quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Ser superior provoca dor e não convém tal fervor (Maria vai falar do Presidente de todos nós)

Ouvi há dois ou três dias, mais coisinha menos coisinha - peço desculpa pelo atrevimento da unha do inha neste contexto - o nosso Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, com quem simpatizo bastante, aliás, já simpatizava quando muitos diziam cobras e lagartos aquando da sua candidatura a Presidente da República, e diziam que, ah e tal ser comentador num espaço televisivo não é a mesma coisa do que ser isso de Presidente de todos os portugueses e, convém dizer, de todas as portuguesas, não vão as mulheres ver ser-lhes retirado o poder do politicamente correcto. Eu devo ser uma mulher com os genes estragados porque se há coisa que me aborrece é isso de se dizer o oposto daquilo que realmente se pensa. Não é ser rústico na forma como se dizem as coisas, o lado rústico da vida quer-se no turismo, na vida real a pessoa sofistica um pouco de forma a que o resultado final não seja pedante, mas sim verdadeiro. E eu acho que as pessoas que são sistematicamente aquilo de politicamente correctas, pouco verdadeiras. Tal como acho que as pessoas que são sistematicamente aquilo de politicamente incorrectas, rústicas. O problema concentra-se todo ele no sistematicamente.

Vou voltar à berma da estrada e pegar na mochila do ouvi há dois ou três dias, dizia eu que ouvi o nosso Presidente dizer a propósito do discurso em que elogiava Fernando Santos (espero ter acertado no alvo porque o nosso Presidente fala que se desunha e uma pessoa às tantas perde-se, faz-me lembrar alguém, não sei bem quem) e dizia que não devemos querer ser superiores aos outros, não serão estas as palavras exactas, mas são quase, eu nesse exacto momento fui basicamente "tsunamisada" por aquilo. 

Explico porquê. Porque acho este Presidente bastante superior ao seu antecessor. Porque o próprio Presidente Marcelo Rebelo de Sousa também colocou Fernando Santos num patamar bastante superior. E porque acho que as pessoas que chegam a determinados lugares cimeiros foi porque num dado momento sabiam que tinham cartas para ganhar e ficar de alguma forma num lugar mais elevado. Superior, portanto. O que também acho é que ficou de alguma forma subentendido é que não devem ser os próprios a achar-se superiores, devem ser os outros a fazê-lo. Ou dizê-lo. Fica mal ou mal se fica. A uma pessoa humilde (e ó se a palavra humilde já foi descredibilizada à força toda) exige-se muito. Exige-se medir as palavras. O negócio dos medidores está em franca expansão. Não tarda seremos todos ricos por conta de outrem.

12 comentários :

  1. Vou ser politicamente incorrecto!
    Feito o aviso, dizer que não consigo perceber a elevação que se fez/faz de Fernando Santos.
    Marcelo Rebelo de Sousa, o presidente em quem não votei mas que aprendi a admirar, tem destas coisas. E disto não falo mais, por agora e aqui.

    Comparar o actual presidente ao antecessor é assustador. O actual tem tudo, o antecessor não tinha nada. Bem, nada nada - não confundir com Marcelo que nada que se farta em Cascais - não seria bem assim porque dizem que o senhor antecessor adquiriu umas acções (ou obrigações?) bancárias ao preço da uva mijona e com elas fez subir a sua tão depauperada situação económica. Adiante que isto de falar de múmias não é fácil.

    Tem razão Maria ao dizer que "(...) não devem ser os próprios a achar-se superiores, devem ser os outros a fazê-lo. Ou dizê-lo".
    É com base nesse princípio que nunca falo de mim. Deixo para os outros essa ingrata tarefa. Bem sei que posso ficar assim numa espécie de limbo à espera que de uma discussão sobre mim me corra bem e ganhe o estatuto de ser ... não, não vou por aqui, pois não entendo que alguém seja superior a ninguém. Superior do género em que o superior olha de cima para baixo em direcção a terceiros.

    Voltando à decisão de Marcelo de considerar Fernando num patamar merecedor de elogios, prefiro pensar que o presidente de todos os portugueses e portuguesas unidos venceremos, estava distraído. Perdoe-se-lhe portanto esse devaneio.

