sexta-feira, 14 de outubro de 2016

(já numa hora tardia pensei: aquilo ontem, que já era hoje, é que foi uma overdose de Bob Dylan...)

Amanhã (sendo hoje) já ninguém falará de:
  1. Bob Dylan e do polémico prémio Nobel da Literatura que deixou muita gente hirta e incomodada, cheia de comichões lá na zona da estante dos livros que são para ler e não para ouvir em forma de canções. Isto é que temos gente que finca o pé na zona do aqui não saio e daqui ninguém me tira. 
  2. Nem dos taxistas.
  3. Nem da Uber.
  4. Muito menos da Cabify.
  5. Nem de Donald Trump e das pessoas-trumpezinhas que o apoiam (chego a pensar que são mais do que imaginamos).
  6. Nem do menino que morreu na praia lá na altura em que falar dos refugiados é que era.
  7. Nem de violência doméstica que só existe quando a tv entra pela casa adentro das pessoas.
  8. Nem do je suis charlie. Aquilo é que foi tanta gente a ser aquilo que lhe dava jeito ser no momento.
  9. Nem de tourada que dizem ser financiada com dinheiros públicos e está tudo muito bem.
  10. Nem de José Cid com as suas pessoas feias, medonhas e desdentadas, porque afinal de contas somos todos lindos e maravilhosos, com dentes branquinhos e perfeitos e ai de quem diga o contrário.
  11. Nem de uma Maria que é Leal de nome, do resto não sei, tão pouco me interessa.
  12. Nem do ex-professor Marcelo Rebelo de Sousa que passou de comentador a Presidente da República e alguns não perdoam. Quer-me cá parecer que nunca se vendeu tanto medicamento para a azia.
(era para existir um ponto 13 mas pensei melhor e achei por bem afastar a má sorte do caminho, ah e tal o treze até é um número de sorte, ora ainda bem, podem forrar a vida com papel de parede em forma de treze, eu prefiro um trevo de preferência com quatro folhas, gostos...)

8 comentários :

  1. Pois, o Nobel atribuído a Dylan é demasiado importante e, por isso, tudo fica em stand by.

    Há um pormenor que me deixa pensativo. Presumo que o cantor não tenha dado grande importância ao prémio. A Academia Sueca ainda "não conseguiu falar" com ele.
    Bob Dylan actuou num concerto em Las Vegas no qual, segundo constataram os jornalistas presentes, cantou mas não se dirigiu ao público nem fez, de forma alguma, qualquer menção ao Prémio Nobel da Literatura.
    Bob Neuwirth, amigo de Bob Dylan, disse a um jornal norte-americano que o compositor "pode mesmo nunca fazer qualquer tipo de agradecimento".

    Coisas da vida!

    Beijinho para si.







    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que escreveu é curioso, e eu tendo a achar que só as pessoas grandes, grandes lá por dentro e não grandes em tamanho que se pode medir de alto a baixo, não precisam, nem gostam de agradecer prémios, porque simplesmente não ligam a prémios. Não gostam de ostentar. Por vezes nem sequer acham que o que fazem, a forma como contribuem para que o mundo role de melhor forma, é assim tão especial. Os muito grandes desta vida procedem dessa forma.

      A visão desta postura de Bob Dylan pode ser encarada de duas formas pelas pessoas.
      1. Umas vão sempre achar que é arrogante e ingrato (mais do mesmo em formato de pessoas).
      2, Outras vão perceber. Ponto.

      Beijinho para si também.

      Eliminar
  2. Maria, meio mundo não percebeu o porquê desta distinção. Outra parte, percebe o porquê ou tenta fingir que percebe muito bem as razões deste Nobel. Quanto a mim, parece-me uma tentativa de agitar as águas, de fazer algo diferente. Uma visão tipicamente nórdica que também merecerá um elogio. Se foi surpreendente? Foi, pois. Mas há gente que passou a ter este assunto como ponto único na sua agenda, esquecendo-se de vários acontecimentos à escala mundial que são bem mais urgentes. Aproveito para fazer uma lista como a da Maria, embora mais pequena, pois não quero ocupar demasiado do seu espaço :)

