quarta-feira, 11 de maio de 2016

Ouvi com estes meus dois ouvidinhos: "que é pouco provável que exista gente sem acesso à net" (falamos de Portugal)

Uma jornalista fez uma pergunta bastante pertinente à pessoa a quem entrevistava, que se calhar essa coisa de informatizar tudo e mais alguma coisa é capaz de trazer algumas dificuldades a algumas pessoas. Pessoas de mais idade que nada percebem de informática, pessoas que não possuem recursos para comprar um computador, nem para conseguir pagar o acesso à net. Ao que a pessoa iluminada responde mais ou menos aquilo que está entre aspas no título.

Depois querem que uma pessoa publique posts fofinhos e não sei mais o quê, que não incomode ninguém com dúvidas e tal, quando somos obrigados a ouvir coisas tão iluminadas quanto esta. Portanto em Portugal, basicamente, toda a gente tem acesso à net. Muito me conta esta gente iluminada, pena é que não lhes funda um fusível. Ou todos, porque eu hoje estou umas mãos largas e quero ver pessoas felizes.

Agora pergunto eu: não está na altura de pessoas com cargos importantérrimos (não me apetece escrever importantíssimos) se inteirarem do país em que vivem antes de abrir a boca? Vá, não custa nada, eu ofereço-me para cicerone... Acabei de constatar depois das reticências que não pode ser, cicerone é aquele que mostra aos de fora o país onde acabaram de chegar. Se uma pessoa nasceu e vive nesse país é suposto não precisar de um.  Não sei, digo eu, que de tão baralhada já nem sei o que digo, cada vez mais chego à conclusão que deveria era escrever sobre nails em ingalês.

33 comentários :

  1. Antes do mais, ser-me-á permitido lavrar um veemente protesto pelo facto dos últimos posts não terem sido 'abertos ao povo'. Principalmente, sim principalmente, aquele que fala da senhora Norton de Matos. Foi pena mas não há nada a fazer. Então ... the complaint book, please.
    Adiante ...

    Internet, ter ou não ter, eis a questão. Pelos vistos (e ouvidos) há gente convencida que a net quando nasceu era para todos. Gente que só pode levar, da minha parte, com um olhar furioso, qual raio de uma trovoada qualquer. Fulminante mesmo.

    Há cerca de um ano, desloquei-me a uma repartição de Finanças. No atendimento respectivo e enquanto aguardava a minha vez, vi e ouvi uma senhora atendedora remeter uma senhora de idade avançada para o site das Finanças. Saltou-me a tampa. Dirigi-me à senhora atendedora patética e perguntei-lhe se tinha consciência do que estava a fazer. Que sim, eram as indicações que tinha. Ao que eu retorqui, em tom irónico ao quadrado, perguntando se estava a falar para um robô. A senhora, com ar de halograma rasca, encolheu os ombros, suspirou e levantou-se. Claro que ficou meia sala contra a senhora por detrás do balcão mas isso agora não interessa nada.
    Há gente assim, Maria, gente que entende que a internet quando nasceu era para todos. A tal gente iluminada que muitos admiram.

    Escrever sobre "nails em ingalês". deve ser uma coisa fantástica :)
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olhe, caro Observador, tocou exactamente na ferida. Uma ferida aberta que também me faz saltar a tampa, o facto de se dizer com uma arrogância tal a pessoas de idade que, por vezes, mal sabem ler e escrever, isso de consultarem o site das finanças e outras instituições que tais. Entretanto quando se diz que as pessoas não sabem fazê-lo, acham que é obrigação da família ajudar. E vai que a família é pobre e não tem computador nem acesso à net? E vai que a família vive noutro país e não consegue ajudar? E vai que as reformas das pessoas não lhes permite contratar alguém para lhes resolver o problema? E... e... e... e por vezes isto merecia gente em determinados cargos que soubessem efectivamente pensar. Este é um país de gente envelhecida que não teve grandes oportunidades de estudar, nem sequer o mínimo, não se pode informatizar o país de lés-a-lés e não existir uma lei qualquer que permita a estas pessoas continuarem a funcionar como sempre funcionaram, com papel. Se é possível? Não sei. Se não é possível, façam com que seja. Ah e tal falar é simples. Até pode ser simples falar, mas com tanta cabecinha pensadoira neste nosso Portugal, tanta gente iluminada, encaminhem a luz para onde ela é necessária.

