sábado, 17 de fevereiro de 2018

A história do José Manuel e do Manuel José na sua ida ao café da esquina (na vida, como nos blogs, as semelhanças existem)

Imagine-se a mesma rua e o mesmo café da esquina. Imagine-se que a esquina onde está arrumado o café ainda conta com alguma distância, distância que não sendo muita, não é de menosprezar. Imaginem-se as mesmíssimas circunstâncias. Imagine-se que a única coisa diferente e não por acaso, é que num o nome é próprio, para no caso seguinte já ser apelido - José Manuel e Manuel José.

Agora imagine-se o José Manuel a quem se perguntou aquando da vinda do café se o dia estava a correr bem (?). Ao que o José Manuel responde de imediato que é sempre a mesma coisa, não há nada de novo, cá vamos indo, é um dia atrás do outro, a vida é mesmo assim e cá se vai vivendo como Deus quer. Pela resposta do José Manuel deduz-se que Deus não deve querer grande coisa para o José, o próprio.

Agora imagine-se um  Manuel José a quem se perguntou aquando da vinda do café se o dia estava a correr bem (?). Ao que o Manuel José responde sem que antes o rosto se lhe ilumine com um sorriso:

Então mas não haveria de estar a correr bem porquê? Está sol, no caminho encontrei a ti Miquelina, esteve-me a contar que a neta finalmente encontrou trabalho lá em Lisboa, está feliz a ti Miquelina pela neta, eu também fiquei feliz por a piquena ter trabalho e dinheiro, a juventude precisa de casar, ter gaiatos, a ver se o mundo anda para a frente, depois encontrei o gato do ti João esparramado ao sol, aquilo é que é vida, tomara eu, depois vi que na berma da estrada antes do café estavam a crescer umas flores amarelas, colhi meia dúzia para oferecer à minha Albertina, vai ficar feliz, e em ela estando feliz em fico mais feliz ainda, se calhar com tanta felicidade sou bem capaz de ter arroz de pato para o jantar, depois no café ainda joguei dominó com os compadres, bebi um bagacito que dias não são dias, olhe, menina, já não me lembro o que é que me perguntou, desculpe, sim, mas que este dia me está a correr bem, está sim, menina. Cá se vai vivendo como Deus quer.

Resumo: tendo o José Manuel e o Manuel José no caminho para o café encontrado exactamente as mesmas coisas, estando reunidas as mesmas circunstâncias, qual a razão de um dizer "que é sempre a mesma coisa" e o outro relatar minuciosamente tudo o que encontrou pelo caminho, sentindo-se feliz?

Será que Deus, isto para quem acredita em algo, tenha a sua fé, quer efectivamente mais para um do que para o outro? Dará óculos para ver a vida, óculos melhores a um do que a outro? Ou somos nós que construímos os nossos próprios óculos porque, a bem dizer, Deus não percebe nada de negócios de óculos.

A vida deverá ser vivida em modo sucinto ou em modo extenso? E a escrita? O que fazemos com a escrita, senhores?!

*
Escolhas.


10 comentários :

  1. Ai menina, que se perdeu com a conversa dos senhores e está a deixar derreter o gelado.
    Conhece de certeza o copo meio cheio e meio vazio. Eu diria que o José Manuel e o Manuel José são asim a modos que esse copo. Um concentra-se no que tem e valoriza-o, o outro só vê o que não tem e sente-se frustrado
    .Um abraço e bom domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se a Elvira caiu mais para o lado do gelado, quer dizer que prefere a sacarose à frutose. Verdade? São as tais escolhas. Isto sou eu a brincar consigo, espere que não leve a mal :))

      Gostei da sua interpretação a um texto que me deu muito prazer de escrever - porque é mesmo de prazer que se trata, prazer no sentido de satisfação que algo provoca em nós quando a realizamos. E acrescento, depois de ler o seu comentário tive que ler novamente o meu texto, isso do copo meio cheio e do copo meio vazio, não está mal visto, não senhor.

      Abraço, Elvira, bom domingo para si também.

