sábado, 17 de dezembro de 2016

Se uma universidade conclui que os sapatos revelam a personalidade de quem os calça...

... resolvi meter-me em trabalhos e dar-me a conhecer através dos sapatos de que mais gosto. Não partilho, no entanto, aquela paixão assolapada que muitas mulheres dizem ter por sapatos, quem diz sapatos, diz botas, ténis, sandálias, ou seja, tudo o que se calça com a intenção de proteger os pés quando se anda por aí em calçadas muito, pouco, ou nada esburacadas. 

Ter em atenção que este é um texto na onda do leve, e sendo um texto na onda do leve convém deixar de lado de quando em vez aquela porção de vida que nos sobrecarrega diariamente. É uma questão de sobrevivência. Se a malta beber sumo de limão todos os dias sem intervalar com uma ginjinha bebida em copo de chocolate, acaba por ser o lado azedo da vida a ganhar. Ser uma pessoa séria não é, na minha opinião, só falar de relatórios e contas, ser sério também passa por saber sentar-se descontraidamente e ler um livro de banda desenhada se o livro de banda desenhada descontrair. Veja-se o caso do ex-Presidente da República, Cavaco Silva, que tinha sempre aquele ar sério, macambúzio, que falava pouco (dizem por aí que pessoas sérias e sensatas falam pouco, pois, está bem) e no entanto foi um Presidente que não criou qualquer empatia, simpatia, com a grande maioria dos portugueses.

É por isso que torço bastante o nariz, desconfio até, muito inclusive, de pessoas que se vestem todos os dias de cinzento sem nunca pôr uma gravata com pintinhas rosa. Toda a gente deveria saber que o cinzento e o rosa são duas das cores que melhor casam. Queremos casamentos felizes, de preferência com finais felizes também. Ou aquelas outras que calçam todos os dias sapatos de cor preta (diz que pessoas que só calçam sapatos pretos, são pessoas mais frias, reservadas, que têm alguma dificuldade em se relacionar com os outros) sem nunca arriscar o verde esperança que é uma cor que me diz que ter esperança em não torcer um tornozelo quando caminho na rua é coisa de valor.

(agrada-me muito saber que a indústria portuguesa de calçado está a dar cartas em todo o mundo, temos ou não temos gente com muito valor? que sabe trabalhar bem, que sabe aliar o conforto à estética de uma forma magnífica... ora, um orgulho é o que é)

Acabada esta introdução que já vai longa, aqui fica, finalmente, a "minha foto" através daquilo que me dá muito prazer calçar. 
...
A ciência maluca diz que os sapatos revelam a nossa personalidade.
Onde é que me fui meter...








a secção das botas



(já sei, já sei, isto do: diz-me o que calças dir-te-ei quem és. acabou de me deixar bem descalça)

8 comentários :

  1. Os tipos - é assim que se diz? - de calçado que aqui se apresentam são tão díspares que não dá para chegar a uma conclusão sem correr o risco de não acertar.
    Cinza e rosa casam bem? É, apenas, uma questão de opinião e de gosto. Há que respeitar - ó p'ra mim a respeitar - e em frente que atrás vem gente.

    Gosto da primeira foto. Coisa bonita que dá um estilo levezinho e fica bem a quem tem bom gosto e aprecia o lado bonito e simples da vida.
    A sexta - contar de cima para baixo, sff - assusta-me. Não sei porquê mas ... é isso, faz-me mal à vista.
    As outras, deixam-me receoso. Explico. E se alguma menina/senhora/'whatever' sofrer de tonturas? Aquilo pode dar queda com todas as suas consequências.

    Maria quase estraga o post quando fala daquele senhor "que tinha sempre aquele ar sério, macambúzio, que falava pouco". Não havia necessidade.

    Para terminar, "se uma universidade conclui que os sapatos revelam a personalidade de quem os calça", há que fugir dela, da universidade.