      ...

      PS: Eu também sou povo, portanto fechei os posts a mim própria :)))
      O post da senhora dótora Norton de Matos sempre esteve aberto, tem comentários e respectivas respostas, ah pois é!

      Beijinho para si também.

      Eliminar
    2. Ó xõra dona Maria, eu refiro-me ao post que tem o 'títalo' assim:
      «(xiiiii, parece que o texto que escrevi sobre a polémica Bárbara Norton de Matos incomodou...)»
      É aconselhável não fechar os posts à 'dótora' de Matos. Mesmo que a 'dótora' se sinta desconfortável ou outra pessoa qualquer pense em cortar as veias por causa do texto em questão.
      Ó valha-me Deus!!!!

      Eliminar
    3. (eu sei, caro Observador, de vez em quando lá vou percebendo algumas coisinhas, tenho que me esforçar muito, bem sei, mas com jeitinho chego lá, apenas quis dar a volta à coisa e meter-me consigo :)))

      Eliminar
  2. Ouvi as notícias aqui e deparei-me com essa e fiquei completamente indignada, porque há quem conduza e não tem - PORQUE NÃO PODE TER - internet.

    "que é pouco provável que exista gente sem acesso à net" e eu sem papas na língua digo e pergunto : Ó Vice-presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária - PEDRO MOUTINHO não sabe a realidade do país que habita ou isto será mais uma caça à multa?

    Dentro de momentos receberá um belo do email que já se encontra na forja...mi aguarde!!!!!!!

    Possas Maria estou farta de "gentinha" e este "inha é carregado de tudo que possas imaginar! Fogooooooo!!!!

    Desculpa mas vou continuar o que comecei:)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fatyly, há quem não tenha net porque não pode ter, o dinheiro não dá para isso. E há quem não tenha porque nem sequer sabe ler nem escrever, quanto mais usar um computador. Isto é tão ridículo que uma pessoa não podendo chorar, só lhe dá para rir. Este não é um país rico, a abarrotar de gente letrada, é a realidade. Quer-me cá parecer que não são as pessoas que vivem acima das suas possibilidades, é toda uma pessoa e sua comitiva que quer viver num país rico, sofisticado, e ainda não percebeu que estamos a anos luz de tal acontecer. Têm que pensar nos mais novos e vai daí a aposta nas novas tecnologias. Completamente de acordo, o mais possível de acordo, sou a favor das novas tecnologias, mas não esqueçam os mais velhos. Não exijam aos mais velhos o que eles não conseguem dar. Apenas isso.

      Tenha uma boa tarde, Fatyly.

      Eliminar
  3. Tal e qual Maria e é isso que me indigna. Não sou contra as novas tecnologias mas digo-te do alto dos meus 65 anos que de repente vi o filme do passado: quem não tinha um curso de dactilografia perdia todas as oportunidades. A sério Maria quando oiço isto fico fora de mim, porque irão também ser velhos e terão muito pouca gente nova que os ajude. É assustador?

    Não tem conta o número de pessoas incluindo vizinhos que ajudei com a declaração do IRS, sobre eventuais coimas, sobre isto e aquilo. Tudo a custo ZERO e há quem cobre 25€ para te dizerem...nada, porque ainda por cima a maior parte dessa enorme franja envelhecida, ainda persiste numa subserviência perante quem sabe mais que os atende de uma forma arrogante e o caso que Observador relata é o pão nosso de cada dia.

