quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

(duas linhas e meia de texto só naquela de esclarecer o termo azeda)

São apenas duas linhas e meia de texto. Começa a contar.

Isto no sentido de escrever directamente para todas as pessoas que, dizem ser azedas as que escreveram, ou disseram, que o dia de ontem, o dia dos namorados, não lhes puxar ao sentimento, um dia que consideram ser de puro consumismo, um dia igual a todos os outros. 

Ora bem, Maria, a azeda também - azeda, isto seguindo a linha de pensamento das pessoas que não aceitam uma forma de estar na vida diferente do habitual - esclarece o seguinte às pessoas que se sentiram ofendidas porque gostam muito dos tais ursinhos i love you, das rosas que ora tombam para o vermelho ora tombam para o encarnado, das caixas de bombons que são mesmo de tom castanho chocolate, dos hotéis com camas enfeitadas com pétalas de rosa-rosa em forma de corações.

Gente da minha alma e do meu coração também, o dia dos namorados nada me diz porque estou habituada ao longo do ano, até mais no Inverno do que no Verão, a fazer escapadinhas românticas em alguns fins-de-semana, faço-as só porque... sim. Ou fazemos, visto sermos dois, só porque sim (sou fã de Turismo Rural, Turismo Rural não é turismo no meio do campo sem quaisquer tipo de condições, nada disso, é um género de turismo muito charmoso e que muito me agrada)... Porque se conhecem locais maravilhosos neste nosso país, porque os preços em época considerada baixa, desce drasticamente, portanto pode-se permanecer um fim-de-semana em locais muito caros pelo preço da chuva, porque somos muito bem recebidos no sentido de que não existe muita gente, rectifico, se calhar dão-nos mais atenção porque não existe muita gente naquele momento no hotel, porque até são capazes de nos preparar uma refeição às tantas da noite fora do horário em que é suposto preparar refeições a clientes, porque por vezes oferecem extras que tornam a tal escapadinha romântica muito mais agradável, porque se for necessário e estando muito frio aquecem o quarto e oferecem-nos uma bebida quente logo à chegada. 

Portanto são razões de peso para gostar de um dia qualquer dos namorados, fora do habitual dia dos namorados, aquele que está ali fixo no calendário. Não se trata de ser azeda, trata-se de viver a vida de forma diferente. Se calhar está na altura das pessoas deixarem de olhar só para o umbigo que vem incluído lá na zona da nossa barriga e conseguir perceber o umbigo dos outros. E ó se existem umbigos à maneira por aí. E sítios neste nosso país também e muito à maneira, sem umbigos, claro.

(mais linha menos linha, o texto levantou fervura e derramou um pouco para fora, sorry!)

Adenda às 21:00 deste dia 15 de Fevereiro de 2017


16 comentários :

  1. Cheguei às duas linhas e meia e fiquei sem saber se havia de continuar ou se ficava por ali.
    Optei por continuar. Já aqui estava, mais linha menos linha não constituía problema.
    De facto não constituíu. Apesar de ter levantado fervura e derramado um pouco para fora.
    Gostei do texto, 'prontes'!

    Hummm, cheira a camomila e a orquídeas. Como diz a malta mais ou menos fixe, 'tá-se bem'!
    Au revoir :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sou perita nisso de derramar coisas, fosse eu paga ao km de derrame e estaria milionária :)))

      Por muitos anos que vá somando, cada vez menos entendo isto de não se compreender formas de estar na vida diferentes da nossa. Parece ser obrigatório termos de gostar todos do mesmo e, se uma pessoa se atreve a dizer que não gosta, argumentar a razão desse não gostar de algo, mesmo assim é rotulada de azeda ou de invejosa. Lá está, a nossa dificuldade em aceitar o que é diferente continua em alta.

      Diria que hoje cheira a canela e a camélias :)

      Eliminar
  2. Estas duas linhas e meia, são à moda da minha falecida avó, que numa altura pelo Natal, estando a passar a quadra na nossa casa connosco e os meus tios que moravam perto e também faziam a ceia lá para estar a família toda junta, (e porque a nossa casa era um barracão grande, que tinha um salão de 11 metros de cumprimento, onde se montavam dois tripés com tábuas corridas e ficava uma mesa enorme, onde cabiam todos) me disse a certa altura para eu ir buscar meia duzia de batatas.
    Ora eu era pequenita, mas já sabia que meia dúzia eram seis batatas e fui lá ao quarto onde elas estavam espalhadas no chão que meu pai tinha-as arrancado à pouco tempo e levei rigorosamente seis batatas. E eram para 26 pessoas entre pais, irmãos avós tios e primos.
    Claro que havia couves, mas as batatas eram precisas bem mais. E eu fiquei toda chateada, porque não era eu que não sabia fazer recados. Ela é que tinha dito meia duzia.
    Bom lembranças que o seu post despoletou.
    Quando ao assunto em questão, estou absolutamente de acordo consigo. Abaixo as escapadinhas com dia marcado. Vivam as escapadinhas sempre que apetecem.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Elvira, esta sua história é simplesmente deliciosa.