    1. Trump comporta-se como um ser execrável quando fala de mulheres. Onde estão as associações/defensoras das mulheres? Silenciadas? Não pode ser!
    2. Guterres está em estado de graça. Até a mim me convenceu. A sua agenda é ambiciosa e optimista. Faz falta ao mundo gente com esse optimismo na humanidade. Vamos lá a falar sobre humanismo e as Nações Unidas?
    3. Na Alemanha, dois refugiados sírios capturaram um também sírio que ia cometer mais um crime bárbaro contra milhares de pessoas inocentes. Um bom exemplo de que nem todos os refugiados são terroristas. Queria ler mais sobre isto.
    4. Todos os dias se descobrem curas e tratamentos para doenças que afligem milhões de pessoas. Há boas notícias, todas as semanas. Pena é que as boas notícias não dêm audiências nem abram telejornais.
    5. Bob Dylan ganhou o Nobel. Não estou chocado nem ofendido. Não sou escritor candidato ao Nobel. Mesmo que o fosse, procuraria as razões. Não faria escândalos na praça pública (pois há gente que entende o termo "praça pública... como demasiado pública!).

    Beijinhos, Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carpe, muito bem. Estou para aqui muito contente por ter sido desvendada a verdadeira razão deste post e a verdadeira razão foi mesmo essa, a de levar as pessoas desse lado a fazer também uma lista à sua maneira. Fosse pela negativa ou pela positiva. Gostei muito desta lista do comentário e, jamais, pedir desculpa por ocupar este espaço, se este espaço é público as pessoas podem - e devem - ocupá-lo como muito bem entenderem. Tenha o comentário uma linha ou tenha trinta linhas. Só assim faz sentido ter um blog. Sendo assim muito obrigada e um beijinho para esse lado :)

      Eliminar
  3. 1- Bob Dylan fez parte da minha juventude e sempre gostei do que escrevia, cantava e sobretudo da sua postura ao longo dos anos, sem criar polémicas porque chega-lhe as polémicas que lhe arranjam. Por isto e muito mais, saio da manada habitual e com os meus neurónios digo: Dylan...tiro-lhe o meu chapéu!

    2- O dia 13 não me incomoda e não tenho nada contra ele e digo-te que coincidência ou não e porque não tenho poderes mágicos aconteceram-me coisas boas nos dias "13" e a última foi a escritura da venda da casa da minha mãe, conforme relatei.

    3- Caiu no esquecimento os terramotos e o devastador na Itália? Como estão a erguer-se? E no Havai...pois vai tudo na onda do esquecimento. Qual o uso dos milhões arrecadados para acudira populações devastadas neste planeta, não só pelos terramotos, mas também por atrocidades e guerras.

    4- Já não suporto ver e muito menos ouvir Trump quando surge sempre com a sua boneca insuflável e vá para o raio que o parta e que não parta o povo americano.

    5- Já ninguém fala das inúmera ajudas humanitárias onde jovens vão dar o seu melhor em prol dos seus semelhantes

    6- Pouco ou nada interessa saber os feitos a nível da ciência, tecnologia que noticiados é chover no molhado

    7- Que há tantos feitos fabulosos com desportistas portugueses, medalhados e distinguidos mas o futebol onde Jesus, Pintos e Brunos se gladiam como nunca e conduzem "manadas de negrumes do vale tudo"

    8- Tiro o meu chapéu à "Uber e Cabify e espero que na segunda não se repita a "touradataxista" onde até um tipo de uma claque de futebol fez o que fez, e que tentem valorizar-se, modificar-se e sobretudo adaptarem-se aos tempos actuais, porque o tempo do "é meu e só meu e não mudo" já acabou!

    9- Vou almoçar peixe cozido, broculos etc e tal e dou graças a Deus por ter comida na mesa!

    Um bom sábado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Palmas. Li isto tudo quase sem respirar. Gostei. É realmente a parte mais importante disto dos blogs, a parte de perceber o raciocínio das pessoas. O que defendem e o que deixam de defender. Ainda dizem alguns que estão fartos de ouvir/ler gente que exerce o seu direito de opinar. Tomara, opinar incomoda e muito. Querem as pessoas caladitas, porque pessoas caladas não dão trabalho nenhum e vai daí podem pôr e dispor à vontade.
      ...

      Hoje é mais peixe no forno, já o deitei (coitado, teve que ser) em cima de uma curgete e de uma beringela, espalhei tomate cereja, muita salsa fresca cortada de forma grosseira, os temperos rondam açafrão das índias, gengibre em pó, coentros moídos, cominhos, tomilho (gosto muito de ervas aromáticas)... Acho que tenho que começar a vender para fora, sou bem capaz de ficar milionária :)))))

      Bom sábado para si também, Fatyly.

