terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Maria escreve carta à blogosfera

Ultimamente achei que a blogosfera estava a ressuscitar depois de um período em que mais parecia estar a afundar-se. Para quem gosta de ler e, também, de escrever, blogs de gente que tem opiniões e não se coíbe de as desenvolver, é bom, muito bom mesmo. Quem diz opiniões, diz outro género de texto, desde que seja da autoria do próprio, ou mesmo não sendo, que as palavras escritas do próprio sejam sempre em maior número do que as do texto que arrastou até ali por alguma razão.

Estava a ficar cansada de ver muita gente querer transformar os blogs em cópias do Facebook, apenas com três ou quatro palavras, ou outras redes sociais que estão mais voltadas para fotografias. Os blogs são essencialmente palavras escritas, palavras que podem ser escritas em qualquer canto, basta ter vontade, prazer, inspiração e uma enorme paixão pelas letras. O que quero dizer com isto é que é uma pena que alguns não percebam algo tão simples. Deixem quem quer escrever, escrever à vontade. Deixem quem gosta de ler, ler à vontade. Deixem. E deixem sobretudo de querer amordaçar as pessoas, percebo perfeitamente que isto de as pessoas se puderem expressar cause incómodo a muitos, é a democracia, senhoras e senhores, é apenas a democracia em todo o seu esplendor. Liberdade de expressão. Democracia. Ou isso agora já não dá jeito nenhum? Pois, compreendo a parte de não dar jeito nenhum. Dantes todo o poder estava de um só lado e, as pessoas, não tinham voto na matéria, agora têm. Imagino as chatices que isto causa.

(ontem li um artigo num blog que tinha como título: 'Por falar em vender a alma ao Diabo..', muita letra junta, e que bem que me soube tanta letra junta, e que bem que me soube o que por lá aprendi, até comentei, vejam só o meu atrevimento, e tive direito a resposta que acrescentou mais ainda, gente cinco estrelas, é o que é)


E é isto.