sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Volto apenas para deixar uma grande vénia a Leonard Cohen (um dos muito grandes que também partiu para sempre)

Sempre que alguém, grande, morre, é como se um bocadinho do mundo também morresse naquele exacto momento, e é também nesse exacto momento que alguma pobreza se instala na alma da gente. Da gente que ainda se consegue arrepiar ao ouvir grandes vozes, grandes letras, grandes melodias. Enquanto a malta se emocionar ao ouvir uma canção como esta, a Hallelujah, é sinal que ainda existe esperança. É bom acreditar nisto de existir esperança...


Disse Leonard Cohen um dia que tencionava "viver para sempre", viverá com certeza para sempre na memória de quem acha, de quem acredita, que só os que sabem cantar o devem fazer. E este senhor sabia fazê-lo como ninguém. O mundo está cheio de ruído, não precisamos de mais ruído, precisamos apenas de gente que cante, que saiba interpretar, que nos emocione. Precisamos de gente verdadeira. De forma quase desesperada. Eu pelo menos preciso para conseguir respirar melhor.

Resta dizer que ouvi pela primeira vez Cohen numa idade em que se calhar é suposto ouvir outro género de música, e ouvi porque os meus pais costumavam ouvir Cohen. Existem coisas boas que passam de geração para geração. Esta foi sem dúvida uma delas. 

25 comentários :

  1. Estes Homens não morrem, têm direito à eternidade, de se sobreporem às leis da morte.
    Apesar disto estou triste, imensamente triste, uma tristeza a roçar um vazio imenso.
    É que enquanto que estes Homens estão a desaparecer, os outros, os que não prestam "florescem" como erva daninha.
    Escolhemos o mesmo tema, a belíssima Allelujah.
    Tenha uma boa noite, Maria.
    P.S. A mudança ainda demora? Faz falta por aqui, sabe isso, não sabe?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E tem razão, não morrem porque nem todos conseguem alcançar este patamar de grandeza. Eu, admito, tenho um especial respeito por gente que canta bem, que tem grandes vozes e a usa para tocar a alma daqueles que gostam de música e poesia, poesia da verdadeira, não daquela que sabe a "água de lavar batatas" (perdoe-me a expressão), diria que isto de morrer e deixar uma boa parte do mundo triste, não é para todos. Afinal, até na hora da morte alguns fazem a diferença.

      Este tema da Allelujah arrepia, é lindo, embora tenha deixado toda uma panóplia de canções que marcam.

      Bom fim-de-semana, GL.

      PS: Quanto à tal mudança, expliquei na resposta ao comentário do AC :)

      Eliminar
    2. Raros, raríssimos são os que têm esta grandeza. O homem está a ficar muito perigoso, olá se está!

      Quer mudar de plataforma? Ui, que susto! Eu, pobrezita, ando há imenso tempo para colocar um gift - lembra-se que já uma vez lhe falei nisso? :( -, e ainda não consegui.:(
      Uma vergonha? Não, apenas uma raivinha de todo o tamanho.:(:(

      Bom Domingo, Maria.

      Eliminar
    3. Penso que a GL se refere a gifs e não gifts :)

      (informática não é um problema para mim, para além de gostar, tenho muita facilidade em absorver tudo o que a novas tecnologias diz respeito... isto de mudar de plataforma não é difícil, só que gosto de fazer as coisas bem feitas e isso de bem feito implica tempo, logo se vê, com um bocadinho de sorte fica tudo na mesma)

      Eliminar
    4. Ups, é isso mesmo! Gifs, pois então. As minhas desculpas pelo lapso.:(
      Penso que é necessário descarregar um qualquer programa para que os ditos tenham direito a mexerem-se, não sei bem.
      Encontrei um, entre n, tão bonitinho, e agora? Tenho o link, mas depois? Mas depois nada, de nada.
      Olha que sorte, Maria! Eu, não só não tenho apetência pela informática, como não tenho paciência. É caso para dizer: "uma desgraça nunca vem só".

