sábado, 21 de maio de 2016

(só o José Rodrigues dos Santos me faria voltar à blogosfera interrompendo este meu sábado tranquilo)

Dei comigo a pensar nesta belíssima... opinião de JRS:

Estou para aqui às voltas há já algum tempo e não consigo chegar a conclusão alguma. A única coisa que realmente me assola a alma é toda esta prepotência por parte de um escritor-jornalista ou jornalista-escritor que, provavelmente, nem sequer necessitava de deitar cá para fora em modo sonoro este género de pérolas. Isto de alguém achar que precisa de deitar os outros abaixo para se conseguir evidenciar é muito pobrezinho.

Talvez a frase de JRS nada mais encerre do que um qualquer golpe de Marketing. Talvez seja na onda do falem bem ou falem mal, mas falem de mim. Tenho sempre a sensação que esta coisa que muita gente usa para se vender, esta coisa do: mas falem de mim, um dia, porventura, corre mal. Neste momento até consigo ouvir as gargalhadas do JRS pensando: oh Maria e tu com a tua insignificância achas que me vão deixar de comprar livros? logo eu, um excelente escritor?!...


(ups, não sei se esta imagem faz pendant com o tema do texto, agora já está!)

34 comentários :

  1. Uma vez mais, JRS mostrou o seu lado estúpido, tão ao seu jeito.
    E eu a pensar que era apenas o Jorge Jesus que dizia que o seu colega - o da Vitória - não era treinador, chamando o mérito todo para si.
    JRS foi mais longe.
    O que esperar de uma pessoa que passa atestados de menoridade a colegas (?) seus, chamando a si todos os louros como se não houvesse ninguém capaz?
    É também desta forma que a mediocridade se faz sentir.

    Beijinho, Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aí é que está, o caro Observador num dado momento do seu comentário acabou por resumir, e bem, o que me parece ser o cerne da questão: "chamando a si todos os louros como se não houvesse ninguém capaz". Foi exactamente esta parte que me provocou alguma urticária. Tenho para mim que este género de afirmações acaba por enfraquecer de algum modo as pessoas. Mas pronto, é a minha opinião e vale o que vale...

      Beijinho para si também.

      Eliminar
  2. Olá, Maria :D
    Eu já referi no outro post que não me quero chatear porque ainda estou anestesiada pela emoção que vivi no fim de semana passado.... Por isso, prefiro beber um chá de camomila antes de responder a este post, antes que ainda fale mais do que devo, tendo em conta que o blog não é meu.... Mas acredito que vai ter aqui bastantes apoiantes, enquanto eu bebo o chá e ele faz efeito... Espero que se divirtam :D
    Abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá São,

      Aguardemos então a sua linha de raciocínio...

      (não se esqueça que este é um blog pessoal/de opinião, opiniões minhas, não escrevo para ter apoiantes, escrevo apenas aquilo que, de alguma maneira, me fez franzir a testa ou me provocou um sorriso de satisfação, não é muito difícil perceber em que patamar se encontra esta afirmação de JRS)

      Eliminar
  3. Bom não sei que lhe diga, até porque não conheço o JRS como escritor. Explicando-me melhor. Só li um livro dele. A filha do Capitão. A história do livro até que é interessante, mas não achei que ele fosse escritor. Para mim é um jornalista que escreve livros. Em jeito de quem faz uma peça jornalística. Não sei se em outros romances, a coisa é diferente, mas sinceramente não me entusiasmei o suficiente para ler outros livros dele. Posto isto, penso que o seu talento é infinitamente menor, que a sua presunção e estupidez.
    Um abraço e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também só li um livro dele e a verdade é que também não voltei a comprar mais nenhum. Não me prendeu. O livro continua cá por casa lado a lado com outros escritores, temo que um dia destes se dê um grande motim na estante e o JRS seja atirado pela janela. Eu cá não tenho intenção de me meter na guerra...

      Abraço, Elvira, tenha também um bom fim-de-semana.

      Eliminar
    2. Desculpe meter-me, mas.... Para o atirar pela janela, ofereça-mo... É que eu tinha-os todos e.... Ficaram com o computador... Mas como estou longe, pode ser que aí em Lisboa haja quem goste... Não me dou ao luxo de atirar livros pela janela... Para isso, ofereço-os, porque, se eu não gosto, pode haver quem goste...

