípio de que saberá a estimada Maria quem ficou conhecido por cherne).
    Catarinazinha, não conhece mesmo nada sobre o que Lula da Silva potenciou no Brasil brasileiro quando frequentou o Palácio Planalto? Pois, percebo, a menina Catarina agarra-se à parte boa da governação de Lula, que houve, com o que se lhe seguiu? Terá andado, a nossa querida Catarina, distraída com o que se ia passando na Petrobrás e dentro do PT? (não confundir este PT com PT de Portugal Telecom).

    Cantarolando, é assim: esta vida de bloguista está a dar cabo de mim, lalalalala :))))))

    Beijinho, caríssima Maria. Vá para dentro que vem aí chuva ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca me suscitou grande curiosidade este escritor, daí nunca ter comprado livro algum, no entanto oiço falar dele, daí a curiosidade de querer ouvir/ver esta entrevista no Porto Canal. Primeiro e quanto ao que me foi dado ver, Júlio Magalhães apresenta-se quase sempre no seu espaço entrevista (a última que vi antes desta foi com Cuca Roseta), vestido em estilo monocórdico, dá realmente sono, se uma pessoa não tiver bebido um café forte sem açúcar antes da dita, perde a entrevista e acorda lá para as tantas da manhã, assustada, sem saber a quantas anda, ou andou. E não, não estou a ser aquilo de 'mázinha', apenas estou a cingir-me ao que me foi dado assistir mais do que uma vez.

      Resolvi pesquisar mais sobre Pedro Chagas Freitas, não o deveria ter feito, diga-se de passagem, fui parar à revista Sábado e encontrei esta crítica, fiquei mais ou menos angustiada, mais para mais do que mais para menos: http://www.sabado.pt/vida/detalhe/critica-de-livros-pedro-chagas-freitas-e-os-enormes-seios-da-pamela-anderson (aconselho o uso de capacete porque a crítica é feroz, avisei, está avisado).
      ...

      Quanto a Catarina Martins, bom, neste caso parece-me que a culpa daquele tom muito agressivo que me foi dado a ver ontem num tele que é jornal, tom que denuncia a vontade de dar uma dentada em alguém, não importa quem, se deve ao abuso de demasiados cafés por dia. Neste momento, e depois de ouvir alguns políticos no activo e outros mortinhos por voltar, as ilações que consegui tirar das palavras destes tais políticos, é que a corrupção não faz mal algum, depreende-se que é por aqui, ou então sou eu que não sou muito boa a depreender.

      Obrigada, caro Observador pelo seu esclarecimento, eu cá acho que Catarina Martins não juntou à caldeirada, cherne, mas sim um peixe-turbarão com muita carninha lá dentro dele, peixe chamado Temer. É temer o Temer com Lula e batatinha esmurrada pela própria da 'Catarinazinha!. Nos próximos tempos só como salada sem moluscos incluídos e nada de vinagre-gourmet-corruptível, só naquela de me sentir mais saudável. Se calhar é melhor só beber água e está feito.

      PT de Partido dos Trabalhadores? Sei...

      (esta vida de pantomineira está a dar cabo de mim, raparaparaparaparaparaparim :)))

      Beijinho para si também, caro Observador.

      Eliminar
  2. Bom, eu não conheço o Pedro Chagas Freitas, a não ser de alguns pequenos textos que amigos me enviam pelo messenger. O Júlio Magalhães sim, embora desde que ele foi para o Porto Canal nunca mais o tenha visto. Raramente vejo TV e quando o faço é quase sempre o Canal 2 programas indicados pelos professores. E para o marido a TV podia ter apenas três canais. SIC noticias, SpotTV e Eurosport para seguir os torneios de Snooker. Politica eu também não entendo muito, aliás eu não entendo muito de coisa nenhuma, Mas o que sei de Lula, da história do Brasil, e do que me tem sido dito por amigos brasileiros, é que o Lula, fez muito pelo Brasil, durante alguns anos, mudou radicalmente a história do país, depois ou por ambição própria, ou por mau aconselhamento, ou por outro qualquer motivo que só ele, saberá entrou por caminhos sombrios, manchou um nome que deveria manter impoluto. E por isso foi julgado e condenado. E se atendermos à vergonhosa história do Temer, e das suas ligações corruptas já provadas, e ao afastamento de Dilma, contra quem não havia uma única prova de corrupção, apetece-me perguntar
    Quo vadis Brasil.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já agora, e se entretanto a Elvira passar novamente por este texto, será que pode deixar a sua opinião em relação a esses pequenos textos de Pedro Chagas Freitas? Uma questão de curiosidade visto que nunca li nada do autor.

      O canal 2 é uma lufada de ar fresco nesta nossa tv. E ao contrário do que muitos advogam não acho de todo que seja um canal elitista. O problema nisto tudo é que de entre tantos canais que apenas se seguem uns aos outros, é cópia em cima de cópia, existir um canal que resolve percorrer outro género de caminho, é de valor.

      O Júlio Magalhães tem o mesmo problema de outros profissionais, sejam da mesma área, sejam de áreas diferentes, aquele tom monocórdico que por vezes pode afastar as pessoas. Penso eu, mas obviamente que é a minha opinião e vale o que vale.

