domingo, 16 de outubro de 2016

Ups! Fui ler novamente o jor. Observador... Vasco Pulido Valente diz que Guterres é "a nova versão de Stª Teresa de Calcutá"

Este artigo e especialmente o parágrafo que retrata o dia de terça-feira, é bem capaz de antecipar a visão de um Inverno rigoroso. Inverno daquele com inundações várias, trovões intermináveis, fortes rajadas de vento, granizo. Vou ali abrigar-me da tempestade  e já volto. Lá mais para o Verão é capaz de ser seguro...

Vou só deixar aqui um excerto do tal tsunami poético:


(para ler o resto é dar lá um saltinho, mas com cuidado que aquilo está "brabo", ou bravo, é à vontade do freguês).

8 comentários :

  1. Para os menos atentos, embrenhar-se na leitura de Vasco Pulido Valente é um bom teste para testar a sua lucidez. E isto porque a criatura, a seu modo, tem um talento incrível, mas nunca soube dar-lhe o melhor uso. É inteligente, perspicaz, dotado de múltiplos talentos, mas também birrento, vingativo, masturbativo. E com a idade, a escapar-lhe perante os dedos, as birras cada vez mais se misturam com a sua capacidade, muito boa, de "ler" as coisas. Em suma, VPV está a envelhecer mal, apesar de a sua lucidez se manifestar através dum laivo aqui, outro ali. O problema é que, de tanta birra, já poucos o levam a sério, mesmo quando tem razão. O que é pena.

    Um beijinho, Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, é bem capaz de ter razão quando diz que Vasco Pulido Valente está a envelhecer mal. Eu fiquei com um amargo de boca ao ler o artigo. Principalmente na parte em que fala de António Guterres com uma deselegância, com um mau gosto, impressionante. Se por um lado devemos exercer o direito de opinar (alguns até são pagos para isso e tudo e tudo) a coisa deveria ser mais elaborada quando se trata de alguém que sempre colheu o agrado de quem o lê. Nem todos gostam de Guterres, muitos acham, inclusive, que foi um péssimo Primeiro-Ministro, mas baixar o nível não me parece ser o caminho certo. Fiquei decepcionada com este artigo que escreveu no jor.Observador, admito. A ter nota seria negativa. Mas pronto, que sei eu e quem sou eu...

      Beijinho, AC :)

      Eliminar
  2. Um mal nunca vem só. Jor.Observador e Vasco Pulido Valente, lado a lado.
    Consigo, sem esforço, esquecer-me do Jor.Observador por alguns instantes. Graças a VPV.
    Sim, que o Vasco Pulido Valente, pseudónimo de Vasco Valente Correia Guedes, um ensaísta, escritor e comentador político português, consegue ser pior que todos os escritores do já referido jornal.
    O homem é asqueroso, venenoso e, last but not least, um básico inconformado com a sua sorte. A de um medíocre com um cérebro pequenino, pequenino, pequenino. Um homem certamente infeliz que vê nos outros (alguns) uma espécie de coisa onde nunca Valente conseguiu chegar. Ou seja, o Valente Vasco sente-se o que é, inferior à maioria dos portugueses.

    Dizer que "Guterres é a nova versão de Stª Teresa de Calcutá" é próprio de uma besta com um teclado à disposição.
    É sabido que Valente não gosta de Guterres. Um direito que lhe assiste e no qual nem se toca. Agora que o pequenino escriba seja ordinário ao ponto de dizer o que disse (e não só), é inadmissível.

    Quem é VPV para fazer julgamentos deste género? De baixo nível, muito baixo mesmo.
    Estou a referir-me ao mesmo homem que disse “A Marcelo falta autoridade e visão”. O mesmo sujeito que disse "O poder não garante inteligência". Ora, o poder das palavras não garante a Valente aquilo que ele não tem: inteligência.

    Quase me apetece dizer que quando o ex ministro João Soares disse que lhe apetecia dar duas bofetadas em Pulido Valente, deveria ter consumado o apetite. Só se perdia o que caía no chão. Acusar uma pessoa com "estilo de compadrio, prepotência e grosseria", merecia mesmo duas bofetadas, no mínimo.