      Só a título de curiosidade e pegando ali naquela suas palavras das tábuas corridas que se transformavam numa mesa grande, lembro-me de um casamento na zona do Ribatejo, era eu criança, os meus pais tinham sido convidados para o dito e não existindo já mesas para tanta gente, os donos da casa improvisaram dessa forma, tábuas corridas, toalhas encostadas umas às outras e problema resolvido :)

      (estas escapadinhas sabem pela vida, e para quem pensa que se gasta muito dinheiro, cá nada, os preços em época baixa descem muito, voltam é a subir muito na época alta - o preço de um quarto na época alta, é quase igual ao preço de uma semana inteira em época baixa, ah pois é!)

      Um abraço para si também.

      Eliminar
  3. Completamente esclarecida e concordo contigo. Também não consigo atinar com a enorme capacidade em não aceitarem quem pensa, sente e age de forma diferente.

    Caramba e quem não tem namorado ou namorada, amigo ou amiga colorida de que se fala tanto é obrigado a dar alguma coisa ao "fantasma"? E quem celebra o dia noutro dia? É por estas e por outras que este mundo anda mesmo meio aparvalhado e sugiro que em vez de atacarem entre aspas...que se entretenham com os politiqueiros e politiquices deste país onde há muita matéria prima em modo bruto!

    Fico feliz por todos que festejaram e sobretudo pelos comerciantes que ganharam mais uns trocados porque eu não festejei e não tinha como (felizmente):)))

    Beijos e um resto de dia bem feliz

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fatyly, o que por vezes me deixa a pensar perante coisas tão simples como esta, aceitar a diferença, aceitar opiniões diferentes, modos de viver que fogem um pouco à regra, em coisas tão básicas é: como serão estas pessoas a aceitar diferenças daquelas mesmo a doer, digamos assim, diferenças ao nível da religião, da nacionalidade, da cor da pele, da orientação sexual e por aí fora. É que não estou a ver como é que conseguem dormir sabendo que existe gente tão diferente por aí (?)

      Obrigada e tenha uma boa noite, Fatyly :)

      PS: Sim, as floristas bem precisam de ganhar mais uns trocos, nesse aspecto existam mais dias de namorados... (não tarda arranja um namorado jeitoso, não se preocupe :)))))

      Eliminar
    2. Eu preocupada??? Nada disso porque na minha vida o que tiver de ser versus acontecer é e não há cá pão para malucos, mas se acontecer que as forças do Além não me mande um pêssego duro de roer e sem sabor - verde mas sim um maduro e saboroso. Não peço muito pois não?

      Mas não vim aqui de novo por isso, vim pela tua

      "Adenda às 21:00 deste dia 15 de Fevereiro de 2017"

      Uma foto em modos de penumbra onde a jovem deve estar a praticar Yoga, a dizer yesssssssss ou então coneguiiiii. Duas camisolas vestidas botas decano alto, talvez lhe tivesse dado um arrepio de frio. Também fiquei parada...querem ver que saiu da moldura às 21h????...hum aqui há gato ou eu devido ao sono que me assola fiquei de olhos em bico:)))

      Vou dormir que amanhã tenho muito trabalhinho mas antes vou falar com o meu grandeeeeeeeeeeee amigoooooooooooo MAR e limar umas arestas com o gajo :))))

      Um bom serão

      Eliminar
    3. "um maduro e saboroso" parece-me bem :)))

      Hummm... "jovem deve estar a praticar Yoga" (ahahahahah). A ver se alguém descobre o mistério desta foto publicada às 21:00 ;)

      Boa noite, Fatyly.

      Eliminar
    4. Já respondeste à GL, mas olha que eu escrevi com essa quase certeza, que seria a jovem Maria Madeira que nasceu às 21h?:)))), daí ter dito isto:

      Também fiquei parada...querem ver que saiu da moldura às 21h????...hum aqui há gato...

