terça-feira, 24 de janeiro de 2017

(ah e tal e pois e não sei quê e me engana que eu gosto)

Terminaram as obras no Saldanha e à pergunta de uma jornalista a algumas pessoas - moradores e pessoas que por ali passam diariamente - o balanço é positivo. Disseram as pessoas que passadas que estão as confusões que as obras arrastam, tendo em conta, ainda por cima, de aquilo ser mesmo ali no centro de Lisboa, quem falou e deu a sua opinião disse que sim, agrada-lhes, aquilo está muito melhor, mais espaços verdes e menos trânsito. Digamos que tem mais espaço para as pessoas e menos espaço para quem não é pessoa. Quem não for pessoa que se acuse, portanto.

Ah e falou-se também que está mais bonito. Eu sorri, porque gosto de ouvir pessoas dizer bem de algo em vez de só deitar abaixo. Durou pouco o meu sorriso, eis que entra um vereador de que não me lembro o nome, não me lembro porque se calhar não é assim tão importante, de ruído a malta já está farta, pois se acabaram de fazer obras...  Onde é que eu ia? Ah, dizia eu que de ruído e de vereadores cheios de ruído... não, não é bem isto que eu quero dizer, o que eu quero dizer é que o tal vereador, que por acaso é do PSD mas isso não interessa nada, se fosse de outro partido qualquer eu diria a mesma coisa, vai daí que o senhor vereador deitou aquilo tudo abaixo, não literalmente, penso eu, ainda que a minha imaginação nesse exacto momento o conseguisse ver de sobretudo, gravata, machado na mão a dar golpes numa plantinha inofensiva que por azar tinha nascido verde, enquanto vociferava: isto não era uma prioridade... isto não era uma prioridade... isto não era uma prioridade...

(entretanto e para finalizar a jornalista perguntou ao vereador se o PSD não tinha sido a favor deste projecto, ele respondeu como se tivesse uma migalha encalhada num sitio qualquer, que sim, inicialmente sim, só que agora não, a jornalista lá insistiu dizendo que tinha entrevistado algumas pessoas, que elas até estavam a gostar muito do resultado... acho que deve ter sido nesse momento que a migalha encalhada deu à costa em formato pão daqueles muito grandes lá no sitio capaz de embaraçar vereadores, a garganta portanto)

Quando é que são as autárquicas mesmo?

E pronto. Nada como começar o dia em modo esclarecida, esclarecida no sentido de se perceber com estas coisas, perceber de imediato que os políticos se estão nas tintas para todos nós. Pelo menos alguns. Espero eu que só sejam alguns, porque quer-me cá parecer que a política é toda ela um jogo em modo circo e nós somos só uns simples palhaços. Pobres ou ricos, mas palhaços. A nossa opinião não conta, o que conta são mesmo os votos no dia de votar e depois é ficar a um canto de costas voltadas para a parede só naquela de não incomodar quem quer trabalhar sentado lá na política.

(vou ali num instante salvar a plantinha verde da fúria do vereador, coitadinha da plantinha que deve ter filhos em casa à espera que a mãe-plantinha chegue com o almoço)

11 comentários :

  1. Há que dizer, em primeiro lugar, muito bem do resultado final no Saldanha (e arredores). Já por lá passei e confirmei que quando o homem quer, faz coisas boas.
    Como nunca vi um trabalho ser feito sem obras, não sei o que pensar das pessoas que aqui d'el rei, isto é uma desgraça, não se faz, e tal por aí adiante. Não sei o que pensar, não será bem assim. Penso que são acéfalos, uns por conta própria, outros por encomenda.

    Sobre o vereador, será por acaso do PSD mas não foi por acaso que o jornalista o escolheu.
    Mais, o vereador, esse, é um calhau. E a força política que o suporta, com tanta vontade de descobrir coisas para malhar na estupidamente apelidada geringonça, não olha a meios - entenda-se obras - para atingir os (seus, deles) fins.

    As autárquicas ... isso é o quê exactamente? Hummmm, mais ruído de fundo, daquele que nos irrita.

