terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

(mensagem para malta dos 15-18 anos mas que pode ser lida por gente dos 19-90 anos)

Pá, malta, cheguem-se aqui ao pé de Maria. Já está. Boa! 
"Meter a mesa", não se diz.
A mesa não se mete, a mesa põe-se.
Era mesmo só isto.

Espero eu que seja só isto, querem lá ver que gente mais velha também diz "meter a mesa" (?)


14 comentários :

  1. Ignorância pura e simples.

    PS: o happy meter funciona bem? :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este post foi no seguimento de uma reportagem que vi/ouvi ontem no jornal da noite da SIC, em que se falou disto da igualdade de género, das tarefas de casa, entretanto malta ali na idade que vai dos 15-18 anos falou, raparigas e rapazes, às tantas um rapaz diz-me esta coisa do "meter a mesa". Uma pessoa até se lhe arrepiou a alma.

      Estou convencida - mas, lá está, não tenho a certeza - que se o rapaz diz aquilo é porque quase de certezinha ouve em casa mãe ou pai, ou ambos, falar da mesma forma, e isso, sim, é grave. Como é que a malta mais nova pode evitar dizer coisas como "meter a mesa", se a mãe muito provavelmente também dirá "vai meter a mesa." (?)

      (vê, caro Observador, o verbo meter ali dentro do happy é que está bem (ahahahah)

      Eliminar
  2. Ai, ai, Maria, Maria!...
    Essa do "meter a mesa" é muito engraçada e, convenhamos, nada original. Pérolas dessas há aos " "montes" e, não, não são do tal alecrim.
    Ora, chegada que estou à frente, diga-me lá, Maria. Não acha que "crianças" com essa idade, 15/18 anos, já têm idade suficiente para saber utilizar a nossa lingua de forma escorreita? Ora, valha-nos Deus, a escola não funciona? Não corrige nem ensina? É verdade, na escola ninguém "mete a mesa", mas que diabo, Maria!... A aprendizagem em casa é mais eficaz? Se sim, em muitos casos isso é extremamente grave.
    Com sua licença, Maria.

    Beijinho.:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. GL, a faixa etária 15-18 anos já não entra no patamar de crianças, daí talvez as suas aspas na palavra. Crianças penso ser gente nova até aos 12 anos (+-). Malta dos 15-18 anos entra directamente para aquela fase jeitosinha da adolescência e sendo adolescentes, se dizem certo tipo de coisas como "meter a mesa" nestas idades, é porque ouvem os pais dizer em casa. Não acho que essa seja a função da escola, a escola terá como função ensinar e os pais terão como função educar. Não me parece (espero eu) que se um professor(a) ouvir um aluno dizer "meter a mesa", não o corrija de imediato.

      Escorreita não acho, é exagerado, se nem os adultos, adultos daqueles que até escrevem livros e vendem livros o conseguem, quanto mais malta mais nova (bom, hoje em dia qualquer pessoa escreve um livro, nem é preciso saber escrever sequer, alguns livros existem só mesmo para o lucro).

      Beijinho para si também, GL :)

      Eliminar
  3. Ahahah, se for meter a mesa noutro local, tudo bem! =)
    Beijinhos,
    http://chicana.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana, não sei se mal comparado, muito mal comparado mesmo, isto do meter não estará na mesma frequência do comer e da comida. Muita gente diz que o "comer está na mesa", quando eu acho que a comida é que está na mesa para que nós a possamos comer.

      Beijinhos :)

      Eliminar
  4. Ontem um blogue amigo, postou um artigo sobre algo que ouviu também a jovens dele conhecidos, que dizem fazer sexo e praticar amor, em vez de praticar sexo e fazer amor. Serve esta lenga-lenga, para dizer que quem estiver atento à forma como os jovens falam, tem muito que corrigir.
    Quando eu fui para a escola, eu dizia montes de preciosidades, como "gômito" em vez de vômito. Bom eu vivia num meio de mais de meio milhar de pessoas em que não haveria uma dezena que soubessem ler e escrever corretamente. Os nossos pais, avós, tios, vizinhos, falavam assim, porque não aprenderam de outra maneira, e nós aprendíamos com eles. Hoje em dia toda a gente vai à escola. Não se compreende que continuem a falar assim.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Elvira foi certeira. Quando digo certeira refiro-me ao facto de ter separado, e bem, do meu ponto de vista, um tempo em que as pessoas não sabiam ler nem escrever, ou a existir alguém que soubesse, seriam muito poucos, para o tempo actual em que praticamente toda a gente vai à escola. Não estamos aqui a falar em licenciaturas, não é preciso ser licenciado para saber destrinçar coisas básicas, como acho que são estas e até essa que o seu blog amigo referenciou.

      Eu acho que se a minha mãe (refiro-me mais à minha mãe porque o meu pai esteve um pouco ausente em matéria de educação) me tivesse passado coisas como "já meteste a mesa?", eu hoje também acharia perfeitamente normal isso do "meter a mesa" e até acabaria por passar aos meus filhos se os tivesse. Lá está, passa tudo pelos nossos pais... Eu tenho tudo a agradecer a uma senhora que tive o privilégio de ter como mãe. Acho que nessa parte tive muita sorte.

      Um abraço, Elvira.