    Claro que há excepções daí por vezes. e sem senhas, a fila deles ser a maior de todas.

    Para personagens como essa, claro que o país é rico recebem o que recebem sem medirem as palavras em detrimento de outros que estão no fundo de desemprego porque sim.

    Que pachorra meu Deus e nunca deixarei de actuar perante algo que me fere os neurónios!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito haveria a dizer sobre subserviência e de quem se aproveita dessa mesma subserviência. Até que apetecia pegar no tema mas acho melhor deixá-lo para um pouco mas tarde.

      Eliminar
    2. Xiiiii, a senhora 'TIR' revelou a idade! E menciona-me no seu texto!
      Só surpresas é o que é :)))

      Eliminar
    3. A senhora que encara a vida tal camião TIR, já tinha revelado a idade há "canos" :))

      Eliminar
    4. Ó seu Observê nunca escondi a idade e já mencionei-te "buééé" de vezes, certo?

      Vou dormir:)))))

      Eliminar
    5. Li, pensei e ... fuiiiiii :)))))

      Eliminar
  4. Também ouvi essa e fiquei de boca aberta a olhar para a TV. Primeiro, porque me lembrei logo da grande fatia de idosos com reformas que mal dão para comer quanto mais para a Internet. Depois ainda que o dinheiro chegasse, grande parte desses reformados mal sabem ler quanto mais andar na Internet. Depois pensei, espera ele está a falar das cartas portanto está a assumir que quem tem carro, também tem Internet. Mesmo assim está mal. Porque ao preço a que estão os combustíveis, e com os impostos, se calhar o dinheiro não chega à maioria para a a Internet. Mas isto agora é assim informatiza-se tudo. Se um dia há um apagão eléctrico, o país para.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Elvira, eles presumem muito e por vezes presumem muito mal. Ou então até estão cientes da realidade deste país mas convém assobiar para o lado. Se este é um país com muita gente de idade, é normal que essa mesma gente de idade não perceba nada de informática. A maior parte nunca abriu um livro porque nem sequer sabe ler, e mandam as pessoas consultar... sites. Sites (???) Falam em inglês e tudo. Sites e informática, está mesmo mesmo adequado às nossas pessoas de idade. Não estou a generalizar, obviamente.

      Abraço para si também.

      Eliminar
  5. Portugal é o País do trabalhar com o mínimo esforço, porque trabalhar parte as unhas de gel e faz calos. Portugal, Portugal que mais pareces um bananal de dildos sem pardal.


    :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. (ó meu Deus que a Alexandra chegou, abriguem-se, rápido :DDD)

      Eliminar
    2. Em poucas palavras consegui dizer tudo ahahah!

      Eliminar
  6. Maria, um óptimo post. São incontáveis as vezes em que me deparo nos vários serviços ligados ao Estado com situações similares. Como é possível empurrar literalmente as pessoas para os sites? Será arrogância? Talvez não será. Antes passará por ignorar que as pessoas são diferentes e que nem toda a gente pode pagar uma ligação à internet, algo que poderá ser considerado um pequeno luxo, fazendo as contas ao que custa pagar um vulgar serviço de tv-net-voz por ano. Pensando no caso da Vodafone, a 25 Euros/mês x 12 meses... é como dizia um antigo Primeiro Ministro... é fazer as contas! Certamente que o valor poderá chocar algumas pessoas distraídas como as que julgam que todos em Portugal têm acesso à net!

    Beijinhos, Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carpe, provoca-me alguma urticária esta insensibilidade para com os mais velhos. Chateia-me mesmo, admito. Já não basta a linguagem pouco acessível que alguns utilizam, deixando muitas pessoas de mais idade sem perceber patavina, ainda vão mais longe e falam de sites e consultar sites e o raio (peço desculpa do raio). Isto em Portugal são só reformas milionárias, mas é.

      Beijinho para esse lado e obrigada pela simpatia.