      Eliminar
    2. Enganou-se amiga, nem ligo nenhuma a gelados penso que não como um gelado há mais de 20 anos. E também não aprecio doces, embora adore confeccioná-los.
      Um abraço e boa semana

      Eliminar
    3. Estava a brincar, Elvira, publiquei aquelas duas imagens com essa intenção, a intenção das escolhas:
      fruta, logo, frutose = a escolha natural
      gelado, logo, sacarose = a escolha artificial
      (sou um ser estranho, bem sei :)))))

      Eliminar
  2. bom dia
    este texto faz-nos pensar muito , embora seja o pão nosso de cada dia .
    JAFR

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa tarde, Roaquim,

      Tendo em conta o seu comentário, penso que percebeu muito bem o sentido que quis dar a este texto. Agrada-me essa parte, convidar as pessoas a pensar sobre determinadas posturas que temos no dia-a-dia.

      Tenha um bom domingo.

      Eliminar
  3. Quais são as grandes diferenças entre o Manuel José e o José Manuel?
    Pronto, estou com um dilema daqueles!!!

    Bom (resto de) domingo, caríssima Maria.

    ResponderEliminar
  4. Vou pelo fim...as palavras (e aqui digo que és simplesmente fantástica quando as usas, porque me faz pensar e reflectir se ando no trilho certo ou fora dele) ...como nunca fui nem sou sucinta em nada e muito menos perder tempo com os Josés Manueis desta vida porque dou muito mais atenção e valor à postura dos Manueis Josés, vivendo um dia de cada vez e em "modo extenso"!

    Já o disse noutro post que quando saudo e me respondem "vou indo" respondo de imediato "então vá andando que já a ou o apanho.

    As imagens são fabulosas e lá encontras estas preciosidades:

    Não sou nada apreciadora de maçãs e só as como raladas sobre um prato de comer que é aquecido no micro-ondas. Estrago? Paciência mas as "bitaminas todinhas" entram em mim no modo quente. Já a água é aos litros:)) Prefiro outras frutas e ainda agora comi uma pápa de pabacate-kiwi-papaia...isto de ser gente fina é outra coisa:)

    Adorei e saio daqui com as pilhas carregadas

    Um abraço

    Quanto aos gelados...ui até me fez crescer água na boca e como tenho falta de açúcar como sim senhora quando me apetece e há lá coisa melhor na vida em termos de doces? Isto claro para quem não é grande apreciadora de doces como é o meu caso:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Fatyly é uma senhora daquelas que não precisa que lhe digam, muito menos eu, se anda ou não no tal trilho que, ora balança para o lado certo, ora balança para o lado errado. Digo mais, a partir de uma determinada idade, já tendo as pessoas todo uma passado recheado de vida, isso do certo e do errado é muito relativo. Desde que não sejam coisas daquelas muito graves, como matar, roubar, e outras que tais, é desacertar o mais possível :)

      Não tenho a menor dúvida que a Fatyly pertence ao grupo das Manelinas Josefinas, que é, tão somente, a versão feminina do Manuel José :))))

      (gosto muito de maçã starking, costumo comer todos os dias uma desde que me lembro, é a mais pura das verdades; se a Fatyly entrasse na minha casa, mais propriamente na cozinha, veria que existe sempre um cesto cheio de limões, para aquilo de espremer na água morna antes de tomar o pequeno-almoço, todos os dias - já o faço há anos - e um cesto de maçãs starking)

      (eu, por causa do ex que me ensinou que os gelados sabem melhor no Inverno do que no Verão, coisa que para mim não era possível, ninguém me apanhava a comer um gelado quando eu própria e com o frio, me sentia um cubo de gelo, dizia eu que por causa dele agora tenho sempre gelados no congelador no Inverno... como diz o ditado; vão-se os namorados, ficam os gelados... ahahahah)

      Abraço para si também, Fatyly, tenha uma boa semana.
      (e obrigada por ter gostado do texto, eu adorei escrevê-lo)

      Eliminar