      (estou com o seu marido na parte do snooker, aprendi - quer dizer, aprendi mais ou menos -, a jogar snooker numa ida ao Alentejo onde estive alguns dias de férias em regime de Turismo Rural, existia uma sala própria para o efeito e era aí que depois do almoço e nos serões se fazia uma espécie de 'campeonato' com outras pessoas que também ali estavam de férias, conheci pessoas muito interessantes, diga-se de passagem)

      Gostei da parte do seu comentário, opinião, em relação a Lula, Presidente Temer. Um dia destes ouvi um comentador na tv que teve esta expressão que pode resumir muita coisa: "roubo, mas faço", ou seja, as pessoas tem tendência a menosprezar determinados crimes, quando esses mesmo crimes - sejam eles quais forem - foram cometidos por pessoas que mostraram serviço, digamos assim, embora tenham numa dada altura da sua vida optado por seguir caminhos sombrios. Isto parece-me bastante perigoso. Entretanto existe aquela parte de não existirem provas concretas, não estando nada em nome dos próprios, não são tolos como é óbvio, nada se pode provar e nada se podendo provar é como se se estivesse a prender alguém inocente. Resta saber se a lei também funciona assim para as restantes pessoas, aquelas ditas comuns. É que parece que no mundo real, aquele do dia a dia, existem pessoas que podem ser presas por roubar um chocolate, aconselha-se as pessoas a engolir o chocolate inteiro no caso de serem apanhadas, sem chocolate à vista, sem provas concretas, não podem ser condenadas e cumprir pena (de repente deu-me para este lado).

      Abraço para si também, Elvira.

      Eliminar
  3. Passei, e respondendo ao seu pedido, as poucas coisas que li, não dão para ter uma ideia dele como escritor. Porque são textos, a puxar o sentimento e a lágrima. Pelo que tenho lido a Maria não tem Facebook,mas eu tenho os familiares, e vários amigos muitos frequentam comigo a Universidade Sénior. Ora aqueles amigos virtuais que são escritores, ou jornalistas, enfim pessoas de certo estrato cultural, publicam de vez em quando algumas coisas que se vêm na página inicial e que poucas vezes tenho a sorte de ver porque ando pouco tempo por lá. Os outros mandam-me muitas mensagens, textos como disse a puxar a lágrima, orações e anedotas pelo messenger. Pelos textos que recebi nunca tive curiosidade em procurar um livro dele, mas disseram-me há dias que é escritor de sucesso, o que mais vende das edições Chiado Editora.
    Também me chega dos amigos brasileiros muita coisa sobre política. A favor e contra, o que dá uma ideia da divisão em que o país se bate.
    Eu não acho que uma pessoa deva ser inocentada de burlas só porque fez muita coisa boa. Lamento se sei essa impressão mas eu referia-me ao afastamento de Dilma, de quem não há uma única acusação de burla para ser substituída pelo Presidente Temer, mais que corrupto.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já percebi. No entanto não deixo de realçar o facto de a Elvira ter escrito que frequenta a Universidade Sénior, eu acho que essa parte, para além de ser digna de respeito, merece palmas. Pessoas existem de 40 anos que passam a vida a queixar-se que estão velhas, entretanto pessoas de mais idade dão estas lições de vida, esta de recusarem arrumar-se a um canto como se já não tivessem préstimo algum.

      Vender muito não significa qualidade, penso eu, mas não posso adiantar mais nada enquanto não ler pelo menos um livro do autor. Se a Elvira quiser, espreite aquele link que deixei na resposta ao comentário do caro Observador.

      Não, não passou essa impressão, eu é que fui buscar aquela expressão do comentador de tv, aquela do "roubo, mas faço". Foi por aí... Embora aquele meu exemplo do chocolate não seja dos melhores, talvez dê para perceber a minha ideia.

      Admito que me fez confusão, e ao mesmo tempo irritou-me, ouvir Catarina Martins dizer que "a prisão de Lula não é sobre corrupção", eu cá acho que se Lula tivesse a ficha limpa, por assim dizer, ninguém iria acusá-lo do que quer que seja, mas talvez esta seja uma visão menos iluminada e mais simplista da situação.

      Um resto de bom dia, Elvira, e obrigada por ter respondido ao meu pedido.

      Eliminar
  4. Fui lá mas só li até meio. Maluca já eu sou não preciso de livros para pirar de vez.
    De qualquer modo obrigada pela indicação.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahah, peço desculpa, Elvira, por responder desta forma, é que a intenção era mesmo perceber a reacção das pessoas desse lado àquela crítica. Aquilo é muito mau, não me agradeça, foi uma pequena provocação :)

      Eliminar
  5. Este rapaz tem a mania que é bom. Bonito é sim senhora mas bom a pontos de dizer frases/pensamentos que me deixam a pensar que raio de "####". Já me disseram que ele é muitooooooo hilariante e eu perguntei aonde? Como? é que peguei num livro dele e desfolhei e nem sequer punha na fogueira não fosse as coisas espatafurdias virarem chama incandescente. Apre!!!

