terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Gostava de perguntar às pessoas desse lado se também acham que estas são as 10 maiores qualidades dos portugueses (?)

Primeiro vou beber um pouco de água com limão espremido, não vá de repente a vista ficar meio turva.


Agora entram as tais 10 qualidades que parecem existir por tudo quanto é esquina de rua deste país e, eu aqui, eu que julgava conhecer minimamente o país, mais ou menos as pessoas que por cá habitam, não todas, mas dá para ter uma ideia, de repente apercebo-me que estou errada, que este é o país de pessoas muito fofinhas, boazinhas, pacatazinhas e, quiçá, com os dentes todos. 

Portanto, nada de pessoas dadas a atropelar outros nas filas de supermercado. Nada de insultar os outros no trânsito. Nada de insultar os outros porque são diferentes dos demais naquilo que lhes apetece ser diferentes dos demais. Nada de insultar, de gozar, os outros, ora porque são punks, ora porque são betos, ora porque são surfistas, ora porque são nerds... E a lista seria interminável estivesse eu hoje voltada para listas, não estou, felizmente para mim e também para os outros.

Primeiro entra a letra de uma canção porque isto não vai lá só com água e limão espremido, uma pessoa também precisa de se animar com música: olha o balão, na noite de São João / Para poder dançar bastante com quem tenho à minha espera / ó-i-ó-ai... Ai! Auch! Vamos às tais qualidades que já se faz tarde.

Tudo o que se encontra entre parentesis é da minha autoria, o sublinhado não.
  1. São abertos (a interpretação fica toda desse lado, eu hoje, nicles batatoídes)
  2. Servem muita comida (humpf!)
  3. São transparentes (zeritos de falsidade, entra o cartaz de rir, muito)
  4. São amigos (errr.. quer dizer, tem dias, se as cunhas funcionarem, sim, sem dúvida)
  5. São prestativos (put the cream, versão prestativa de zezé camarinha - património nacional)
  6. Têm as sobrancelhas mais bonitas do mundo (autora do texto consome substâncias estragadas)
  7. São informados (tecla ironia activada: o Correio da Manhã confirma e nunca desmente)
  8. Amam a própria cultura (sim, conhece-se melhor Punta Cana do que Coimbra)
  9. Aceitam seus imigrantes (passo)
  10. Têm riso fácil (apeteceu-me mesmo muito desenvolver esta parte mas a EDP não deixou)

Termino em modo: sem generalizar, porque generalizar provoca azia.

11 comentários :

  1. Que generalização preocupante!
    Há por aí verdades incontestáveis, inverdades e coisas ntes pelo contrário.

    Água com sumo de limão espremido!? Como raio se consegue sumo de limão sem o espremer?
    Se for caso disso, procurarei num livro de receitas publicado por um daqueles 'chef' que sabe tudo :)

    Termino em modo 'adeus ó vai-te embora' ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se eu terminei em modo sem generalizar, deduzo que o caro Observador se esteja a referir à autora fofinha das 10 maiores qualidades dos portugueses...

      1. Verdades incontestáveis - e quais são elas? se entretanto quiser esclarecer aqui uma Maria qualquer...
      2. Inverdades - quais? para uma pessoa se orientar.
      3. Gostei muito mais das "coisas antes pelo contrário" (eheheheh)

      Trinca-se o limão directamente, bebe-se água por cima e, pronto, está o caso resolvido :)))

      Quando se alcança o estatuto de chef, é normal que se saiba mais de cozinha do que o comum dos mortais. Portugal nisso dá cartas.

      (a autora destas 10... 10... maravilhas, tem um género de ligação directa ali no texto, o texto obteve uns cento e tal comentários, não os li todos com medo de me dar alguma coisinha má.. acho que vou sonhar com sobrancelhas, hoje)

      Fuiiiiiiiiiii.