    Já agora, estimada senhora, importa-se de definir o que significa o termo humilde?
    Atento, venerador e obrigado, deixo-lhe um beijinho, intimando-a a ter um resto de quinta feira muito bom.
    I'll be back :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu cá não percebo nada de futebol, logo muito pouco ou nada posso dizer em relação a Fernando Santos, ouvi apenas o nosso Presidente discursar. No entanto acho que isto de endeusar pessoas, elevar as pessoas ao patamar de heróis, é colocar a fasquia num patamar superlativamente superior (passo a abundância que tiver de ser passada).

      Eu simpatizo com o nosso Presidente, aliás sempre simpatizei, que eu cá não afasto as pessoas porque são deste ou daquele partido, na minha cabeça isso não faz sentido. Não vou "odiar" uma pessoa só porque é do PSD, ou porque é do PCP, ou porque é do PS, ou porque é do BE... o que me faz escutar este e não aquele é a sua postura. Apenas uma forma muito minha de estar na vida.

      Só que, e existe sempre um só que, o nosso Presidente neste momento faz-me lembrar alguns apresentadores de tv, apresentam, por exemplo, um programa da manhã e entretanto fazem uma "perninha" (perninha sem qualquer sentido pejorativo) à tarde, depois à noite, depois aos sábados, depois aos domingos, vai chegar uma dada altura em que as pessoas vão dizer "outra vez pão com chouriço???", ou seja, acabará por existir um tremendo desgaste da imagem, pode ser fatal, ou não, mas quer-me cá parecer que pode cansar e fazer com que as pessoas se voltem para qualquer lado só para conseguir um simples pão sem nada lá dentro. É por aí. Penso eu, mas que sei eu.

      Se uma pessoa estiver a pintar a casa em cima de um escadote tem de olhar de cima para baixo, ou não? Ou seja, ó Manel tu que estás aí em baixo passa-me lá outro pincel que este não rende nada. (ahahahahah). Isto foi só para descontrair um pouco :))))

      O que significa humilde? - pergunta o caro Observador. Se quer que lhe diga já nem sei, o termo humilde já não cheira a verdadeiro a partir do momento em que as pessoas começaram a usá-lo sabendo de antemão que ficam bem na fotografia se o disserem. Se disserem que são humildes mesmo quando nós estamos a observar e percebemos que de humildes nada têm.

      Beijinho para si também, caro Observador. Back-back que é bem-vindo :))))))

      Eliminar
  2. Sabe que eu nunca ouvi Marcelo comentar nada? É verdade, fujo da TV como o diabo da Cruz, que eu não sei se ele foge ou não da Cruz, mas a minha avó sempre dizia isto e fica bem seguir os ensinamentos da família, não é verdade?. Bom nunca ouvi o Marcelo comentador, mas já ouvi o Presidente da República comentar muita coisa. E pronto aqui só para nós que ninguém nos ouve, até simpatizo com o Dr. Marcelo, Presidente, embora muito sinceramente não tenha votado nele. Os meus votos são como os bilhetes de lotaria dos pobres. Nunca são premiados.Eu sou assim nunca acerto em quem ganha. Só por isso já vê que não sou superior a ninguém.
    E quando ficar rica vai comprar a cozinha ali da montra, não é.?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Elvira, a TV e muitas profissões que estão de uma ou de outra forma interligadas, dão trabalho a milhares de pessoas, pessoas essas que têm família, que precisam de pagar as suas contas, portanto eu vejo TV - mais notícias e filmes/séries, confesso - mas também leio muito, e gosto de viajar (se houver dinheiro para), e conheço o nosso país de Norte a Sul e vou ao teatro e gosto de concertos e ópera e bailado, mas também gosto de música daquela ligeira que se ouve quando a malta calha a parar o carro numa vila perdida algures neste nosso Portugal, não me caem os parêntesis à lama. Portanto eu também contribuo, com muito gosto, para que os profissionais de TV continuem a ter muito trabalhinho. Não fosse assim e ainda teríamos mais gente desempregada. Isto anda tudo ligado :)

      Existe gente pobre que já ganhou a loteria, euromilhões e por aí fora, o último caso de que me lembro foi daquela senhora que trabalhava nas limpezas, ah pois.

