segunda-feira, 6 de março de 2017

(também eu dou o braço a torcer e dou os parabéns ao Salvador, Sobral)

Se existe coisa que não me custa rigorosamente nada, é dar o braço a torcer, e, neste caso, embora eu tenha achado o Festival da Canção mais do mesmo, ontem, a RTP esteve no seu melhor e ofereceu às pessoas um grande espectáculo. Muito profissionalismo por ali, nada de cheiro a mofo como por vezes a RTP faz questão de nos salpicar. 

Quanto ao Salvador, bom, o Salvador é muito especial e eu, adorei o Salvador. Foi um momento único em tv. Uma canção magnífica (só ontem tive oportunidade de a ouvir), com uma interpretação capaz de nos fazer encolher para dentro, com uma letra arrasadora no bom sentido. Se esta canção vai ganhar o Festival Eurovisão da Canção? Eu, não querendo ser pessimista, acho que não, só que vamos ser muito bem representados. A sensibilidade ganhou desta vez.


LETRA
 Amar pelos dois
Se um dia alguém
Perguntar por mim
Diz que vivi
Para te amar
Antes de ti
Só existi
Cansado e sem nada p’ra dar
Meu bem
Ouve as minhas preces
Peço que regresses
Que me voltes a querer
Eu sei
Que não se ama sozinho
Talvez devagarinho
Possas voltar a aprender
Se o teu coração
Não quiser ceder
Não sentir paixão
Não quiser sofrer
Sem fazer planos
Do que virá depois
O meu coração
Pode amar pelos dois

Autoria: Luísa Sobral

14 comentários :

  1. Não vi. Intencionalmente, diga-se. Apenas, naquele gesto zapping, apanhei o que suponho ter sido o começo. Catarina Furtado e Sílvia Alberto como que me sugeriram que fosse para dentro e não pensasse mais no assunto. Aquele seu (delas) ar de cerimónia fúnebre mal ensaiada assustou-me.
    Salvador Sobral foi o melhor? Irra que isto de cantigas anda mesmo pelas ruas da amargura!

    Boa semana, caríssima Maria, beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Observador, o final do Festival da Canção ontem foi do mais profissional que me foi dado ver nos últimos tempos em tv. Sou daquelas pessoas que se tiver de criticar de forma negativa, critico, criticar de forma negativa mas tentado que seja construtiva algures, e neste caso da final, a RTP esmerou-se. "O seu a seu dono."

      Todos os apresentadores (bem, não foram todos, existiram dois que não estiveram muito bem) se portaram lindamente, e este formato de levar muitos apresentadores a participar fez com que aquilo não fosse monótono. Eu que, admito, nem sou fã de Sílvia Alberto - que me perdoe a Sílvia mas não é bem o meu género, embora ache que esteja a melhor, já não é tão certinha, tão monótona a sua forma de apresentação - achei, contudo, que ontem esteve muito bem. Catarina Furtado é a... Catarina Furtado... nada mais se pode dizer. Quem apareceu de uma forma absolutamente fantástica foi Isabel Angelino, não sei que idade tem Isabel Angelino mas põe muita menina mais nova a um canto. Muito bem. A parte do medley, excelente, e não existisse por lá Rita Guerra, Susana Félix e outros de que não me lembro os nomes. Mais ousadia, mais frescura... menos mofo, veja lá que até o discurso do Júlio Isidro teve graça, para variar.

      Ou seja, desta vez não convidou as pessoas a adormecer. Já é um grande progresso.

      Deixe-me que lhe diga que temos na pessoa do Salvador alguém muito especial. Com uma interpretação que foge àquilo que já enjoa. Ao mais do mesmo. Eu fiquei colada ao écran, coisa que não me acontecia há "canos" :))))

      Beijinho, caro Observador. Boa semana.

      Eliminar
    2. Como deixei bem claro, não vi. Ora se não vi não posso comentar.
      Referi-me às primeiras palavras proferidas por Catarina e Sílvia e não ao resto que não vi.
      Ainda bem que aconteceram coisas interessantes. Não pense que me dói que assim tenha sido.
      Não adormecer a assistir a um festival de cantigas é, por ser raro, de salientar.
      Apresentadores bons? Talvez. Não confirmo nem desminto porque ... não vi (mais uma vez o digo).
      Júlio Isidro não nasceu para ter graça. Antes, para ser, apenas, um dos melhores profissionais.