      :)

      Eliminar
    5. Fatyly, não sou jovem, para mim ser jovem é ter menos de 30 anos e eu, tenho mais de 30 anos :)

      (embora o meu pai pertença àquela geração que chama "rapaz" a um amigo que tem 70 anos, costuma dizer: aquele "rapaz meu amigo"... ahahahah)

      Eliminar
    6. O teu pai é que sabe...ó se sabe e andamos os dois na mesma classe. O que dizer da minha mãe quando me chama miúda ou rapariga:)))

      Já agora dizes que ser jovem é ter menos de 30 anos e quem tem mais deve-se adjectivar como? Adulta? Jovem adulta? Tenho uma filha com quase 42 e outra com quase 36, genros 47 e 37 e para mim são jovens....e aiiiiiiiiii se eu tivesse agora a idade deles...uiiiiiiiii...faria tudo o que fiz mas em muita quantidade:))))

      Vou dormir e amanhã ao final da tarde venho pôr a leitura em dia. Espero não demorar muito tempo na consulta da minha mãe e o almoço. Já me lembrou três vezes...tadinha:)

      Beijos

      Eliminar
    7. Fatyly, segundo o dicionário, jovem é:

      1. Que ou quem tem pouca idade; que ainda não é adulto.
      2. Que ou quem está na juventude. = MOÇO
      3. Relativo à juventude ou a quem está na juventude.
      4. Que existe há pouco tempo. = NOVO, RECENTE
      (in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa)

      Portanto, parece que a coisa da juventude balança ente os 15-29 anos, a partir daí parece que a malta é adulta, mas não tenho bem a certeza... Cá por estes lados tem dias que sim e tem dias que nem por isso, muitos dias que nem por isso :))))))

      Tenha uma boa noite, Fatyly.

      Eliminar
  4. Isso de gente azeda vs dia dos namorados vs dias certos para festejar/lembrar o que quer que seja, é coisa que me deixa à beira de um ataque de nervos, logo, passemos adiante.:)

    A adenda e a menina mistério? Bem, a dita menina é super elegante, magrinha que, ó, ó, faz inveja a muita gente!:)
    Depois? Bem, depois além de ser friorenta - pelo menos tem vestidas duas camisolitas:) - tem umas botas que... uau, que beleza! Será cavaleira, esta menina? As botas até podem remeter para aí, que sei eu!:):)

    Continuação de um bom dia.
    Beijinho.:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No momento actual basta uma pessoa ter uma opinião diferente, uma forma de estar na vida diferente, que é logo considerada azeda e invejosa. Argumentar dá muito trabalho, portanto opta-se pelo poucochinho na base do azedo/invejoso.
      ...

      Pronto, lá vou eu esclarecer o mistério da adenda:
      1. Quero agradecer à GL o facto de me ter tratado por "menina é super elegante, magrinha", mesmo não tendo percebido que a "menina" da foto sou eu. Sim, dei-me a conhecer ao mundo blogosférico em modo cabeça cortada para fazer pendant com o panorama político actual (ahahahah).
      2. Este foi um dia de uma escapadinha romântica, tal como falo no texto, lá para os lados do Alentejo, o dia estava muito frio embora lá fora estivesse muito sol e um céu azul magnifico. Quanto às botas... convém calcar umas assim quando a tal escpadinha incluí um passeio a cavalo e caminhadas ao ar livre.
      3. Ah, as duas camisolas, bom, é que a camisola grossa de gola alta é mais curta, portanto veste-se uma mais comprida por baixo. É apenas isso.
      3. Aquele meu ar em modo "ataque" é que ele não parava de me tirar fotos e eu estava na palhaçada. Resumindo, um fim-de-semana de Inverno muito bem passado e em que não são precisas datas especiais, é apenas porque apetece e felizmente se pode viver um pouquinho.

      Beijinho para si também, GL :)

      Eliminar
  5. 1 - Não conheci? Podia ter ficado na dúvida, mas como nunca imaginei a Maria a "decapitar" fosse quem fosse não era difícil adivinhar.:)

    2 - Ou muito me engano ou essa escapinha soube mesmo muito bem! É assim mesmo, não há datas marcadas para se ser feliz.:)
    As botas denunciavam cavalinhos, as caminhadas vieram por acréscimo.

    3 - Camisolas em camadas? Muito bem!

    3 - Ataque devagarinho, pode ser?! Ah, e não perca essa capacidade de viver, ser feliz. Cada vez mais é um prazer ir conhecendo a Maria que se esconde desse lado.:)

    Beijinho para ambos.

    Nesta coisa dos afectos sou uma "mãos largas".:):)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Decapitar só a mim mesma, GL. É decapitar e por vezes dar um tiro no meu próprio pé. Acontece e dói bastante, diga-se de passagem :)

      Eliminar