      (quando for rica compro a cozinha desde que ela esteja dentro de uma casa com tecto, aquilo ao ar livre não me serve para nada, e vai que chove e estraga os sofás :)))))

      Eliminar
    2. Mas cá em casa também se vê TV Maria. O Marido em estando em casa ela não pára. Logo não é por a manter caladinha quando estou sozinha em casa, que os profissionais perdem o emprego. Sabe uma coisa? Tenho 70 anos, decerto já poucos mais para cá andar. Gosto imenso de ler, ador escrever, (sou capaz de escrever horas a fio,) gosto de pintar, de fazer bolos de aniversário para familiares e amigos, de fazer artesanato, de frequentar as aulas da Universidade Sénior, de passeios de estudo, de brincar com a neta, e de viajar com o marido. Se me ponho a ver TV, como vou conseguir fazer todas as outras coisas que gosto, e quero fazer antes da viagem final?
      Um abraço

      Eliminar
    3. Então, mas TV não se vê o dia todo... Dou-lhe um exemplo, quando não existia isto da TV por cabo ouvia as pessoas falar lá do tio Goucha que apresenta um programa da manhã e, eu ficava com ar de quadrúpede a olhar para um palácio, ou seja, não fazia a menor ideia de quem era Manuel Luís Goucha, muita gente achava que eu me estava a armar, só que não, se eu saía de casa de manhã e voltava à noite do trabalho era normal que não soubesse quem era. Agora, com isto da TV por cabo e respectiva box a malta vê à noite, se bem entender, programas da manhã ou da tarde, basta escolher. Até num smartphone, num iphone, dá para ver notícias, séries... se se estiver à espera de uma consulta médica, no trânsito, e por aí fora. Isto tudo para dizer que a forma de ver TV mudou e muito, não limita tudo o resto, há tempo para tudo, isto se as pessoas forem selectivas. Eu sou.

      (se a Elvira tem 70 anos e chegar aos 90 anos, ainda tem 20 anos pela frente, eu gosto de ver o copo meio cheio :)

      Abraço, Elvira.

      Eliminar
  3. Este Presidente conseguiu o "milagre", nada pequeno, de me fazer ouvir alguém ligado à política.

    Abomino políticos no que têm de "politiquice". No diz que faz mas não faz, no diz hoje uma coisa e amanhã o seu contrário.
    No esquecer o essencial para massacrar as pobres almas, nós todos, com pseudo discussões abaixo de acessórias.

    Gosto deste Homem, sim!
    Lá está, gosto de gente que olha a outra gente, toda ela, como igual. Gosto do abraço que pode significar tanto, gosto da palavra que pode ser o conforto. Gosto do Homem que tem a capacidade de subir, mas igualmente descer.

    Os jornalistas? Valha-me Deus! Chega a ser confrangedor o comportamento dos ditos, a insensibilidade, o alheamento ao mundo real em que vivem.
    Aquando da visita de Marcelo a uma instituição destinada a pessoas com problemas mentais, e estando ele rodeado por algumas delas, os "ilustres" jornalistas, nem assim fizeram uma "aterragem" ainda que em diagonal, que por vezes os ventos a isso obrigam. Não, nada disso! Pelos vistos só sabem fazer voos rasantes, mas mesmo muito rasantes.
    Isto tudo para dizer o quê. Não era suposto que, naquela situação concreta, tentassem perceber que respostas havia para aquelas pessoas, o que se tinha feito e o que pensava fazer-se? Não, nada disso. Provavelmente o assunto não aumentaria as audiências, logo...
    Apesar disso o Presidente ainda tentou falar sobre um problema que é gravíssimo, só que os "amigos" jornalistas não estavam propriamente interessados em ouvir.:(
    Não há paciência, nada a fazer.

    Beijinho, Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também eu gosto deste nosso Presidente, embora comece a achar que terá de, aos poucos e poucos, abrandar o ritmo não vá a imagem sofrer um grande desgaste. Já se sabe que as pessoas ora amam ora odeiam. Podem cansar-se. Espero que isso nunca aconteça.

