segunda-feira, 19 de março de 2018

As pessoas vingativas são umas fofinhas

Pode-se sempre começar a semana por algo profundo, como profundo é o tempo húmido que se faz sentir lá no cocuruto da paciência que se finge que se tem, embora nas profundezas da alma a paciência comece a escassear. Isto foi profundo! Profundo e capaz de deixar as unhas de fora a algumas pessoas que estão sempre à espreita só naquela de nos saltarem em cima - não pelos melhores motivos - na tentativa de nos esfanicar. Felizmente o verbo esfanicar por vezes dá-lhe para aquilo da conjugação imperfeita. É a nossa salvação. Ámen! 

Muitas vezes dou comigo a pensar na razão de alguém ser, ou gostar de ser, ou querer ser, ou morrer a tentar ser, ou desgastar-se na tentativa de ser, isso de vingativo(a). Já me aconteceu perguntar a alguém depois de a pessoa se gabar que finalmente tinha conseguido vingar-se de outro alguém, se agora era feliz (?). Ou seja, se a sede de vingança naquele momento já mitigada o/a tinha deixado no auge da felicidade suprema. Que me desculpem a abundância de tantas palavras elevadas ao cubo, mas eu sou uma alma inquieta, inquieta e já incapaz de disfarçar determinadas coisas que se tem, obrigatoriamente, de disfarçar quando estamos no patamar de imberbe criatura. Uma mulher também tem barba se assim lhe apetecer. E a mim apetece-me amiúde. Amiúde com framboesas e licor de laranja caseiro por cima, é amiúde de comer e chorar por mais. 

Resumindo: não gosto de pessoas vingativas, acho mesmo que se deveria fazer aquilo que se faz às ervas daninhas, arrancar o bigode pela raiz. Se se entender substituir a palavra bigode por felicidade. Arrancar a felicidade das pessoas vingativas pela raiz, a ver o que sobrava. Pouco. Talvez, mesmo nada.


 quem diz 10 segundos, 
diz dois meses, 
um ano, 
cinco anos, 
nisso de tentar vingar-se de alguém

14 comentários :

  1. Se eu lhe disser que odeio o termo vingança, escuso-me a grandes considerações sobre o assunto.

    PS - recordo-me dos grandes especialistas em vingança que eu apreciava: aquela malta da série 'Os Vingadores', os originais, com Diana Ring e Patrick Macnee como principais protagonistas.

    Quanto a vingança, é tudo.
    Viva quem amanhã chega até nós: a Primavera.
    Boa semana, ilustre, beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Observado, o termo, o termo propriamente dito, a mim não me causa mossa alguma, agora as pessoas que possuem esse nobre traço de carácter, dessas sim , dessas gosto de guardar alguma distância considerável. Talvez todo um continente pelo meio. Um continente que não é um hipermercado, já se vê.

      Portanto está a misturar ficção com realidade, ai a minha vida! :)))

      (e a prima vera é coisa para ser vingativa ou nem por isso? eu cá acho que é capaz de não aparecer à hora marcada, já não se pode sequer confiar em primas, quando mais em veras... eheheh)

      Beijinho para si também e tenha uma óptima semana :)

      Eliminar
    2. Eu sabia que mais dia menos dia iria ser despromovido. A prova está aí, logo no início. De Observador passei a Observado.
      Dois problemas: fiquei com uma letra a menos e passei à condição de alguém que está a ser ... observado.

      Saio sem se dar por mim, não vá alguém estar a ... observar :)))

      Eliminar
    3. Ahahahahah, agora esteve muito bem, palmas para si - nem me tinha apercebido da subtracção de uma consoante:)))

      (a ver se despeço o teclado, está a deixar-me muito mal vista)

      Eliminar
    4. Nunca se deve subtrair uma consoante. As vogais são oportunistas :)))

      Eliminar
    5. As vogais agora também são oportunistas? Não tarda vamos vê-las por aí a fumar e tudo. O mundo está perdido! ;)

      Eliminar
  2. Não sou, nem gosto de gente vingativa. Essa coisa de olho por olho, dente por dente não vai com a minha cara. é esquisito demais andar com trocas desses e no caso dos dentes, mais do que esquisito é nojento. Também não sou das que dá a outra face se me batem numa. Se me dói a primeira, porque raio ia dar a outra?
    Prefiro virar costas e por essa pessoa no rol do esquecimento.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Elvira quando lhe dá para ser espirituosa, bate-me aos pontos. Gosto muito dessa sua faceta, admito. Uma fórmula muito bem doseada que balança entre o lado sério e o lado do humor do bom. Aprovada. Next. :)

      (também acho estranho essa coisa de uma pessoa 'dar a outra face', mas pronto, diz que está na moda isso do masoquismo com sombras)

      Abraço, Elvira, boa semana.