    Gosto de ouvir, melhor gostava porque desde que foi para o Porto Canal onde é director, nunca mais vi nada dele. E sim é de facto monocórdico e sim...dá sono, mas sabe bem:)))) Tenho dois livros dele e volta e meia releio porque foi o escritor que se aproximou mais da dura realidade do êxodo de Angola.

    Quanto a Catarina Martins não gosto dela como política (a prova é no que referes) porque é muito teatral e com uma dose de imaturidade. Como pessoa não sei porque não a conheço. Gosto mais de Joana Mortágua:)

    Tenho imensos brasileiros por aqui e uns são de facto contra a prisão de Lula e outros a favor. já me dei ao trabalho de ler uma enorme reportagem sobre o assunto e fiquei com a ideia que houve corrupção activa e passiva, mas sinceramente só espero que Temer & Companhia que hoje ainda não podem ser julgados pela imunidade que têm, quando deixarem o poder que entrem nas celas ao lado!

    Por cá já uns quantos poderiam estar na cadeia em vez de andarem no bem bom anos a fio!!! de de repente lembrei-me de uma frase de Eça de Queirós:

    "Políticos e fraldas devem ser trocados de tempos em tempos pelo mesmo motivo."

    Beijos e boa tarde ainda com sol:)


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ouvi/vi a entrevista por completo e, na minha opinião, não acrescentou grande coisa. Digamos que não foi uma entrevista interessante, mais me pareceu uma entrevista daquelas que são feitas com intenção de vender o livro mais recente. Não que seja errado, só que estou sempre à espera de pessoas que não se limitem a dizer uma catrefada de frases feitas.

      Costumo ver o Porto Canal, pelo menos as notícias vejo, gosto de cruzar a mesma informação com outros canais - coisas minhas. Acho, inclusive, que têm por lá gente bastante profissional. Vale a pena espreitar. Bom, do Júlio Magalhães tenho uma vaga ideia daquele espaço-comentário, da cumplicidade, entre ele e o nosso actual Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Neste momento e não me querendo repetir mas já repetindo, o problema ali é que não dá para ouvir muito tempo Júlio Magalhães porque uma pessoa adormece.

      Neste contexto, não me parece que Catarina Martins tenha estado bem, pelo menos na parte em que se refere a Lula da Silva como se fosse uma pobre vítima, usando um tom agressivo, diria sem querer ofender ninguém, quase esganiçado. Se fosse escolher alguém do BE, escolheria Mariana Mortágua, mas como não sou BE não escolho rigorosamente ninguém, ainda que não tenha problema algum em admitir que por ali existem mulheres inteligentes. No entanto algo falha.

      Não conhecia essa frase, frase essa que não cheira a chanel nº5, parece-me ;)

      Tenha uma boa tarde, Fatyly :)

      Eliminar
    2. Só um PS: troquei o nome e sim é a Mariana Mortágua de que gosto mais:) Desculpa:)

      Eliminar
  6. Maria eu que pouco percebo de coisa nenhuma, mas que tambem gosto de opinar, digo-te que Pedro Chegas me enganou, achei que ia gostar e comprei um livro dele, azar juntei-o ao das sombras de grey que não consegui ler, estão bem um para o outro. A Catarina Martins gosta de dizer coisas, mas eu nem sempre gosto do que ela diz, o Lula pode juntar-se ao Sócrates, coitados eles foram usados por amigos certamente. Mas eu não sei nada, só ouço a televisão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, finalmente alguém que leu um livro de Pedro Chagas Freitas e dá a opinião na primeira pessoa...

      (credo, Marina, gastar dinheiro a comprar o livro "As Cinquenta Sombras de Grey"!?! Isso até me deixou traumatizada por uns bons 50 anos :))) e, não, não tem a ver com a temática, tem a mais a ver com a escrita na onda de muito pobrezinha e básica tendo a 'obra' saído de alguém designado de escritora (?), sendo de uma escritora, espera-se mais, muito mais - li alguns trechos online)

      Xiiii, essa foi forte, essa de "o Lula pode juntar-se ao Sócrates"... Por falar em Sócrates, a TVI convidou-o um dia deste para falar de... Lula, ainda dizem que este país não tem um grandessíssimo sentido de humor :))))

      Eliminar
    2. Maria comprei As sombras de Grey, o primeiro, porque me deixei enganar por toda a gente que dizia que era muito bom, que isto e aquilo, amiga ainda li duzentas páginas, porque eu detesto comprar livros e não ler, mas depois do Pedro Chagas já nem chego ás cinquenta páginas, tanto amor, tanto doce tanto enjoo, mas esse debate do Socrates sobre o Lula, vou querer ver, ah, ah, são muito amigos. iam todos no mesmo barco...

      Eliminar
    3. Vale a pena ver isso do Sócrates a falar de... Lula ;)

      Eliminar
  7. Por alguma boa razão o Nicolau Maquiavel foi considerado o pai da politica moderna e não o Dalai Lama... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu cá acho que este comentário, Francisco, tem muito sumo. Ó se tem :)

      Eliminar