      :)

      Eliminar
    3. São, eu não disse que atirava o livro do JRS pela janela. Ora leia lá bem outra vez o que escrevi se faz favor. Esse seu sentido de humor está uma desgraça :))

      Eliminar
    4. Pode estar fraco... Ou difícil de alcançar por todos... Mas "uma desgraça" parece-me um bocado forte, mas já não me espanta...

      Percebi perfeitamente.... Os livros não se zangam uns com os outros... Os donos é que os fazem zangar....

      :D

      Eliminar
  4. Como apresentador de um telejornal, sendo jornalista é de meter medo ao susto. Não gosto ponto!

    Como escritor li apenas "A Vida num sopro" e 611 páginas é dose. Como tal, de tão chato que é fiquei-me pelas duzentas e tais. Ofereçam-me e eu acabei por oferecer a quem gosta da sua escrita e ainda não tinha tal livro.

    Comparei-o com a escrita de José Saramago, tão bom que recebeu um prémio Nobel, mas para mim é uma escrita chata, daí a comparação. E junto os dois ao Júlio Diniz cuja Morgadinha dos Canavias e as Pupilas do Senhor Reitor...tanta palavra para descrever uma pequenina cena...que enjoa.

    Ao proferir tal afirmação torna-se controverso e arrogante como sempre foi, talvez para tapar/disfarçar a sua tremenda introversão/timidez como ser humano (julgo eu), o que é mau! Na volta foi um tiro nos pés e quem nunca o fez? Acontece e só desejo que continue a sua vidinha como entender porque tudo é tão efémero.

    Se vende é porque há imensos fãs versus leitores e o facto de gostarem, porque respeito, não retiro uma vírgula do que disse, por ser apenas a minha opinião.

    Eu não gosto.Ponto!

    Há outros escritores com menos peneiras, numa escrita fabulosa, escorreita e nada chata e para chata basta eu que fico piursa quando se tentam pôr em bicos de pé, nem que seja pisando os outros". Nunca fiz e não o farei...e por vezes a "fama e o proveito (dinheirinho) faz mal a muita gente."

    E Portugal para não me alargar para o mundo está repleto de gente que se julga superior e no dia em que o "andor" cair é que se verá a essência humana de cada um.

    Não disse nada de jeito, pois não Maria? Com isto não quero mudar em nada o que os outros pensam e gostam.

    Um bom serão

    Beijinhos



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fatyly, não costumo ver as notícias da RTP à noite (a minha preferência vai para SIC/SIC Noticias) aliás, vejo, mas muito raramente. Por vezes sintonizo a RTP de manhã enquanto tomo o pequeno-almoço, a essa hora o pivot é outro.

      O número de páginas não torna um livro chato, isto na minha opinião. O "Nem só de pão vive o Homem" de Vladimir Dudintsev tem para lá de 500 páginas e é um dos meus preferidos. O "Quando Nietzsche Chorou" também é um livro "gordo" e também entra directamente para o patamar dos meus preferidos. Entretanto adoro os "Cem anos de Solidão" de Gabriel Garcia Marquez, este um pouco mais "magro" de páginas, mas não de conteúdo. O JRS apenas não me cativou. Gostos...

      Também li Júlio Dinis, primeiro por obrigação e muito mais tarde por opção. Gostei da parte de ser opção e não me arrependi até hoje.

      Fatyly, todas as opiniões que as pessoas vão deixando por aqui, para mim, são de "jeito". Posso não concordar com algumas, concordar mais com outras, mas isso de concordar ou não não interessará muito, o que conta é mesmo esta coisa de perceber a forma como as pessoas raciocinam. a forma como argumentam, dessa parte gosto muito, admito.

      Tenha uma óptima noite.

      Eliminar
  5. Maria... Acredite que me ri bastante com o título deste post... Só o José Rodrigues dos Santos a faria voltar à blogosfera?? Com tantos assuntos interessantes que há na actualidade e a Maria vai pegar numa coisa sem grande assunto, ou melhor, que só tem assunto porque os chamados "haters" já começaram a lançar lenha para a fogueira. Li a entrevista, como deve calcular e não vi nada de mais, muito menos de arrogância, prepotência ou estupidez naquela declaração. Mas isto é assim : quando não gostamos das pessoas, tudo o que elas dizem serve para pegarmos... Se calhar, quando gostamos também achamos tudo bem, mas no meu caso não é bem assim. O Zé já tem dito coisas em que lhe noto alguma vaidade e eu escolho os ombros e digo "Ele é assim..."... Mas sinceramente, não foi o caso. Nem fazia ideia que houvesse polémica, pelos vistos há, o que me fez rir... Qualquer dia, o homem não pode abrir a boca, que tudo o que diz é estupidez... Uma palavra um bocado forte, mas as acções ficam para quem as pratica...