      Salvador é alguém muito especial? Não faço a mínima ideia. Só me referi a ele por causa do vídeo aqui plantado. E, reitero, não gostei minimamente.

      Ah, já agora, Carla Andrino tem 50 anos.

      Eliminar
    3. Enganei-me no nome da senhora: quis dizer Isabel Angelino.

      Eliminar
    4. Mas o problema é que Júlio Isidro tenta sempre ser engraçado, coisa que normalmente lhe sai ao lado, neste caso até se saiu muito bem.

      Essa é que foi uma grande novidade para mim, o não ter adormecido (ahahahahah)

      Eliminar
  2. Como perdi o Festival (e até estava curiosa e queria ter visto/ouvido) vou escutar...

    ResponderEliminar
  3. Estive a escutar, a música pareceu-me bonita, a voz dele também, mas canta tão baixinho...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gábi, esta final de ontem, e refiro-me só à final, deixou muito boa impressão. Vale a pena ver na minha humilde opinião.

      Canta tão baixinho é muito bom :)

      Existe uma expressão que diz "primeiro estranha-se, depois entranha-se" (penso que é assim), Acho que é o caso deste cantor, o Salvador.

      Eliminar
  4. Não vi, e ontem nem foi intencional, nem sequer sabia que era a final, ontem estava entusiasmada a escrever uma nova estória, e quando assim é, desligo completamente do que me rodeia. O marido estava a ver um jogo, mas porque me viu entusiasmada tirou o som à TV.
    Mas como diz que vale a pena, e como posso ver ainda, verei esta noite ou amanhã.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Elvira, eu gostei, não quer dizer que outros pensem o mesmo, de qualquer forma nada melhor do que ver e, aí, tirar as próprias conclusões. Também acho que um programa em directo tem outro impacto, dá a sensação que as pessoas em casa estão mais próximas das pessoas do outro lado do écran, o que empresta outra "mística" aos programas. Penso eu de que...

      Abraço para si também.

      Eliminar
  5. Boa noite, Maria.

    Subscrevo cada uma das suas palavras, que é como quem diz, da sua apreciação, e isto em termos gerais.
    Gostei da forma honesta em que todo o festival decorreu, do medley muito bem conseguido, em suma, um todo muito agradável.
    O Salvador? Bem, o Salvador foi uma belíssima surpresa. Uma doçura na voz, uma sensibilidade na forma como pronuncia cada verso, cada palavra que "sabe" a amor, a sonho.
    Precisamos destes "Salvadores" como de pãozinho para a boca, essa é que é a verdade. De mediocres estamos servidos ad nauseam.
    Confessar que vi o Programa na integra é significativo? Até para mim é, imagine!:)

    Tenha uma boa noite, Maria.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom (quase) tarde, GL,

      Este espectáculo em forma de final de Festival, foi realmente aquilo que a GL escreveu "forma honesta em que todo o festival decorreu". Talvez tenha sido exactamente isso que passou para o lado de cá. Um lado todo ele muito clean que a RTP passou, coisa que, penso eu, não me era dado a assistir há algum tempo. A assistir neste tipo de programa. Admito que não sou espectadora assídua da RTP, no entanto acho que agora vou de quando em vez dar o salto para aqueles lados.

      O Salvador desarma uma pessoa na forma como interpreta. Uma forma muito genuína de cantar, talvez seja disto que precisamos no momento.

      Beijinho para si também, GL.

      Eliminar
  6. Não acompanhei nada e assim sendo vou pelo que dizes porque este jovem cantou lindamente e encheu-me a alma. Mas tal como referes acho que não irá ganhar porque até no Festival da Canção a maldita politica intromete-se no e ou com o politicamente correcto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mesmo que não ganhe, será, com toda a certeza, um "perdedor" de muita qualidade. Não é para todos, só para gente que canta como se tivesse a alma na voz. O Salvador tem. Ó se tem.

      Eliminar