    Dito isto, o melhor é fugir a sete pés. Presinto que vem lá chumbo grosso :))
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Díspares? Humm... Tendo em conta que díspares poderá ser entendido por géneros diferentes para ocasiões diferentes mas, tendo como base, o mesmo estilo ou estilos que se tocam nalgum ponto, conseguiria entender, mas não me parece que o tenho escrito nesse sentido... O que a minha forma de estar na vida revela é, apenas, que gosto muito disto de ser mulher e disto de ser feminina. Ser feminina não é, de todo, ser cor-de-rosinha e branda, ser feminina é não querer à força toda ser semelhante aos homens na tentativa de gritar ao mundo que sou forte como o mundo quer que eu seja. Ser forte em modo masculino. Pode-se perfeitamente governar o mundo a partir de um primeiro andar em modo saltos altos, não se tropeça nem nada, penso eu de que... :))))

      Cinzento e rosa é qualquer coisa de muito bom gosto. Não pretendo impor isto que acabei de escrever, é apenas o que acho. O caro Observador já olhou para um céu, em determinados dias, céu esse de fundo cinzento raiado a rosa? Pois, a natureza sabe muito bem disto do bom gosto e dá-nos verdadeiras lições nesse sentido.

      Porque será que não me surpreende que não tenha gostado da foto "sexta - contar de cima para baixo"? Também revelou um traço da sua personalidade... sem querer (eheheh).

      Uso sapatos de salto alto para trabalhar desde que me lembro, portanto as tonturas levam-se com um pé ás costas. Sem ser para o trabalho os estilos são variados. Ténis, botas rasas, havaianas, sapatilhas de pano/camurça e por aí fora...

      Tive que falar "daquele senhor" porque queria marcar o meu ponto, que isso de estar sempre sério e falar pouco (sempre) é coisa a evitar. O sempre é que dá cabo da imagem de muita gente. As aparências, sempre as aparências.

      Chumbo?? Ora essa! Eu não chumbo ninguém, são sou professora nem nada (ahahahah)

      Beijinho e tenha um óptimo fim-de-semana.

      Eliminar
    2. Muitas vezes olho para o céu com fundo cinzento raiado a rosa. É, de facto, lindo.

      Revelei um traço da minha personalidade? E daí? Não é verdade que fazemos desse tipo de revelações, por vezes dia sim dia sim?
      Foi sem querer? Olhe que não, olhe que não.

      Maria vai, com alguma frequência, revelando traços da sua personalidade. Imagino que seja intencional e não vejo mal algum nessa atitude. Bem pelo contrário.

      Let's talk about chumbo. Tive uma professora, na disciplina de química, que se chamava Palmira Bentes. As primeiras letras do nome estão paredes meias com o símbolo químico co chumbo (pb).
      Que eu saiba - mas eu sei muito pouco - não são só as professoras que chumbam ;)

      Eliminar
    3. Caro Observador, tenho para mim que, quem escreve, independentemente do facto de escrever bem ou nem por isso, acaba de alguma forma por revelar traços do seu carácter, da sua personalidade (no meu caso não é de todo intencional, partindo do principio que escrevo sem ser em modo calculista, digamos assim), mesmo aqueles que se escondem por detrás de uma qualquer personagem que resolveram criar. Aliás, acho que os que mais tentam esconder são exactamente os que mais revelam... isto no caso de uma pessoa os ler sem ser na diagonal. Li há relativamente pouco tempo num determinado blog, na caixa de comentários respectiva, um blogger que assumia já ter tido um blog com perfil feminino (portanto fazia-se passar por mulher) sendo ele um homem, se no primeiro instante me surpreendeu, no instante seguinte tendo em conta que costumava ler o que escrevia, não. A pessoa em questão, na minha opinião, revelava ser bastante traiçoeira, arrogante, uma pessoa culta, sem dúvida alguma, mas demasiado snob, não me admirou que andasse um tempo a "enganar" quem o lia. E mais existem por aqui com perfis trocados propositadamente, conheço mais dois, sendo "homens", são mulheres. Como é que eu sei? Ora...