    Tenha, caríssima Maria, um bom dia e aceite um beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que me fez mais confusão no tal do vereador é que ele nem sequer me pareceu interessado em ouvir a opinião de que as pessoas estavam satisfeitas com o resultado apresentado, o resultado final, estava tão concentrado na sua própria voz, que as pessoas que são ao mesmo tempo os eleitores, vá-se lá saber o raio do milagre que faz com que uma pessoa possa ser duas ao mesmo tempo, não contam para nada. Eu continuo a achar que se uma pessoa estiver realmente atenta à postura de determinado políticos, à forma como se movimentam e à forma como falam, aquilo nem sequer precisa de legendas, entra-nos pelos olhinhos adentro sem pedir licença nem nada.

      (é por isso que não me canso de dizer que seria impossível ser deste ou daquele partido, eu gosto é de ver obra feita e depois da obra feita sondar pessoas para saber a opinião, se a opinião da maioria é favorável, é porque aquilo correu bem apesar dos contratempos que qualquer obra arrasta, o resto é paisagem, neste caso específico, paisagem da boa)

      Ah e tal e o estacionamento? Tivesse eu tempo e falaria da zona do Saldanha e do facto de a conhecer como a palma da minha mão, vivi praticamente lá cerca de oito anos da minha vida.

      Beijinho para si também, caro Observador.

      Eliminar
    2. "Ah e tal e o estacionamento?"
      What does this means?

      Eliminar
    3. Quer dizer que algumas pessoas dizem que, com estas obras o estacionamento piorou. Piorou se as pessoas quiserem estacionar o carro mesmo ao lado da secretária lá no trabalho delas. Existe gente que só não dorme com o carro estacionado ao lado da mesinha de cabeceira porque o carro é capaz de não entrar no elevador :)))

      Eliminar
  2. Eles já andam loucos a fazer promessas e a "escovar-nos", é verdade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Escovar-nos" foi uma palavra muito bem pescada :))

      Eliminar
  3. Minha irmã mora na zona, e está encantada. Quanto aos políticos estamos conversados. Eles até são capazes de fazerem uma lei hoje e amanhã votarem contra ela.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo que sei, Elvira, o PSD inicialmente votou a favor deste projecto, entretanto mudaram de opinião. Pelo menos foi o que disse o tal vereador...

      A jornalista entrevistou pessoas que estavam dentro dos seus carros, provavelmente num momento em que estariam paradas no semáforo, ora aquilo foi muito bem pensado, foi importante perceber se os condutores que por ali passam teriam algo contra. Também entrevistou pessoas de várias faixas etárias, pareceu-me bem. Ciclistas e pessoas que andam a pé. Ninguém disse mal, antes pelo contrário, a opinião foi de que, tal como a sua irmã, gostaram bastante.

      Um abraço para si também, Elvira.

      Eliminar
  4. Pelo que ouvi e vi o espaço está realmente muito melhor e comoveu-me a deputada (invisual) a falar quanto às acessibilidades etc, etc. Os do PSD andam todos marados, já para não falar do CDS e não tenho pachorra para os ouvir, porque todos eles só querem estar e sentar o poder no dito cujo. Conheço quem já esteve no local e diz que está uma maravilha e pode-se andar a pé e até de bicicleta.

    Agora deixa-me que te diga que por aqui são obras e mais obras, devagar, devagarinho, algumas que de facto eram necessárias, mas outras...não lembra o diabo. Imagina uns kms de rua arranjados, piso alcatroado etc e os restantes kms por fazer. Esgotou-se o alcatrão?...pois contem-me histórias da carochinha que eu gosto!

    E sim, nisso dou razão a quem o diz...em ano de eleições há projectos já com bolor que saem das gavetas...sempre foi assim e assim continuará numa de "venha a nós o vosso reino do voto"!

    Amanhã se puder virei ler o que ainda está em atraso, porque hoje já se faz tarde:)))

    Uma boa noite

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fatyly, isto da oposição dizer mal só porque sim acaba por ser um pouco ridículo quando o argumento é apenas... porque sim. Os partidos políticos contrários ao governo têm o seu papel, claro que sim, só que aquilo tem que fazer algum sentido senão só os descredibiliza. Penso que fi o caso com isto do vereador. Enfim!

      Qualquer obra acaba por trazer incómodos vários para as pessoas, sei perfeitamente o que isso é, sempre vivi em Lisboa, só que quando o resultado final é compensador rapidamente se esquece. Penso eu de que...

      Ah, isso que conta, isso de repente metade da estrada ficar sem ser alcatroada é já história que se repete por aí. Um mistério, é o que é, ou talvez não.

      Tenha também uma boa noite, Fatyly.

      Eliminar