    Adiante... Quantas vezes já ouvimos pessoas, entrevistadas em talk shows, dizerem que resolveram lançar uma ideia nova, um negócio novo, precisamente porque acharam que não existia nada daquele género e acham que, assim como elas gostariam que existisse, outras pessoas também provavelmente iriam gostar e, então, arriscaram nessa linha? Já ouvi isso a pessoas que fazem artesanato, a donos de restaurantes não tradicionais, a donos de lojas de produtos pouco vistos.... Enfim... Tantas vezes já ouvi isto "O que o levou a lancar-se neste negócio?" , "Olhe, achei que era interessante, já tenho pensado nisso e nunca vi nada do género, e então, resolvi fazer eu isso, porque assim como eu gostaria, outras pessoas gostariam também"

    Ainda há pouco tempo vi uma família que tinha um restaurante e, associado a ele uma loja de produtos regionais, não só do ramo alimentar, mas outros produtos... Era algo novo, que acharam que as pessoas gostariam.... Se não havia, resolveram ser eles a inovar...

    Estava convencida até hoje que a inovação era bem vinda.... Pelos vistos não.

    Já ouvi várias vezes o Zé dizer "Eu pidia escrever romances sobre o Joaquim que conheceu a Maria a caminho do trabalho. Mas já há imensos romances sobre isso...."

    Ora, o que ele quis dizer com isso parece-me mais que óbvio : Ele gostava de ver certos temas abordados em livro, como não há, vai ele pesquisar e escrever sobre isso, porque tal como ele gostava, outras pessoas provavelmente gostarão também. E parece-me estar certo, porque os livros dele são sucesso garantido há mais de uma década. Alguma coisa devem ter de diferente. Nenhum autor em Portugal vende como ele.... Ora, as pessoas não vão ser todas estúpidas.

    É natural que esteja orgulhoso desse sucesso... Quem não estaria? Mas prepotente não o acho.... Muito menos estúpido (aliás, acho uma palavra demasiado forte para ser usada assim na blogosfera... Isso é para o Facebook, que é o lugar dos parolos)

    O António Lobo Antunes passa a vida a dizer com todas as letras que nunca viu no mundo um escritor que escrevesse tão bem como ele e nunca o vi ser atacado assim... Há pouco tempo, referindo-se a Fernando Pessoa, disse que era impossível que um homem que nunca tinha piiiiiii (como se pudesse garantir isso) pudesse escrever bem... Mas é Lobo Antunes e pode dizer o que quer...

    Já agora, agradecia que visse este vídeo, que eu retirei da pequena reportagem que passou no telejornal sobre a apresentação do 15° romance, que foi hoje, e em que eu não pude estar presente, com muita pena minha.... Não há desculpa de falta de tempo para não se ver o vídeo, são menos de 40 segundos... É
    precisamente sobre essa polémica que eu não fazia ideia que existia...

    https://youtu.be/-hob2_6nzvQ


    Abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou fazer isto pela primeira vez nesta ainda muito curta vida blogosferiana. A minha, portanto. Proponho que a São me fale de um assunto interessante. Esqueça o José Rodrigues dos Santos e esta preciosa afirmação que arrastei neste post e fale do que bem entender. O tempo de antena é seu se aceitar.
      ...

      A São sabe o que é um hater, não sabe? Não me parece que neste blog existam haters, pelo que sei os haters entram sempre em formato anónimo e cheiram a podre. Anónimos aqui não têm grande sorte, neste blog não entram anónimos, ou mostram o perfil de blogger ou nada feito, ficam à porta a rosnar que ficam bem.

      Convém ler o título com ironia, posso não a saber utilizar como gente grande, mas que me agrada a ironia, lá isso agrada... Tenho que pesquisar a ver se encontro um curso qualquer que me ensine bem a nobre arte de bem saber ironizar.

      Foi preciso criar um blog para alguém me dizer que não sou imparcial. Ai São, São, isso de ser sempre do contra não dá saúde e tão pouco faz crescer. Curioso que trato o jornalista por José Rodrigues dos Santos e a São trata-o por "Zé"...

