quarta-feira, 14 de março de 2018

E qual a razão de continuares a ler blogs, Maria? - sim, estou a falar na terceira pessoa, lamento

A razão é muito simples, é porque existem pessoas que escrevem e quando o fazem parece que acabaram de me ler o pensamento.

Se tiverem um tempo, é favor dar aqui um salto e ler com muita atenção a grande verdade da vida. Dura. Cruel. Difícil de digerir, pelo menos para alguns, mas real. A ver se mudo algumas coisas na minha vida, coisas que precisam urgentemente de ser mudadas.

11 comentários :

  1. Bem só me vejo a pensar assim quando estivesse "down"...neste momento só estarei meio down pelo que não só não me vejo a pensá-lo, como não vejo que os outros assim pensem - pelo menos os outros que admiro e gosto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gábi, este texto da vanita, foi provavelmente dos textos que li, ultimamente, aqui na blogosfera, o mais acertado, realista, que alguém pode ler. Está escrito de uma forma aparentemente simples. Aparentemente. Porque a essência da vida está ali toda concentrada. E escrever com aquela ironia é só para quem pode, esta blogger pode e muito. Aliás, sabe fazê-lo muito bem.

      Quando escrevi no meu texto que, "a ver se mudo algumas coisas na minha vida...", estava, também eu, obviamente, a ser irónica :)

      Eliminar
  2. Li e reli e identifiquei-me com as palavras da autora. Mas continuo sempre a mesma, gostem ou não gostem porque sempre agi conforme a minha verdade. Em termos profissionais havia "carneirada" à qual nunca pertenci. Tive direcções que se julgavam superiores a tudo e a todos e sem nunca ter cedido o que "pretendiam" consegui manter a carapaça onde todos batiam com o focinho e ainda bem que o fiz. Com isso era trabalho em cima de trabalho mais o trabalho de quem sabia levar a vidinha com faltas etc e tal, mas venci. Hoje empurro a vida com a mesma dignidade, honestidade e seriedade, com o mesmo optimismo e sobretudo sem baixar os braços. Pego na mochila de quem tropeça num pedregulho e ajudo-o a caminhar...mas jamais marinar no que este faz, aquele diz, outro prega rasteira, porque deviam ser melhores pessoas, o que possam dizer de mim etc.etc. é pura perda de tempo, porque ninguém muda ninguém. A esses e essas a vida será sempre a melhor mestra. Há uns velhos ditados que dizem "Cá se fazem, cá se pagam" e "o inferno está cheio de boas intenções".

    Ao longo da nossa vida podemos mudar muita coisa, Umas vezes para melhor outras nem tanto ou vice-versa mas com o passar dos anos a vida ensina-nos a ver "o verdadeiro sentido da vida e a postura que deveremos ter perante coisas onde se gastaram energias inutilmente e sendo tão necessárias em outras".

    O que ontem foi, hoje já não é e amanhã não sei porque este mundo de cabos está recheado de "pulseiras verdes, amarelas, laranjas e vermelhas" e temos é que saber valorizar o lado bom de todas elas e mandar para os quintos dos infernos (indiferença) com o seu lado mau!

    O que escrevi, mais uma vez saiu de rajada e nem vou reler, porque vou tomar o meu pequeno almoço. Bem que pedi ao Ambrósio para o fazer mas o gajo hoje meteu baixa...fraudulenta:)))) Sacana:)))

    Vamos em frente Maria e relativiza mais as coisas porque não tarda nada estás no meu patamar e eu há muito a fazer tijolo.

    Um enorme abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não esquecer Fatyly, um ponto muito importante, é um texto irónico. Verdadeiro na sua essência, no entanto chega ali a um ponto em que dá um volta inesperada e veste-se de ironia.

      Eu acho que quem escreve um texto daqueles só pode ser alguém que já passou por muito na vida. Ninguém consegue escrever com aquela clareza de espírito sem primeiro ter enfrentado situações menos felizes. Surpreendentemente não revela azedume, coisa, também ela rara hoje em dia. Reflectir nos dias que correm faz uma falta danada.

      Um dos grandes males da sociedade talvez esteja na parte da "carneirada", ou seja, as pessoas dizem não ter tempo para nada - coisa muito estranha essa, quando se quer arranja-se tempo para tudo -, e como dizem não ter tempo para nada, também não terão tempo para parar e pensar, logo. deixam-se levar pelas mãos dos chicos-espertos desta vida, os chicos-espertos desta vida não são, de todo, uma boa companhia. Os chicos-espertos desta vida querem apenas dar-se bem à conta daqueles que confiam neles de olhos fechados. Abrir os olhos no meio de um mar de solidão é muito doloroso para muitos. Penso eu...

      Abraço e tenha um bom dia, Fatyly :)

      Eliminar
  3. Se a Vanita escreve o que lhe vai na alma, tem a minha aprovação e, até, um aplauso.
    Quanto às leituras de Maria ... bem, dou-lhe os parabéns. Antes ler blogues que fazem sentido do que o tal Observador que diz ser jornal :)

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com a devida autorização da blogger - espero eu - por isso é que não faço copy/paste de textos de autores na íntegra, limito-me a reencaminhar para que tenham os cliques e as visitas que merecem, visitas que são suas por direito, dizia eu que vale a pena memorizar isto:

      "(...) Se fores assim, as pessoas vão odiar-te e ostracizar-te. Vais duvidar da tua sanidade sempre que vires actuar os falsos e cínicos, gente que tem duas caras, que nas costas diz A mas na hora da verdade jura que é B. O mundo é dos maleáveis, não há espaço para colunas vertebrais rectas, ninguém gosta de quem é honesto e usa de franqueza nas suas relações (...)."

      Quando li a parte do 'ninguém gosta de quem é honesto', sorri de mim para mim, é que nesta passada semana o tema de conversa com algumas pessoas conhecidas, foi exactamente este, o facto de as pessoas honestas incomodarem, muito, como incomodam muito, é como se se tivesse obrigatoriamente de acabar com elas para que o mundo continue o seu percurso dito normal. E normal é ser desonesto ainda que se apregoe que a honestidade é que é. O mundo neste exacto momento está cheio de pessoas vestidas com capas de super-homem e super-mulher, fingindo que querem acabar com o terror, com a desonestidade, quando nas horas sombrias, pela calada, tiram a capa e são os próprios a propagar esse mesmo terror, essa mesma desonestidade. É o que temos e tenho cá para mim que tem tendência para a reprodução do género.

      Realmente a autora do texto tem razão, chega-se a duvidar da própria sanidade. Essa é que é essa.
      ...

      Tenha um bom dia, caro Observador. Beijinho para si também.

      Eliminar
  4. Escreve tudo o que te vai na alma mulher.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E a 'vanita' escreveu tudo o que lhe ia na alma. E muitíssimo bem, neste caso. Lá está, os blogs sempre servem para alguma coisa. Boa, como foi o caso do texto desta blogger.

      Bom fim-de-semana, Marta.

      Eliminar
  5. Procura identificação.
    E quando nao acha, como reage?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É sempre possível isso de 'achar', basta saber procurar nos sítios certos. Pode demorar a encontrar os tais sítios certos, mas com o tempo a coisa dá-se.

      Eliminar