      (tem razão não são só as professoras, os professores também o costumam fazer :)))))

      Eliminar
  2. Olá, Maria :)
    Também nunca fui uma Imelda Marcos :D ... Mas no meu caso é porque também a natureza, a par com a moda, não me permitia... Desde miúda que o meu pé foi sempre muito grande... Aos 15 anos já calçava o número que calço hoje, o 41... Hoje em dia já se encontra muitos sapatos desse número, mas há coisa de 20, 30 anos, não... E então, os sapatos de que eu gostava muito raramente me serviam... Nunca havia o meu número... E havia sempre muito poucos que me serviam... E eu tinha que me contentar com esses... Acho que enquanto mais nova poucos sapatos tive de que realmente gostasse... E então nunca pude ganhar entusiasmo... Agora já há mais... Mas como nunca tive esse entusiasmo, não o ganhei muito... Ando praticamente sempre de ténis... Sempre que posso é o que calço... Mas também gosto de outros... Lá de vez em quando lá há uns sapatos que me apaixonam, mas actualmente é mais o preço que me barra o acesso...

    Aforo as botas, em especial as últimas! Eu adoro gangas, portanto... Também gostei dos da primeira fotografia, os ténis... São esses os meus favoritos: os da primeira fotografia e as últimas botas! São lindos!

    As pessoas tendem em usar calçado preto porque há aquele estereótipo que o preto fica bem com qualquer cor de roupa que a pessoa vista... Às vezes não é bem assim, mas esse estereótipo está institucionalizado: sapato preto fica bem com qualquer cor, principalmente no Inverno em que os tons que usamos rendem a ser mais escuros....

    O rosa e o cinzento sempre foram duas cores que casaram muito bem. São muito usadas, aliás, em vestuário de desporto, nomeadamente de natação... Os fatos de banho cinzentos debruados a rosa são um clássico...

    Talvez o Professor Marcelo não tivesse resultado naquele tempo (nomeadamente nos primeiros mandatos), tal como Aníbal Cavaco Silva jamais resultaria agora... Outros tempos... Outras mentalidades...

    Bom fim de semana :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá São,

      Esse problema que a São coloca deve ser realmente complicado para quem calça um número que normalmente não é o número que a maioria das mulheres calça. Penso que o "normal" (normal entre aspas, obviamente, porque isso da normalidade tem muito que se lhe diga) será o 37/38, o meu, calço o 38. Isso deve limitar e muito os gostos. Tal como a roupa que muitas mulheres dizem não conseguir comprar porque têm demasiado peso, parece que já existem lojas de roupa para elas, ora ainda bem.

      No meu caso, o calçar saltos altos para o trabalho é porque a profissão assim o exige, ou seja, existe um código um pouco formal - formal mas não em demasia, mas mesmo assim a malta tem que andar arranjadinha, o currículo é importante e a imagem idem - no meio onde sempre me movimentei, portanto vingo-me nos fins-de-semana e nas férias.

      Sim, concordo com o que escreveu em relação aos sapatos pretos, os estereótipos... Aquilo de associar pessoas que só calçam sapatos pretos a pessoas mais frias, reservadas, não deixa de ter algum fundamento. Sendo Portugal um país em que fado é sinónimo de destino traçado na palma da mão, não é de admirar que a escuridão dê cartas.

      Olhe que o nosso actual Presidente, Marcelo rebelo de Sousa, está a ter "sucesso" até em pessoas assumidamente de esquerda. Quem diria! Penso que os portugueses precisavam desta lufada de ar fresco, é só perceber a forma como reagem à sua presença. Portanto creio que quem continua a tentar deitar abaixo Marcelo Rebelo de Sousa não estará muito preocupado com as pessoas. Olhai para as pessoas, senhores, gostam deste Presidente. Ponto.

      (ah, os famosos 3 mil pares de sapatos de Imelda Marcos, bolas, bolas e mais bolas, algumas mulheres quando lhes dá para serem irracionais, sai de baixo... e era a senhora em questão mulher de um ditador... corrupto, pois, parece que há quem ache que os ditadores são gente "buéda" boa, adiante...)

      Bom fim-de-semana, São :)

      Eliminar
  3. Vamos lá a ver se digo alguma coisa de jeito neste estudo que deve ter sido feito lá para o Kansas:)

    O calçado português dá cartas um pouco por todo o mundo e aí não aponto defeito algum. Desejo que continuem sempre bem e cada vez melhor.