      As voltas que a São dá para explicar o que não tem explicação são de louvar. Nesse aspecto tiro-lhe o chapéu. Mas há que perceber que anda por aí uma grande misturada e uma tentativa de atirar areia para os olhos da malta. Esta parte do seu comentário é prova disso: "Olhe, achei que era interessante, já tenho pensado nisso e nunca vi nada do género, e então, resolvi fazer eu isso, porque assim como eu gostaria, outras pessoas gostariam também".

      A São não é atacada por gostar de José Rodrigues dos Santos, isso não faria sentido algum, mas também acho que tem que perceber que existe muita gente a quem não agrada os livros que escreve. Não se trata de ódio, trata-se de gostos de leitura. Apenas isso.

      Abraço para si também.

      PS: Está a pedir-me para ver um vídeo de JRS? A minha saúde está muito fraquiiiiinha de momento, a minha médica não deixa :))))

      Eliminar
    2. Quando me referi aos haters não disse que era neste blog.... Mas foi através deste blog que percebi que havia polémica sobre essas declarações.... Obviamente que percebi a ironia... Só que ironizei também...

      Pronto, não quer ver um vídeo de 40 segundos porque não quer ver a explicação da pessoa.... Típico de quem prefere só ouvir uma das partes...

      Não faço questão de ser sempre do contra.... Mas se não concordo, digo que não concordo. Sempre.

      E sim, acho que a intenção dele foi essa e não estou a tentar atirar areia para os olhos de ninguém...

      Essa de dizer "O Zé" ser motivo de assunto não percebi... É assim que o vejo ser frequentemente tratado por muita gente... Aliás, sempre vi pessoas referirem-se ao Cavaco, ao Marcelo, ao Ronaldo, ao Goucha, ao Sócrates ... Nunca vi polémica sobre isso... Mas ok...

      Mas eu estou habituada a estes ataques... E a outros .... Depois da meia-noite noite, devo levar com outra dose na página de Facebook d"O eixo do mal.... Sou filha de um agente da GNR, portanto.... Nada de novo :D

      Bom resto de fim de semana :)

      Eliminar
    3. "Zé" é um diminutivo e demonstra algum grau de familiaridade. Não sei, digo eu. Quando trato o jornalista por José Rodrigues dos Santos é como se existisse algum distanciamento que é necessário para usar da tal imparcialidade. Foi por aí...

      (Cavaco, Marcelo, Ronaldo, Goucha, Sócrates, não é exactamente a mesma coisa que "Zé", para isso tratava o Goucha por Manelinho, Sócrates por Zézinho, Cavaco por Anibalito, e por aí fora).

      Bom fim-de-semana, São.

      PS: Mas eu já estou careca de ouvir as explicações de JRS. São sempre na mesma base. Cansei. Ver um vídeo ou não ver é exactamente igual. Não acrescenta nada.

      Eliminar
    4. Se eu disse Zé não disse Zezinho... Zé não é propriamente um diminutivo, é um corte no nome, tal como São... Não é a mesma coisa que Sãozinha... Aliás, é muito raro, mas muito raro mesmo, a menos que seja um ambiente muito fornal, e aí, regra geral, usa-se também um segundo nome, tratar as pessoas por José.... O nome José é realmente pouco usado... É mais Zé...

      E vê-se mesmo que raramente ouve falar do José Rodrigues dos Santos, porque é muito comum as pessoas se referirem a ele como "O Zé"...


      E por acaso já ouvi pessoas referirem-se ao Goucha como Manel Luis.... Ora, Manel está para Manuel como Zé está para José.... Não sei onde me viu escrever Zezinho, mas ok...

      O José António Afonso Rodrigues dos Santos (está melhor assim? É melhor ir à Wikipédia para ser mais exacto (A sério?)) é um bocado vaidoso, tem um ego um bocado insuflado, mas são feitios de pessoas... O que não falta por aí são pessoas que se fazem muito humildes, muito simples e, quando se sabe, são as maiores bestas à face da terra...

      Acho que há uma diferença entre ser vaidoso e ter um ego um bocado alto e ser estúpido e má pessoa... Mas isto quando se embirra...