      Eliminar
  4. Bom dia, Maria :)
    Vou obviamente usar aquela frase de que gosto tanto, da canção dos Eagles : "They will never forget you, till somebody new cames along..." ... E ainda bem que assim é, pelo menos com certas coisas... As pessoas falam, mas depois vêm outros assuntos e aqueles ficam um pouco para trás, uns mais outros menos. De alguns, se alguém falar, ainda as pessoas se recordam mais tarde, outros são mesmo esquecidos. Não encaro isso de forma negativa, antes pelo contrário. Até porque se uma assunto for realmente importante, ou tiver evolução ao longo do tempo, as pessoas continuarão a falar dele. Espero que não seja o caso do Trump. Espero que seja rapidamente esquecido e que daqui a uns anos alguém , por algum motivo se recorde "Lembram-se daquela besta que se candidatou a presidente dos Estados Unidos?" e outra responda "Ah... Sim... Tenho uma vaga ideia..."

    Penso, porém , que há assuntos que vão ficar na história e que as pessoas se irão lembrar sempre deles, embora não sejam daquelas coisas de que se anda sempre a falar, a toda a hora ... É a lei da vida... E da sociedade... Agora fala-se muito no Bob Dylan e no prémio Nóbel... Alguém fala em outros prémios Nóbel que também terão sido polémicos? Não... Mas se calhar até se recordam deles, se a pessoa falar. Não achei mal. O mundo está a mudar , há outros valores hoje em dia, uns piores outros melhores. É bom que não se considere Literatura apenas aquilo que está, de forma convencional, impresso em livros (e livros considerados como Literatura). Além disso, deixem-me ser um bocadinho mazinha, serviu também para irritar o Dr. António Loboa Antunes e isso foi um bónus excelente para mim :D

    O menino sírio que morreu naquela praia e mais o outro que ia na ambulância... Enfim... Obviamente que não estarão sempre na ordem do dia, isso seria impossível e mau... Mas as pessoas vão lembrar-se... Umas mais outras menos... Até porque foram fotografias que marcaram. Poderão até ficar na História, mais para umas pessoas , menos para outras... Tal como aquela do Kevin Carter, em que o abutre espera que uma criança morra para a comer, ou a outra da menina que foge nua durante a guerra do Vietname (essa fotografia foi, recentemente, censurada por nudez no Facebook... Santa ignorância... Uma fotografia que já correu o mundo em tudo o que é publicação, mas não pode estar no Facebook... É o que dá as pessoas olharem o Facebook como o bicho papão... Chega a uma altura em que os próprios administradores já não sabem o que fazer)
    Falei há dias com o meu amigos António Barreira, argumentista de novelas portuguesas, e criador da Liliane Marise, que se ria desalmadamente da Maria Leal... Se fosse a ele não me ria tanto, porque quando a realidade ultrapassa a ficção , o ficcionista pode ficar sem ideias para inovar :D ... Por outro lado, quando concluimos que, sem o saber, fomos uns visionários, até é bom :D

    Alguns assuntos eu não considero que caiam no esquecimento , mas como não há novidades sobre eles também não me parece importante estarmos sempre a falar dos mesmos... Além disso, aparecem outros e vamos ter à tal frase de que gosto tanto :)

    Bom domingo, Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá São,
      Olhe que em relação ao Trump tenho sérias dúvidas se não irá ficar memorizado para todo o sempre. Temo que as pessoas tenham mais facilidade em lembrar-se do que não presta, do que aquilo que realmente é importante. O Trump trouxe um cheiro nauseabundo aos Estados Unidos, embora ache que o cheiro está a espalhar-se por todo o mundo, e este tipo cheiro, chamemos-lhe assim, tende a ficar colado ao cérebro de forma duradoura.

      Aquele seu segundo parágrafo está digno de registo. Muito bem. Não conseguiria concordar mais. Vou apenas destacar esta parte que vai ao encontro daquilo que também eu defendo: "É bom que não se considere Literatura apenas aquilo que está, de forma convencional, impresso em livros (e livros considerados como Literatura)". Ora, nem mais. Está tudo dito.

      A foto da menina que foge nua durante a guerra do Vietname é, provavelmente, uma das fotos mais marcantes que podemos ver. Ou que pude ver, falo por mim, neste caso. Muito dificilmente se esquece. Ou não se esquece, de todo.

      Bom domingo para si também, São :)

      Eliminar