      Eliminar
  5. Se não me falha a memória, acho que viste um programa que eu também vi sobre "as tarefas domésticas", e saltou-me logo essa do "Meter a mesa" e outro jovem que disse "fazer a cama". A cama está feita o que mais pode e deve fazer é arrumar a cama, certo ou errado?

    Claro que aprendem com o que ouvem em casa e dou-te um exemplo que ouvia constantemente várias pessoas a aplicarem perante quem ajudavam a criar e desde já peço desculpa pelas palavras: mijar e cagar, em vez de urinar ou defecar e ou fazer xixi ou coco. Foram para a escola e passaram a ser os miúdos a corrigir os adultos. Sei que são termos bem velhos...mas não fui ensinada dessa forma e nisso os meus pais sempre foram 5*****. Estarei errada?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta foi uma reportagem especial incluída no jornal da noite da SIC, falaram da igualdade de géneros, ou seja, se isto de realizar tarefas de casa já está mais equilibrado ou nem por isso. Foi interessante perceber que o trabalho de casa continua a estar muito mais concentrado nas mulheres, embora alguns homens (cada vez mais e ainda bem) já o façam normalmente e regularmente.

      Esta expressão que fui buscar, a do "meter a mesa", foi uma parte em que falam com alunos de uma determinada faixa etária, a dos 15-18 anos.

      Fazer a cama no sentido de ser um trabalho, executar, arranjar, cuidar, está correcto :)

      As duas primeiras palavras que a Fatyly escreveu em vez do urinar e defecar, existem no dicionário, só que são consideradas grosseiras, deselegantes. Usa quem quer, não é crime algum, só que, lá está, são como os palavrões, não escandalizam ninguém, ninguém (espero eu) terá um ataque cardíaco por ouvir um palavrão ou uma palavra mais grosseira, no entanto há quem escolha outro tipo de linguagem, eu assumidamente gosto mais de outro tipo de linguagem. Escolhas...

      Eu cá acho lindamente que algumas crianças se atrevam a corrigir adultos, por vezes os pais/avós quando acham que aquele tipo de linguagem não está correcto, é muito bom sinal. Se formos a pensar também começam a ser as crianças a ter uma maior consciência em relação à reciclagem, por vezes são elas a ensinar algumas coisas aos adultos, faz-me alguma confusão esta inversão de papéis quando se trata do ambiente, alguns adultos estão-se nas tintas para a reciclagem e são precisos os mais pequenos para os alertar porque a escola assim os ensina, por um lado é sinal que o papel da escola está no bom caminho, por outro é muito mau sinal, mau sinal para mim que reciclo há alguns anos e não percebo este tipo de atitude por parte dos adultos)

      Eliminar
    2. Foi mesmo esse programa e as minhas netas também viram com os pais. Ontem quando fiquei com ela falamos sobre o programa. Bem não queria avivar a memória, mas às tantas a mais disse:

      Sabes avó a mãe falou de ti.
      De mim?
      Do enorme trabalho que tiveste como "mãe e pai" e ela até chorou!
      É a vida e sabem de uma coisa? Os pais já dividem as tarefas e vocês já se estão a habituar a ajudar, mas a meu ver é pouco o que fazem.
      Poucoooooo(em coro)
      Claro que sim e quando chegam da escola que é o vosso trabalho, depois de fazerem os trabalhos, deveriam arrumar alguma coisa, por exemplo isto e mais aquilo.
      Certo avó, vamos fazer mais.

      Tive outra grata surpresa a nivel escolar: Foram escolhidos alunos do 8º e 9º ano para darem aulas"entre aspas" de apoio a alguns do 5º e 6º. Entre eles a minha neta mais velha a matemática e português. A satisfação dela era enorme e está a gostar imenso porque pensava que eles não iriam gostar. Já deu frutos um dos alunos já teve num teste um 4 a matemática.

      Não sei se é prática de outras escolas públicas, mas tenho imensa pena que só vá até ao 9º.ano, já que no 10º terá de ir para outra e ironicamente aqui perto de mim!

      Quanto à reciclagem todos fazemos e estas daqui vão ao vidro, papel e plástico e há uma escala semanal para cada uma.

      Os outros também fazem, mas por serem pequenotes e não chegarem à boca dos recipientes, acompanham sempre os pais e cada um leva dois sacos:))))

      Há dias discuti com o fulano do camião do lixo comum, não é que elevaram o do plástico e puseram misturado com o dito? Fiz queixa porque andamos a reciclar e levam tudo misturado? Brincamos?

      Por hoje chega e vou jantar:)

      Eliminar
    3. Esta parte merece um grande beijinho de parabéns para a sua neta:
      "Foram escolhidos alunos do 8º e 9º ano para darem aulas"entre aspas" de apoio a alguns do 5º e 6º. Entre eles a minha neta mais velha a matemática e português. A satisfação dela era enorme e está a gostar imenso porque pensava que eles não iriam gostar. Já deu frutos um dos alunos já teve num teste um 4 a matemática."

      (faz bem em queixar-se, é mesmo por aí, Fatyly, existissem mais pessoas assim... bom jantar :)

      Eliminar
  6. Meter, de metediço,
    ou meter coisa sem viço?
    Não sei se é isso,
    cheira de mais a pão com chouriço.
    Na mesa.

    Um beijinho, Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahahah, o AC até tem um sentido de humor muito... isso :)))

      Beijinho para si também.

      Eliminar