      Combater a arrogância com arrogância também é próprio do ser humano.... Nada de novo, portanto :)

      ;)

      Eliminar
    5. Agora é que reparei ao PS... Ah, ok... Cansou-se de ouvir as explicações dele, mas não se cansou de criticar, certo? Eu acho que quando se escreve um post sobre qualquer pessoa, seja para atacar, ou para elogiar, se deve "ouvir" as duas partes.... E tudo o que foi dito sobre esse assunto.... Porque, a sermos justos, se não queremos ouvir as explicações da pessoa, se estamos "carecas" de ouvir, então, a bem do bom senso, também não devemos dizer nada.... Agora, dizer, atacar, criticar, e depois dizer "Ah, não, a parte dele não me interessa, não acrescenta nada, estou careca" não me parece bem... Se estamos carecas de ouvir a defesa das pessoas, também devíamos estar carecas de atacar... Mas isto é apenas a meu ver, atenção...

      :)

      Eliminar
    6. É que por essa ordem de ideias, a grande maioria das figuras públicas são muito mais arrogantes que ele...

      Não disseram que era má pessoa??? Ahahah... Chamaram-lhe estúpido! Mas eu já não saberei ler?

      :D

      Eliminar
    7. Caramba, onde isto já vai... Convém sublinhar que ninguém disse que ele era má pessoa. Um bocado vaidoso é favor. Ego um bocado insuflado??? Meta insuflado nisso.

      ...

      Quanto ao resto... desisto. Não se esqueça que lhe dei a oportunidade de falar de um assunto interessante escolhido por si, até agora... nada.

      Eliminar
    8. Interessante talvez seja o facto de nem sempre ter sido uma parasita a viver num bairro social.... Já disse várias vezes aqui que fiquei com a licenciatura inacabada por uma cadeira.... De Inglês.... A parte de Português do meu curso foi toda feita. E sem grande dificuldade, deixe que lhe diga. A Língua Portuguesa sempre foi a minha paixão. Havia no meu curso um cadeirão chamado Sintaxe e Semântica do Português... Em turmas de 40, regra geral passavam uns 15 a 20,sendo que esses 15 a 20 incluíam incluíam os 10 ou 12 que iam buscar um "dezinho" em Setembro, mais os 7 ou 8 que eram puxados no exame de Julho a partir do 8,5 com uma oral improvisada para não ficar tanta gente para Setembro.... Por frequência, assim sem grandes preocupações, passavam 3 ou 4, que eram os "crânios" do Português.... Provavelmente, não sabiam fazer a mais simples continha de dividir, mas ali em Português ninguém os batia... São quedas.... Eu tive nota 14 a essa cadeira. Óbvio que tive notas mais altas a outras cadeiras de gramática, mas Sintaxe e Semântica do Português era realmente um bocadinho complicado, e o professor complicava mais ainda.... Frases ambíguas, duplos sentidos,leitura de entrelinhas era o meu forte. Consegui muitas vezes provar a pessoas que aquilo que tinham dito podia ser interpretado de uma maneira totalmente diferente daquela que a intenção lhes tinha dado.... Por isso é que Sintaxe e Semântica do Português não é assim muito simples....

      E eu garanto-lhe que se eu dissesse a uma pessoa "pedi-te para falar de uma coisa interessante e até agora nada" teria humildade e decência para acertar que a pessoa entendesse essa afirmação como "Tu nunca dizes nada de interessante".... Pelas regras da Sintaxe e da Semântica do Português garanto-lhe que é até muito fácil atribuir esse sentido à afirmação...

      Ah.... Já sei que não foi isso que a Maria disse! Mas pediu-me um assunto interessante e eu lembrei-me desse...

      :D

      Eliminar
    9. "Jasus", perdoe-me o "jasus"... Vamos lá "destrocar" isto. Não fui eu que pedi para falar de um assunto interessante, se der um salto ao seu primeiro comentário lá mais em cima pode ler, escrito por si, isto: "Com tantos assuntos interessantes que há na actualidade e a Maria vai pegar numa coisa sem grande assunto".

      Se a São achou por bem que o assunto interessante da actualidade é esse que aqui deixou no seu comentário, muito bem, aceito, não tenho como não aceitar. Aceito e respeito só naquela de ser politicamente correcta, coisa que em abono da verdade não gosto. Não gosto do politicamente correcto, nem gosto de vitimizações, temos que ser gente digna, sempre. Golpes baixos devem ser evitados a todo o custo. Pensei que os assuntos interessantes da actualidade seriam outros... culpa minha que não sei interpretar coisa alguma e dá nisto.