      Fica tudo na mesma por aqui? Ah, não me parece!:)

      Bom Domingo.



      Eliminar
    5. Não tem que pedir desculpa por coisa alguma, GL, apenas achei melhor informar no sentido de que se fizer uma pesquisa por gifts e não gifs a coisa dá em nada. Existem sites seguros, é uma questão de pesquisar, é fácil. Se precisar de ajuda envie-me um email, eu explico como se faz.

      A informática quando bem gerida e sabendo pelos menos um pouco da forma como se processa pode ser uma boa ferramenta no dia-a-dia. Profissionalmente falando é imprescindível. E comigo até funcionou para me ensinar na jardinagem, desde que a minha mãe morreu que sou eu que trato do jardim da casa de família, digo-lhe que nem sequer sabia como se cortava relva, o que era isso de podar, cortar arbustos, tratar de árvores de fruto e não só, aprendi quase tudo pela net, hoje sou que faço todo o trabalho sem qualquer tipo de ajuda. Quem diria que sempre vivi em Lisboa e sempre fui o mais cosmopolita possível. Não tarda estou a abrir um centro de jardinagem :)))

      Tenha também um bom domingo.

      Eliminar
    6. Até jardinagem aprendeu? Muito bem!:)
      De facto, a Internet é um manancial precioso de informação, ainda que não seja isenta de perigos.
      Quanto à informática, a dita nunca fez parte dos meus interesses prioritários, e o resultado está à vista.:(

      Tenha uma boa semana, Maria.

      Eliminar
  2. Um regresso, ainda que a prazo, é sempre um regresso, mais a mais com um belo texto.

    Um bom sábado, Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O regresso, propriamente dito, à blogosfera, será um pouco mais lá para a frente. Estou a pensar mudar de plataforma, daí a tal imagem com "mudança à vista". A mudança implica muita coisa, novo header e outras coisas que exigem tempo, coisa que neste momento escasseia. A ver vamos...

      Bom sábado, AC, e obrigada :)

      Eliminar
  3. Homens com o seu talento, não morrem nunca. Ganharam o direito à imortalidade.
    Mesmo que o motivo do seu regresso seja triste, gostei de "revê-la"
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta canção da Hallelujah toca especialmente as pessoas que se encontram num momento menos bom da vida. Penso eu que assim será. Ou então toca também aqueles que já ultrapassaram esses momentos menos bons, contudo não os esqueceram.

      Abraço, Elvira. Obrigada.

      Eliminar
  4. Fez bem em homenagear o enorme Leonard Cohen. De si não esperava outra coisa.
    Tenha um bom fim de semana e, já agora, uma boa plataforma.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda não entrei na onda de homenagear toda a gente que morre como é costume fazer-se nisto das redes sociais, apenas o faço quando quem morre me toca de forma especial. Uma pessoa tem que ser honesta até na hora da... morte.

      Beijinho para si também e bom fim-de-semana.

      PS: "(...) e, já agora, uma boa plataforma" soou a coisa estranha e mal digerida :)))

      Eliminar
    2. "Estou a pensar mudar de plataforma ...", foi a Maria que escreveu na resposta ao AC.
      Não gostou do que eu disse ou percebeu mal? Vou pensar que foi a segunda hipótese.

      Eliminar
    3. E eu respondi usando algum humor, daí ter terminado com um sorriso rasgado, aquela sinalefa com dois pontos e fechar parêntesis três vezes seguidas, aquilo do :))) Penso que tenho que apurar este meu sentido de humor, vai na volta está estragado e tudo e tudo :D

      (mudar de plataforma significa que o blog se mantém, os posts que até aqui publiquei mantêm-se, os comentários aos mesmos idem, nada muda a não ser mesmo a plataforma. Ainda não decidi, neste momento não há tempo, mas que gostava de dar uma lufada de ar fresco a isto, lá isso gostava. Lá está, gosto de mudanças...)

