terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Procura-se título, ou na falta de um: O nosso Presidente da República visita manjedoura e tenta beijar o Menino Jesus

Eu sei que a intenção é nobre - a bem dizer não sei mas faz de conta que sim. Também acho que o artista em questão merece respeito da nossa parte exactamente porque a intenção é nobre e continuo a não saber se o é ou não mas continua a fazer de conta que sim.

No entanto tenho aqui uma dúvida daquelas bem cabeludas e, se me fosse dada a oportunidade de perguntar ao artista em questão algo, perguntaria assim de modo informal: ó ó caríssimo senhor artista isto tem o seu lado cómico, não tem? Não me venha cá dizer que não!? O nosso Presidente da República como se de um pastor se tratasse - pastor daqueles que guardam gado de verdade e não pessoas mais os montes de beijinhos dados às pessoas, que eu cá não estou a ver o nosso Presidente andar por aí aos beijos a um carneiro e aos abraços a um lobo, bom... é melhor passar à frente rapidamente... Passemos ao manto.

Um manto em cima com as cores da bandeira de Portugal, chique a valer, uma casita na mão para oferecer ao Menino Jesus. A casita na mão do nosso Presidente matou-me de um golpe só. O semblante do nosso Presidente matou-me sem golpe algum. Morri sem querer duas vezes. De riso, claro. Não se ofenda senhor artista, rir neste momento é uma defesa contra todo o tipo de intempéries, sendo uma defesa pode muito bem ser também, e por arrasto, a salvação.

Aqui entre nós que ninguém nos ouve, acho que o deveriam ter convidado para fazer o busto de Cristiano Ronaldo, ganhava com um pé às costas, não tenho qualquer dúvida, embora seja uma pessoa capaz de acumular funções e ter simultaneamente muitas. Muitas dúvidas. Palmas para a  sua criatividade que bem merece. Um dia havemos de falar melhor acerca do tamanho daquela casa que o nosso Presidente tem na mão para oferecer ao Menino Jesus. Faço como quem não quer a coisa um pequenino aparte: Como raio é que o Menino Jesus cabe numa casita de uma só assoalhada? Pelo tamanho... E como raio é que vai pagar €700 por mês de renda? É uma oferta... humm... Peço desculpa pela parte do raio e do humm, estou a pôr-me a jeito para levar com o cajado em cima. Não. É Natal, desejamos amor aos molhos a toda a gente, alguém se lembraria de dar com um cajado em alguém? Não oiço a sua resposta...


(para ler a notícia completa é dar  um salto ao jornal Expresso)

7 comentários :

  1. "Marcelo é pastor das vítimas de Pedrógão"
    Esta publicação do já há muito tempo pouco conceituado Expresso deixa-me triste.
    Não se brinca com coisas sérias.

    E é tudo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isto que está escrito no texto do Expresso não me parece nada grave, nem algo que deixe alguém triste, antes pelo contrário Vejamos:

      "Em declarações ao Expresso, o artista explica que “as vestes do pastor têm as cores da bandeira de Portugal e simbolizam todos os portugueses que fizeram donativos para que as pessoas que perderam as suas casas pudessem receber novas habitações”. E o Presidente, explica, foi escolhido “como um reconhecimento pela pressão que ele fez neste sentido”.

      Aí é que está, exorcizar é necessário para que as pessoas tenham capacidade de ultrapassar momentos menos bons. Esta pintura não me parece que seja brincar com quem quer que seja, antes pelo contrário. A tragédia que aconteceu poderia muito bem ter sido evitada, isto se todos os que nos governam - os antecessores e os actuais - se lembrassem que prevenir é sempre o melhor remédio. Já com as cheias é todos os anos a mesma coisa, quer apostar que não tarda vamos ouvir dizer que esta e aquela zona de Lisboa (quem diz Lisboa diz outro ponto do país) está inundada e... blablabla, o costume, ninguém faz nada para resolver as coisas de vez, até ao dia em que também vai acontecer uma tragédia e, aí, o pais vai ficar novamente de luto porque mais vidas vão ser perdidas e mais pessoas são bem capazes de perder as suas casas, os seus bens. É isso e continuar a ver pessoas de muita idade a morar em prédios praticamente a cair de velhos, um dia o prédio vem abaixo e... já se sabe o resto. Está a ver, caro Observador, uma pintura é o menos... o jornal Expresso idem idem aspas aspas.

      Tenha uma óptima tarde :)

      Eliminar
  2. Passei apenas para explicar o que é um CBO, é um hambúrguer de frango, com bacon tostado, alface e maionese com pedacinhos de bacon por cima do pão....eu adoro, alías não gosto de hambúrgueres de vaca do mac, mas este é uma loucura!
    Obrigada!
    Da pintura, gostei, até porque tudo isto pode voltar a acontecer...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assustei-me quando comecei a ler o comentário, pensei cá para mim, a Marina passou-se (ahahahah)... depois fez-se luz :)))

      A pintura pode causar alguma estranheza pela simples razão de existir a presença do nosso Presidente, por fazer parte do presépio e estar com uma casa minúscula na mão, bom é uma pintura, nada mais.

      (esperemos que não, que não volte a acontecer)

      Eliminar
  3. Escapou-me este teu post e vamos lá falar:)

    Gostei do artigo do Expresso e ainda mais da pintura, porque quer queiram quer não MRS- O Pastor deu voz a quem perdeu o pio pelas piores razões, deu com o cajado a muito político do faz de conta e sendo católico e praticante manda fazer mas também fez e faz ainda mais.Mais e aí senti mesmo...um abraço em hora de aflição vale por mil coisas materiais e ou palavras.

    Tive alturas na minha vida que recebi abraços de dois colegas quando menos esperava e ainda hoje sinto o seu calor humano.

    Beijocas e vou sair daqui que está um frio de lascar e o sol há muito que deixou de bater na minha janela.



    Quanto à casita na mão eu talvez sugerisse uma lanterna com a intenção de dar luz a mentes que governaram e ou desgovernaram, governam e ou desgovernam numa corrupção sem precedentes. De qualquer forma gostei imenso da obra.

    Por vezes penso o que teria feito o anterior presidente? Não digo por ser uma velha educada:))))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu continuo a gostar deste nosso Presidente, o que me parece é que Portugal não estava habituado a ter um Presidente tão próximo das pessoas, que falasse directamente com as pessoas, olhos nos olhos, isso dos abraços e dos beijos é coisa que os políticos não gostam, acham que o a cor cinzenta dos fatos que para eles talvez seja sinónimo de seriedade, não se coaduna com tanta proximidade. Isso dos afectos é lá coisa de político que se preze? - talvez pensem, talvez, não, acho que pensam mesmo. Ora este Presidente desarmou toda uma classe política, classe essa que é por norma distante e seca. O povo, e este povo não é escrito em tom depreciativo, povo somos todos nós, gosta, não faço a menor ideia se é a maioria, no entanto são muitos.

      Brinquei um pouco com a pintura e com a casinha minúscula na mão do Presidente, apenas isso, sentido de humor por vezes é preciso, salva-nos. Longe de mim brincar com tragédias, essa não é a minha praia.

      Tenha uma óptima tarde, Fatyly :)

      Eliminar
    2. Um pequeno aparte (esqueci-me): Onde escrevo que 'isso dos abraços e dos beijos é coisa que os políticos não gostam', não é bem verdade. gostam, até gostam muito, desde que a coisa seja em plena campanha eleitoral e que lhes renda em votos.

      Eliminar