      (ufa, que estou cansada, agora vou almoçar senão ainda me despedem cá de casa :)))

      Eliminar
  6. Sintetizando: JRS, como jornalista, não gosto; JRS, como escritor, desconheço.

    Desejo-lhe um excelente final de semana, Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tudo muito bem sintetizado. O AC está numa de contenção de palavras. Existem assuntos que devem ser tratados em modo speedy gonzalez :))

      Um excelente fim-de-semana para si também, AC.

      Eliminar
  7. Afinal, o senhor José Rodrigues dos Santos é uma pessoa popular. Um excelente profissional. Bom jornalista, maravilhoso escritor, pensador nas horas vagas.
    Nós, os que não gostamos do senhor José Rodrigues dos Santos, é que estamos mal.
    Alguém devia falar do Zé Carioca (alcunha em Português de Portugal), José Carioca (no Brasil)ou Joe Carioca/Joseph Carioca(nos Estados Unidos), o típico malandro carioca. E espero que Walt Disney não se intrometa. E que o amigo Pato Donald não se importe. Afinal trata-se de um papagaio sem pretensões que sempre escapava aos problemas com um jeito característico.
    Ai que saudades tenho dos bonecos animados que nos deliciavam e não nos faziam cócegas no ego.
    Até à próxima se não for antes :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahahahahaha, o caro Observador hoje acordou inspirado. Obrigada pela gargalhada que provocou aos que estão deste lado. Sim, hoje somos muitos deste lado. É domingo e está sol. Ámen! :))

      Eliminar
    2. Mas é evidente que é um péssimo profissional! Um bom profissional será aquele que diga "Olhe, sabe? Eu gosto de escrever livros iguais aos que toda a gente escreve. Não gosto de inovar. Não escrevo o que gosto, escrevo aquilo que os outros escrevem e que há aos montes no mercado! Mesmo que eu não goste, mesmo que seja uma coisa que eu nunca iria ler, até porque há aos rodos, é o que eu escrevo porque gosto de escrever igual ao que os outros escrevem"

      Isso sim, é um excelente profissional.... Como aqueles que vão escrevendo romances eróticos porque têm saída...

      :D :D :D

      Eliminar
    3. São, tenha em conta que livros com grandes tiragens, grandes êxitos de vendas, nem sempre são livros com grande qualidade. Neste momento nem sequer me estou a reportar ao JRS em concreto, estou a falar de um modo geral. Continuamos a achar que quantidade é sinónimo de qualidade, nem sempre assim o é, por vezes coincide, mas nem sempre. Por vezes basta a pessoa saber "vender-se" muito bem, ter amigos que abram as portas certas, ter amigos em programas de tv com audiências consideráveis que façam publicidade (lá está, audiências consideráveis por vezes também não são sinal de qualidade)... et voilá! a malta tem a vida muito mais facilitada.

      (quanto ao JRS... não gosto de falsas modéstias, que não gosto, mas presunção e prepotência são coisinhas para as quais não tenho a menor paciência, gosto de gente que diz o que tem que dizer, sem papas na língua, no entanto não se acham o supra-sumo do universo e muitos arredores).

      Eliminar
    4. Até que enfim que a Maria fala de forma clara e objectiva nedte post. Concordo com isso tudo. No entanto, a verdade é que a qualidade é algo muito subjectivo. Já nem falo de mim porque há uma simpatia subjacente, mas a verdade é que ele se tornou num fenómeno da literatura. Ninguém vende como ele. E há muitos anos, o que é estranho. Ora, alguma coisa tantas pessoas de certeza vêem nos livros dele. O Quê? Não faço a mínima ideia... Ser conhecido ajuda, sem dúvida, mas o que se tem vindo a verificar é que figuras públicas tão ou mais conhecidas que ele lançam um livro que vende muito bem, depois lançam um segundo que já não vende tão bem, e quando lançam o terceiro já praticamente não vendem nada... Ora, ele é campeão de vendas há anos, há mais de uma década... Não se percebe... Nem eu percebo... Juro que não. Será por ser simples? Mas também são simples os da Julia Pinheiro (por acaso, gostei de um que li dela, mas não sei se lançou mais algum), os da Fátima Lopes, os do Júlio Magalhães, os do Miguel Sousa Tavares (ai a inveja que esse deve ter... Logo quem...)... Ora, esses, certamente também têm amigos que lhes abrem pirtas... O MST vendeu bem o Equador e Rio das Flores, mas depois, tem lançado outros que têm tido vendas modestas... Esse não é nada arrogante, com a graça de Deus... Então desde a história das pessoas terem pena dos touros e não terem dos pugilistas... Matou-me!!