    Sou mulher e longe vão os tempos que em pequenita dizia aos meus pais que ser mulher era uma chatice, porque embirrava vestir vestidinhos com rendinhas e laçarotes etc e tal feitos pela minha mãe e as únicas sandálias que tinha para sair. Passou e hoje existe muito mais "trapinhos e sapatos" e é só escolher. Não entro em modas, uso apenas o que me faz sentir bem.

    Andar em andaimes ou em tábua rasa com atilhos tornozelo acima ou com botas que me leva direitinha a "cadê o cavalo?" o que é preciso é saber escolher o apropriado e não fazer figuras tristes como muitas fazem.

    Profissionalmente o salto alto imperava pois claro, mas se foi coisa que nunca usei, digo-te que nunca fui chamada à atenção porque sim! São bonitos? Claro que são e gosto de ver, mas sendo mazinha como sou em vez de olhar para os sapatos aprecio a forma de andar. É um exercício de por vezes me fazer rir até às lágrimas.

    Por motivos de ter pés de quem nadou anos a fio e treinos intensivos, para os manter sem mazelas uso sapatos rasos onde o equilíbrio e estabilidade foi, é e será sempre uma mais valia.

    Nessa onda, quando dizes: "Ou aquelas outras que calçam todos os dias sapatos de cor preta (diz que pessoas que só calçam sapatos pretos, são pessoas mais frias, reservadas, que têm alguma dificuldade em se relacionar com os outros) sem nunca arriscar o verde esperança que é uma cor que me diz que ter esperança em não torcer um tornozelo quando caminho na rua é coisa de valor." discordo totalmente do estudo. Dou uma sonora gargalhada porque não sou fria, nada reservada e sem qualquer dificuldade de relacionamento com outros(as). A vida é tão curta e marinar em coisas "opacas" não é a minha forma de ser e estar.

    Uso ténis da Reebook, o mesmo modelo que só existe em preto e caro p'ra caraças. Assim e há muito tempo nunca mais tive problemas com os pés que para mim continua a ser a minha base sustentação acima de muitas outras.
    No Verão uso sandálias, que por ser tão curto...duram anos:))

    Olhando as fotos, não usaria nenhum e a última leva-me ao mundo da guerra e prefiro ficar em paz e neste momento estou descalça. Pois está muito frio, toda agasalhada...mas nunca soube o que é ter os pés frios e ainda ontem os "lindões" estiveram enfiados num ribeiro onde me sentei a apanhar sol:))))

    Saio de fininho e vou tomar o pequeno almoço (na minha terra diz-se matar-o-bicho) e depois sair a pé sem destino.

    Desculpa, mas é a minha opinião verdadeira e sincera.

    Um bom domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahahahah, eu não digo que os seus comentários são deliciosos? Pois são. E este quase que supera muitos outros que por aqui simpaticamente vai deixando.

      Esta parte aqui mais em baixo já me fez ganhar o dia. Está muito bom. Esta: "Andar em andaimes ou em tábua rasa com atilhos tornozelo acima ou com botas que me leva direitinha a "cadê o cavalo?". Isto é maravilhoso. Eu uso tudo isso, Fatyly, e gosto muito :))

      Na parte dos sapatos pretos penso que não foi esse o significado dado à coisa, os meus ténis preferidos também são pretos, da marca Adidas, gosto muito deles. Quer para fazer exercício físico, quer para usar na rua. Ali fala-se de outro tipo de sapatos...

      Saberá a Fatyly que tanto os sapatos demasiado altos, como os sapatos completamente rasos são prejudiciais (eu por exemplo não gosto e não uso sabrinas). Os meus sapatos de salto alto não são andaimes, penso que têm a altura certa. Também não uso sapatos compensados, não gosto, são deselegantes. E sim, sei andar de saltos, a minha mãe nisso também esteve lá :)

      A última foto leva-a ao mundo da guerra? Credo! Isso é muito dramático para um tema tão leve quanto este. Nem de longe, nem de perto, aquilo é ganga e couro. Apenas. Nada mais. São giras as botas, na minha opinião, evidentemente.

      Bom domingo, Fatyly e obrigada por toda essa espontaneidade. Gosto. Muito.

      Eliminar