    Bom domingo, Maria, ou o que resta dele.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem sequer o acho "medíocre com um cérebro pequenino", penso é que este artigo, ou crónica, ou lá o que lhe quiserem chamar, foi muito infeliz. Pelo menos na parte que trago a "discussão" neste post. A parte em que escreve sobre António Guterres como secretário-geral da ONU, poderia ter entrado no campo mordaz, mas nunca vulgar. E aquilo é vulgar, sem dúvida alguma.

      Admito que desconhecia a antipatia de VPV por Guterres. Antipatia essa patente e presente para ninguém ter qualquer dívida. Até para insultar alguém uma pessoa tem que o fazer (penso eu) de forma a deixar a outra sem saber se está a ser manifestamente insultada ou não. Quando a coisa é básica, não tem interesse. E isto foi básico, nem chegou a ser aquilo de politicamente não correcto, foi puramente básico. Esperava-se mais de VPV como escritor. Mas eu tendo a esperar sempre mais e uma batata de um escritor a sério, porque de escritores a fingir está o mundo cheio. Resmas de escritores a fingir e como se não bastasse até publicam livros. Não é o caso de VPV, isso de ser um escritor a fingir, mas neste caso até foi.

      (não vamos entrar na parte das bofetadas de João Soares, porque o senhor João Soares esteve muito mal, demasiado mal para o meu gosto, quando se desce o nível é como se gritássemos ao mundo que somos equivalentes, e isso é de evitar a todo o custo, na minha opinião, evidentemente)

      Bom domingo para si também, este domingo já vestido e calçado de Outono. Lá terá que ser...

      Eliminar
  3. Com licença! Vou entrar de mansinho e sair a correr.
    O homem foi deselegante, nota-se nele um certo azedume? É verdade, mas - ele persegue-me, Maria, este malvado "mas"! - há uma notícia(?) que VPV dá e que parece que ninguém leu. Segundo ele Sócrates vai publicar, ou já publicou, mais um livrito.
    Isto, isto é que ultrapassa o meu entendimento. Será que ninguém leu esta "novidade"? É que ainda não me apercebi que alguém se tivesse indignado.
    Como é que é possível? Como é que há pessoas que conseguem ler, uma linha que seja?
    Com sua licença, Maria. Comecei a correr antes que fosse demasiado tarde.:(

    Continuação de uma boa noite.
    Uma boa semana, com tudo de bom para si.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece que existem pessoas que não são como o vinho, aquela parte de que, quanto mais velho, melhor. Existem pessoas que azedam conforme vão envelhecendo. Acho que se deveria estudar este fenómeno do azedume. O azedume em várias faixas etárias, com mais predominância em idades mais avançadas. Isso é que era :)

      Note-se que escrevo no inicio do texto isto: "Este artigo e especialmente o parágrafo que retrata o dia de terça-feira", ora, o dia de terça-feira é o dia de António Guterres. Foi nesse que me centrei, porque esse é o dia em que escorre mais daquele precioso líquido esverdeado a cair para o estragado, o azedume.

      Boa semana também para si, GL.

      Eliminar
  4. Não consigo falar de VPV que em tempos que já lá vão acertava em pequenas coisas. Escreve bem e é inteligente, mas que infelizmente não abunda na "arte de bem e ou bom envelhecer". O artigo mostra-me isso mesmo...azedou e aparvalhou!

    Um bom dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fatyly, ontem à noite resolvi dar uma espreitadela ao artigo no jornal Observador só naquela de ler alguns comentários ao mesmo e, saí dali rapidamente, aquela caixa de comentários descambou completamente. Existem pessoas que não sabem quando devem parar. Falo obviamente das pessoas que fazem das caixas de comentários dos jornais online um caixote de lixo, não deveria ser assim, mas infelizmente é.

      (aguardemos pela próxima crónica de VPV...)

      Tenha também um bom dia.

      Eliminar