      Outra coisa estranha é o JRS chegar a outros países, como a França e a Bulgária e atingir primeiros lugares e se fartar de vender... Ora, lá ninguém o conhece... E curiosamente, segundo ele diz, não é a comunidade portuguesa que o lê (como acontece com o Tony Carreira), mas sim os franceses e filhos de emigrantes portugueses... Os emigrantes portugueses em França, de primeira geração, não são muito de ler, embora haja alguns...

      Ora, eu no lugar dele também teria orgulho... Como têm orgulho o Ronaldo, o Mourinho e por aí fora... Esses também não são nada arrogantes, com a graça de Deus...

      Porque é que ele é campeão de vendas há mais de uma década? Não faço ideia.... Ainda por cima, a editora dele é a Gradiva, que tem reputação de elitista...

      Enfim... Talvez eu não esteja muito bem... A visita do meu filho no outro fim de semana fez-me bem, mas agora a saudade tornou-se mais insuportável.... Talvez esteja pouco tolerante, não sei..

      Boa semana :)

      Eliminar
    5. São, eu conheço o percurso de JRS, pode parecer que não mas gosto de ler e leio de tudo um pouco. Não sou fã e acho que já sabe disso há muito tempo. Este post nada teve a ver com ódio por JRS, não sou pessoa de cultivar ódios, o que se passa é que vou buscar tudo aquilo que de alguma forma me prendeu a atenção, seja pela positiva, seja pela negativa, neste caso do post foi pela negativa. Apenas isso.
      ...
      Nunca comprei nenhum livro de Júlia Pinheiro (nem sequer sabia que escrevia livros). Nunca comprei nenhum livro de Júlio Magalhães. Da Fátima Lopes tenho um que me ofereceu a mãe de um namorado num Natal qualquer, nunca o li, confesso, está estacionado algures na estante, um dia destes pego nele e digo de minha justiça. De Miguel Sousa Tavares penso que tenho três, não sei bem, li todos, mas em relação ao Miguel Sousa Tavares sou suspeita, admito, gosto de o ouvir, não quer dizer que concorde com todas as suas opiniões, que não concordo, mas gosto de o ouvir. De o ler.

      Pergunta a São o porquê de JRS ser campeão de vendas!?! Olhe, não sei, a Margarida Rebelo Pinto também o é e não considero que os livros tenham qualidade. Acho-a uma mulher inteligente, porque realmente é uma mulher inteligente, mas ninguém me apanha a ler o género de livros que escreve, li um e basta. Portanto dá para perceber que não tem a ver com ódios por pessoas, tem a ver com gostos de leitura. Ponto.

      PS: Gostei de saber que teve a visita do seu filhote. Esses são os tais momentos que merecem a pena ser vividos, tudo o resto é paisagem, nem sempre da boa.

      Tenha também uma boa semana :)

      Eliminar
    6. A mim também ninguém me apanha a ler a MRP... Li umas páginas há uns anos atrás de um que uma colega estava a ler e nem consegui avançar.... Mas a MRP vende bem, mas não tanto como o JRS.... O público dela parece-me ser 90% (para não dizer 100) constituído por mulheres que se dizem "femininas e feministas", que acham que a escrita dela as faz sentir soltas... Não sei porquê...

      E ela não vende assim no estrangeiro, ao que sei...

      Esse da Julinha que li, por acaso gostei de ler... Chamava-se Não Sei Nada Sobre o Amor e abordava a forma feminina de encarar o amor ao longo de três gerações :avó, mãe e neta... Reconheci muito da minha avó e das mulheres da idade dela, pelo que as ouvia falar quando era miúda, da minha mãe e das amigas, e de mim e das minhas amigas... A evolução das mentalidades nessa matéria... Gostei de ler... Por acaso, gostei. Da Fátima Lopes li um e não posso dizer que desgostei de todo, mas achei estilo os casos da vida da TVI, ou lá como se chamava aquela série... Quando terminou pensei "Isto também eu escrevia"... Li todos os do Rodrigo Guedes de Carvalho e gostei... Um estilo totalmente diferente do JRS, muito parecido com Lobo Antunes. Acho que teve algum sucesso quando os lançou, mas agora nunca mais escreveu, não sei porquê...