      Eliminar
  5. Olá, Maria :)
    Este ano tem sido terrível nesse aspecto... O curioso é que tem sido no plano internacional e no plano nacional também... Se nos outros países também tiver sido assim, então não sei... Porque conhecidos a nível internacional já lhes perdi a conta... Por cá também foram imensos... Nicolau Bryener, Camilo, Francisco Nicholson, José Boavida... E acho que ainda foram mais... Bolas! Que ano fatídico nesse aspecto...

    É verdade que estava nos 80s... É verdade que sabemos que ninguém fica fisicamente por cá para sempre e que as memórias , essas sim, permanecem... Mas ainda assim custa :(

    Um abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá São,

      Tem toda a razão, este ano tem sido qualquer coisa de muito mau no que toca à morte de pessoas que deixaram o mundo muito mais pobre. E em diversas áreas. Se calhar não estamos é ainda preparados para isto de tudo ter um fim. A morte ainda que aconteça numa idade em que se calhar é suposto todos morrermos, nalguns casos custa. Trate-se de desconhecidos que nos dizem muito de alguma maneira, logo existe um qualquer vínculo ainda que invisível, trate-se de familiares/amigos... Diria que a morte nunca é bem-vinda, não temos é outro remédio senão aceitá-la. É a factura que se paga por um dia nos ter sido dado o privilégio de viver. Não existem realmente almoços grátis. Aquilo do "there is no such thing as a free lunch".

      Abraço, São :)

      Eliminar
  6. Uma belíssima homenagem a esse grande Sir tão admirado pelos meus pais e através deles também passei a gostar. Esta música é linda e comovente e já muitos a cantam...mas...fica sempre um mas...por Cohen foi, é e será sempre Cohen.

    Nas últimas aparições já mostrava uma imensa fragilidade.

    Beijos e um bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fatyly, depois de termos assistido ao vivo e a cores à eleição de Trump como Presidente dos Estados Unidos, diria que o universo deve estar a divertir-se e muito com tudo isto. O universo deve estar neste momento sentado no seu sofá, com um saco de pipocas à frente, a rir-se à gargalhada, enquanto nos observa atentamente. O universo deve estar a testar-nos, rouba-nos grandes pessoas e deixa este mundo entregue ao(à) tru(a)mp(a) desta vida.

      Bom domingo, Fatyly.

      Eliminar
  7. Os "trampas" desta vida não serão eternos e olha que o povo americano não brinca em serviço. Mas sim Maria e nós por cá já tivemos e temos alguns trampas que não há meio de os pescarem e poderia enumerar alguns...mas como dizia o meu pai...há que saber viver um dia de cada vez e não dar muito ouvidos aos comentadores acérrimos da desgraça, sobretudo televisivos e jornaleiros:)))

    Vou dormir e para ti um bom serão e continuação de uma boa ausência.

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fatyly, o povo americano exerceu o seu direito de voto. Muito bem. Até aqui nada a contrapor, o que a mim me faz confusão é votar em alguém com as características do senhor em questão. Sei, a alternativa não era grande coisa, Hillary Clinton era a alternativa, infelizmente, mas mesmo assim, fosse eu "amaricana" e tendo ouvido atentamente todas as barbaridades proferidas por Trump, eu acho que votaria na alternativa e aguentava-me.

      Sendo assim vou continuar a ter "uma boa ausência" :)))

      Tenha uma boa noite, Fatyly.

      Eliminar
  8. Ouvi hoje a música que aqui deixo e lembrei-me de si. Um beijinho grande!


    https://www.youtube.com/watch?v=KQu8FOjJXdI

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não conhecia o vídeo e acredite que me tocou bastante. Parece que a Alexandra consegue ler-me a alma.

      Obrigada.

      Beijinho para si também.

      Eliminar
    2. Eu sei Maria, sabe que as pessoas costumam dizer que tenho um dom muito especial e que quando me dirijo a alguém a pessoa sente-se confortada. Como se a conhecesse desde sempre.

      Ainda bem que gostou.


      Um beijinho

      Eliminar