      Eliminar
  2. Ora bem, pelo menos a última deve estar certa já que me ri e bem com o seu texto (e comentários) Outra coisa, são amigos sim senhor. Basta entrar num qualquer perfil do FB, e aquilo são amigos que nunca mais acaba. Rsrs. São informados? Os sportinguistas vão deixar de o ser em breve. Tão proibidos de ler jornais, ver TV etc. E amam a sua cultura? Bom se a cultura for um tinto alentejano. Posto isto penso que sim algumas coisas são verdade.
    Quanto aquilo que é a essência do português, que a Maria tão bem descreve no segundo parágrafo e que a autora esqueceu, está reservado para segundas núpcias. No dia em que algum seja autêntico com a senhora, que lhe salte a tampa, ou quebre a telha, e ela resolva falar nos dez piores defeitos.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Elvira, antes de mais, deixe-me que lhe diga que este seu comentário é muito bom. Gostei. O seu sentido de humor está de boa saúde. E recomenda-se.
      ...

      Existem assuntos que uma pessoa antes de os abordar, ou toma água com limão espremido, ou bebe uma garrafa de vodka inteirinha só para acalmar as hostes que pu(lu)lam dentro da alma - almas com salão de baile incluído. Não é fácil lidar com pessoas tão fofinhas e doces, causa diabetes em último grau, mas pronto, como a Elvira muito bem escreveu: "No dia em que algum seja autêntico com a senhora, que lhe salte a tampa, ou quebre a telha, e ela resolva falar nos dez piores defeitos". Ah pois! Muito bem escrito, nesse dia não há cá duchaise para ninguém (duchaise, um bolo muito calórico, enjoativo, que é capaz de fazer nascer uma grande borbulha na ponta do nariz, desde que o nariz não seja o meu, "tásse" bem :)))

      Abraço para si também.

      Eliminar
  3. Como em tudo há excepções e esta é a minha opinião...quer para portugueses, quer para portuguesas:

    1- São abertos: apenas e tão só apenas ao que lhes apetece e der mais jeito!
    2- Servem muita comida: nos restaurantes do norte as doses são bem maiores mas... no Alentejo são fartas mas muito mais condimentadas com a simpatia. Não do Centro que é tudo reduzido (até a simpatia e educação onde só fica o cheiro, tal rissol de camarão, cadê o dito?) ou os pratos em que é servida são maiores:)))
    3- São transparentes: Jamê!
    4- São amigos: Muito pouco porque pisgam-se quando...enfim é para esquecer!
    5- São prestativos: conforme a situação, são mais os que têm calos nas mãos e terra nos pés, do que os que andam de fatinhos e gravata e ou roupinhas pimpinelas!
    6-Têm as sobrancelhas mais bonitas do mundo: a sério? ainda não tinha reparado, vou estar mais atenta!
    7- São informados: Limitam-se a "áreas" e basta ver programas com perguntas e com várias opções de resposta para ver que a informação-cultura-geral anda pelas ruas da amargura!
    8- Amam a própria cultura: nota-se e apenas dou uma coisinha como exemplo: Unem-se e andam à porrada por tudo e por nada mas aceitaram o "novo acordo ortográfico", já para não falar de outros exemplos gritantes!
    9- Aceitam seus imigrantes: nunca tive razão de queixa:) mas a maioria aceitam de "fachada", mas já berram quando são mal aceites pelos países para onde vão.
    10- Têm riso fácil: onde????? aqui dei uma sonora gargalhada, mas isto sou eu que sou "made in Angola".

    Volto a repetir que há muitas excepções

    Gostei deste desafio, mas não fui "à autora" que já tem 129 comentários porque estou cansada, mas amanhã irei ler:)

    Um bom serão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ó aqui aquilo que acho em relação ao que a Fatyly desenvolveu para cada ponto:

      1. Verdade, verdadinha.
      2. Os restaurantes preferidos de uma grande maioria dos portugueses são aqueles que ajuda a ter uma grande barriga quando a idade começa a dar um ar da sua graça, Ou seja, são restaurantes que servem doses absurdas de comida em modo montanha onde impera o tudo ao molho e fé em Deus, onde todos os pratos têm arroz e batata frita, até me admira que o molotov não seja servido com arroz e batata frita.
      3. Também concordo, os portugueses, lamento, não são pessoas transparentes, quero crer que a grande maioria fala uma coisa pela frente, sorri imenso, quando apanham os outros pelas costas é uma tristeza. Sim, nas costas dos outros...
      4. Lá está, se uma pessoa tem dinheiro, influência, algum poder, aquilo são amigos que nunca mais acabam, se a pessoa tiver a pouca sorte de ficar na mó de baixo, é ver os amigos que ficam, aquilo fica ali quase na base dos zeritos. Ah pois!
      5. Nessa dos prestativos discordo um pouco da Fatyly, mão tem a ver com o usar uma enxada ou um fato com gravata, terá mais a ver com o carácter das pessoas.
      6. Esqueça isso das sobrancelhas, vá por mi, isto é malta que se mete no álcool :)))))))))
      7. Isso do inofrmados... faz-me muita confusão esse lado dado ao mórbido de uma grande parte dos portugueses, provavelmente mais as pessoas com mais idade, disso é prova as notícias do CM, em que descrevem ao pormenor coisas macabras; o populismo, o sensacionalismo, vieram para ficar, entristece-me essa parte, confesso.
      8. AO, ou seja acordo ortográfico, se lhe contasse um episódio engraçado que me aconteceu no outro dia ao interpretar um texto com um "para", ali pelo meio, ás tantas fiquei baralhada, tive de recomeçar a ler, não fazia sentido o "para", afinal era... pára. Sim é verdade, só não coloco o link porque a pessoa escreve lindamente, apenas se rendeu ao AO.
      9. (continuo a passar)
      10. Riso fácil, só conheço a genuína gargalhada de Helena Sacadura Cabral, senhora que gosto muito de ouvir... agora lembrei-me que o programa "Passadeira Vermelha" bem que podia contratar HSC, aquilo é que era deitar a casa abaixo, Luísa Castel-Branco e Helena Sacadura Cabral pelo mundo rosa (ahahahahah).

      Tenha um óptimo dia, Fatyly :)

      Eliminar
    2. errata: restaurantes ajudam e não ajuda.

      (peço desculpa por mais umas letras trocadas, foi escrito na base dos 200km/hora :)))

      Eliminar
  4. Adorei o teu "achar":))) sobre o que eu disse e não tens de pedir desculpa pela troca de letras, percebi tudo:)) e obrigado:)

    Um bom serão

    ResponderEliminar
  5. Os portugueses são quase únicos, resultado duma amálgama de povos que, desde sempre, por aqui passaram. A História, à falta de documentação pré-histórica, fala-nos de iberos, celtas, lusitanos, fenícios, gregos, romanos, suevos, visigodos, árabes, isto para não falar da herança de invasores de curta duração: espanhóis, franceses, ingleses...
    A História faz-se de vencedores e, se pensarmos num povo que se foi ajustando aos ditames de diferentes detentores do poder, creio que facilmente chegaremos à conclusão de que a sobrevivência sempre foi a principal prioridade. Fomo-nos ajustando, tentando agradar, bajulando quando necessário. E muito nós bajulámos em prol da sobrevivência!
    O 25 de Abril não foi assim há tanto tempo quanto isso, mas parece que, por qualquer efeito não previsto pelos seus mentores, as pessoas preferiram ter, ter cada vez mais, deixando para segundo plano a opção de ser. Isso é para os poetas e para os tolos, pensava a maioria. O que é certo é que, perante uma ilusória abundância, o exercício da cidadania ficou sempre para segundo plano, abrindo alas a toda uma vasta gama de xico-espertismo.
    Os portugueses têm qualidades? Claro que sim. Mas adivinha-se um loooongo percurso até que eles se assumam como cidadãos do mundo.

    Um beijinho, Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se o AC me visse a ler este seu comentário perceberia a razão de não saber o que fazer, ou escrever. Resolvo apenas interiorizar as suas palavras. Que bela lição de vida.

      Muito obrigada e aceite um grande beijinho :)

      Eliminar