      Não conheço esse episódio de que fala, ou não me lembro. Esse da instituição e do comportamento dos jornalistas...

      Beijinho para si também, GL

      Eliminar
  4. Não vejo a "coisa" por esse prisma e acho que se deve elogiar e colocar em vários patamares quando se admira alguém. Acho que a meu ver e falo por mim e jamais pelos outros que Portugal já estava a necessitar de uma "lufada de ar fresco com carradas de optimismo" porque o mofo instalado já era tremendamente corrosivo. MRS fala muito, mas sempre falou e continua igual ao que sempre foi. Ouvi esse discurso e sabes Maria que Fernando Santos é uma pessoa genuína, amigo do seu amigo e sem peneiras alguma no que faz e diz. Tenho uns familiares (primos) que se dão muito com ele e sei bem o que é FS fora da ribalta.

    MRS deveria abrandar o seu ritmo? Não sei, mas acho que não o fará e vê-lo na praia dá que pensar que deve ter pilhas duracell:))) e oxalá que não lhe surja nada de mal que aí sim, será obrigado a abrandar. Gosto dele e sobretudo da sua forma de ser e estar nada - volto a repetir, pelo menos para mim - nada formal, fingido, falso e bolorento.

    Quanto ao seu sucessor, possas Maria que Deus me perdoe...agora lançou um livro de 600 páginas a falar do seu "reinado" - e jamais em tempo algum irei ler um só página e muito menos gastar dinheiro no diz-que-disse-mas-não-disse...quando foi um presidente calado mas que quando abria a boca...o jeito era igual a si próprio.

    Marcelo que continue e vê-lo numa instituição de deficientes, numa escola de um bairro problemático e ou até num lar, num almoço com refugiados e ser bombardeado por jornalistas com perguntas fora do contexto onde ele se encontrava é caso para dizer que há jornalistas e jornalistas...mas Marcelo sabe responder e dar a volta ao texto com imensa pinta. E porquê? porque respeita igualmente os jornalistas e que o que fazem é mando de quem quer subir audiências e vender revistas...etc, etc. etc, caso contrário...rua!

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fatyly, não sei se se lembra de um post em que escrevi lá mais para trás, já não me lembro se na primeira fase do blog (aquela que já não está disponível publicamente) se nesta segunda fase, aquela que é pública e todos têm acesso, que, dizia eu, defendi o professor Marcelo, nessa altura ainda conhecido como professor Marcelo, agora como o Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, defendia enquanto muitos caiam em cima, continuo a defender, acho que Portugal precisava realmente e nesta fase de um Presidente assim, a tal lufada de ar fresco, não mudei de ideias nessa parte, no entanto algo me diz que quando o nosso Presidente começar realmente a ter que tomar "decisões à séria", e tiver que colocar um pouco de lado este seu lado mais afectuoso, aí as coisas podem mudar. É nesse sentido que digo que se calhar as coisas podem doer e algumas poderão reagir mal. Não é à toa que se diz que se passa de bestial a besta enquanto o diabo esfrega um olho. Esperemos que os portugueses tenham o discernimento necessário para saber separar águas. Esperemos...

      (na minha opinião não deveria ter elevado a situação ao patamar de "herói", foi um pouco exagerado, é que visto por esse lado existem "heróis" neste país que também mereciam ser reconhecidos, noutras áreas, a malta não anda a dormir :)

      Fatyly, o nosso Presidente é tudo isso que falou, mas também é um homem extremamente inteligente, a par com isso de ser esperto, a par com isso de ter muita experiência nisso de saber quando deve voltar para um lado e quando deve voltar para outro. Nada é feito ao acaso embora possa parecer que sim. Gosto bastante, admito, é desta proximidade com as pessoas, acho que nalguns casos é muito exagerada, mas mesmo assim não acho prejudicial :)

      (sucessor, não, Deus nos livre, é antecessor Cavaco Silva, ámen :)))))
      ...

      Bom domingo, Fatly.

      Eliminar
    2. Deus do céu e nos livre de outro igual...claro que queria dizer antecessor e ámen:)))))

      Eliminar