      O Miguel Sousa Tavares irrita-me imenso... Esse acho-o a arrogância em pessoa, sinceramente... Então desde essa dos touros... Li o Equador e até gostei, mas depois li o Rio das Flores e achei que já não acrescentava nada... Comecei o Madrugada Suja (não sei bem se é esse o título) mas mais uma vez, mais do mesmo... Desisti...

      Gosto de ler o José Luís Peixoto, o Valter Hugo Mãe, o Afonso Cruz... E outros... Acho que temos bons autores em Portugal, estilos diferentes, mas acho que temos muitos que vale a pena ler.... Gostos...

      Eu já tinha dado a entender quando disse que tinha passado um fim de semana fantástico... Que mais poderia ter sido? Melhor só mesmo o Euromilhoes... Óbvio que, em si o meu filho é muito mais valioso que o Euromilhoes, mas com o Euromilhoes era logo eu que o ia visitar no meu avião particular :D

      Boa semana :)

      Eliminar
    7. (claro que temos bons autores em Portugal, felizmente que os temos, pena é que sejam de alguma ensombrados por gente que apenas escreve e publica livros para ganhar dinheiro, não são grande coisa como "escritores" (escritores com muitas aspas) é apenas porque o cheiro do dinheiro fala mais alto, é o dinheiro que os move, não que o ganhar dinheiro não seja importante, porque é, mas isto do oportunismo chateia-me e de que maneira; eu nunca disse que tinha um feito fácil... )

      Eliminar
    8. O caso é que bom ou mau, um escritor, ou uma pessoa que escreve, ou lá o que for, só continua a escrever se as pessoas os lerem e os comprarem! E quem somos nós para dizer o que as pessoas devem ler e comprar com o dinheiro delas? Já bastam os livros que somos obrigados a ler na escola e na faculdade... Se as pessoas gostam, não somos nós que vamos dizer "olhe, não leia JRS, leia Saramago!" e as pessoas viram-se para nós e perguntam "Mas quem é você para me dizer o que eu leio ou deixo de ler?" Se os livros são de venda livre (felizmente, o lápis azul já foi) as pessoas são livres de os comprar.... Eu sinceramente, incomoda-me mais a música de Carreiras, Carreirinhas e afins do que os livros, porque um livro a pessoa está com ele na mão e não incomoda.... Já a tal música... A pessoa entra num café, num supermercado, numa loja.... E não está livre dela... Até da casa do vizinho às vezes se ouve e, se for em horário diurno não podemos dizer nada!

      Não percebo é tanta indignação com o feitio do JRS.... É mesmo o feitio dele que é assim, sempre foi... Acho que está ali uma pessoa honesta. Mas sim, tem um feitio um bocado presunçoso.... Mas se vamos por aí, o Saramago era arrogante... O MST é super arrogante (há dias acho que disse para aí que não percebia como é que alguém que nasceu no Porto pode gostar do Benfica... Até eu que não sou benfiquista, achei parvo!) no Lobo Antunes já nem falo porque aquilo é patológico... Com aquela do Fernando Pessoa não poder ser bom escritor porque nunca tinha.... Ele usou o verbo, começado por f... Sim, esse... Não sei se o facto de ser psiquiatra o desculpa ou se, pelo contrário, agrava o caso :D

      De modo que, não me parece que seja assim uma coisa que indigne tanto, estas palavras do JRS.... Primeiro porque Há quem diga muito pior, segundo porque o feitio dele é mesmo aquele... Até pensa que é bonito, já se pode ver... Mas eu gosto dele e acho que está ali uma pessoa honesta :)

      Boa semana :)

      Eliminar
    9. (eu cá agradeço sugestões de livros, música, concertos, não me ofendo rigorosamente nada, o lixo é tanto por aí que uma pessoa às tantas perde-se)

      Eliminar
    10. O pior é que no caso da música temos que andar com tampões nos ouvidos e depois não ouvimos o que precisamos de ouvir.... É como a história do açúcar, sal, gorduras e.... O fumo do tabaco... As primeiras só me prejudicam a mim, já o segundo....

      Acabam de me dizer que o José Cid terá dito que a Cátia Aveiro tem talento musical :O... Posto isto, acho que está tudo perdoado no que respeita a bom e mau.... Ainda não caí em mim... Mas ele estará surdo???

      :D

      Eliminar