      Eliminar
  3. As pessoas vingativas, no meu entender, não são felizes.
    Mas entendo o que quer dizer: quer retirar-lhe o prazer que sentem por ver os outros mal.

    Eu por vezes, penso que gostava de ver as pessoas que fazem mal provarem do próprio remédio. E vê-las contorcer-se de raiva, chorar lágrimas de crocodilo, fazerem-se de coitadinhas.

    Eu sempre dei a "outra face" e não sou mais feliz por isso. Sofro por ser assim. Porque estendendo a mão ou dando a outra face, o que sempre acontece é seres mordida e novamente bofeteada.

    Gostava de ser vingativa mas a natureza de cada um é muito forte. Não está na minha natureza coisas vis. Mesmo quando tenho a faca e o queijo na mão, como se costuma dizer. E posso "enterrar" a pessoa. Não sei
    fazê-lo, nem quero. Por ser assim a quantidade de chapadas que levei na cara, não faz ideia. Muitas com marcas profundas até hoje. Não recomendo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais. Foi direita ao cerne da questão: "quer retirar-lhe o prazer que sentem por ver os outros mal". Sem esse prazer, essa felicidade, são quase sempre uns pobres coitados. Nada resta. É de uma pobreza de espírito absurda. Algo me diz que o lado tóxico da coisa cai mais sobre quem é do que sobre o alvo. Mas, lá está, não tenho a certeza, tenho muitos defeitos no entanto ser vingativa não é um deles.

      Penso que de uma forma ou de outra, todos nós, num determinado minuto da vida fazemos mal a outros, talvez a diferença se concentre no ponto de perceber se é feito de forma premeditada ou não.

      Não aconselho isso de dar a outra face. É melhor fazer marcha-atrás. E depressa. É mesmo por aí, voltar a ser mordida e novamente esbofeteada. Isso é mais do que certo.

      É sempre bem-vinda, volte quando lhe apetecer, acho que a casa é muito bem frequentada, penso eu que gosto muito das pessoas que me visitam :)
      ...

      (e sim, li o post do Turismo que escreveu em resposta ao meu, acho que fez bem em escrever, são pontos de vista diferentes e penso que em pontos de vista diferentes é sempre possível crescer, talvez pensar melhor, reflectir; sabe que cheguei a pensar que a Portuguesinha fosse a São, uma comentadora que costumava passar por aqui e de quem gostava embora a dada altura algo tivesse corrido mal, o que foi pena - peço desculpa por este aparte, mas sou assim,quando tenho algo para dizer, digo, tento é não ser incorrecta, acho que não fui)

      Eliminar
  4. Eu mal me lembro por vezes do nome das pessoas, quanto mais ser vingativo... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Francisco, isso seria um problema dos cabeludos, ou bicudos, isso de uma pessoa se vingar na pessoa errada por não se lembrar do nome da pessoa certa :)

      Eliminar
  5. Nunca fui vingativa, nem sou e espero não mudar de ficha. Mas também não sou de lhes dar espaço e quando me fazem alguma coisa bem feia...remete-os para a prateleira dos esquecidos. Até com familiares...ó...ó...que se vinguem nas urtigas e enquanto se coçam pode ser que fiquem mais mansos.

    Não perco energias com gentinha dessa espécie.


    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Toda a minha vida lidei com pessoas muito vingativas, seja profissionalmente e profissionalmente a coisa é bastante agreste, seja noutras áreas da vida, é desgastante conviver com gente assim, rouba-nos anos de vida. Com o tempo uma pessoa vai aprendendo a bem driblar. Uma questão de sobrevivência.

      Tenha um bom dia, Fatyly :)

      Eliminar