      Eliminar
  7. Que queridos, os responsáveis do meu País! Maria, eles não só desconhecem a questão que refere, idosos que nem sequer sabem da existência de uma coisa chamada Internet, como não sabem que há zonas em que a dita não chega.
    Não, é demais! Chega de desrespeito, chega de estar sentadinho/a no gabinete e desconhecer, mas por completo, a realidade do País em que vive/governa...
    Espera..., ou desgoverna?!
    Maria, quer ter a amabilidade de concluir?!:(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem toda a razão, GL, existem zonas do nosso país em que nem sequer conseguem sinal para ter acesso à net, nem sequer conseguem receber e fazer chamadas. Entretanto queixam-se que os mais jovens queiram fugir para as grandes cidades deixando ao abandono algumas tradições que até mereciam que se desse continuação.

      Já concluiu à sua maneira. Parece-me bem :)

      Eliminar
  8. Olá, Maria, eu tenho uma opinião, de modo geral discordante da sua e da de todas as pessoas que comentaram até aqui, mas para a explicar tenho que ter um bocadinho mais de tempo e faltam 10 minutos para entrar.... Quando chegar a casa vou tentar expressar a minha opinião, espero que não leve a mal por ser contrária. Já tentei agora na hora do almoço, mas ficou mais confuso ainda do que o meu discurso habitual e não enviei. Tem que se ter cuidado para não ser olhado de lado quando se vai contra a maioria

    Até já. Um abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá São,

      Mas onde é que a São foi buscar a ideia de que levo a mal? Não me parece que alguma vez tenha insultado alguém por discordar de mim, posso argumentar e continuar a defender aquilo em que acredito, mas insultar, não, não sou de todo assim. As pessoas são livres de dizer/escrever o que pensam e os outros são livres de concordar ou não. Simples assim.

      Não tem que ter cuidado algum, desde que defenda bem aquilo em que acredita, não me parece que a malta se una toda e vá à sua casa dar-lhe com paus e vassouras só porque pensa de modo diferente :)))

      Eliminar
    2. Maria, mas onde vê escrita a palavra insulto? Eu também não disse que insultava, mas já houve uma vez em que pareceu ofendida com a minha opinião (teve a ver com a avaliação dos professores) e também já fui aqui claramente insultada, não pela Maria, mas por outro Blogger e... Bem, não disse nada a respeito da atitude da Maria na altura, porque não vou dizer agora.... A Maria agiu como achou que devia agir, portanto, está tudo bem :)

      Vamos ao que interessa para o tema do post.... Tenho que ter cuidado com o que digo principal para não escrever demais e me perder porque há aqui várias questões a ter em conta e não gostava de me precipitar. Não sei quem foi a pessoa entrevistada e, apesar de isso ser pouco ou nada importante, até porque defendo que somos tanto mais isentos quanto menos conhecemos a pessoa, por muito que digamos que somos completamente isentos, seria bom saber em que contexto e sobre que situação se falava quando essas palavras (ou equivalentes) foram proferidas. Porque estou a ver aqui as pessoas a crucificar a entrevistada em praça pública como se ela tivesse dito uma grande, mas mesmo grande mentira, quando, a meu ver, não disse. Não, na minha opinião não disse.

      Provavelmente, há pessoas que não têm dinheiro para pagar a net ou para comprar um computador. Mas acredito que essas pessoas que não têm rendimentos que lhes permitam pagar net e comprar computador também não precisarão assim tanto dela, ao ponto de serem obrigados a pagar isso tudo.

      Tendo em conta a época do ano, "cheira-me" que o assunto pudesse ser as declarações do IRS.... Pode não ter sido, mas pondo a hipótese de ter sido, vamos lá ver: Primeiro : quem tem baixos rendimentos também está isento de fazer o IRS. Essa é logo a primeira. Segundo : mas pronto, pode querer fazer, por achar melhor, ou até pode ter rendimentos mas ser alérgico a tudo o que tem a ver com informática e não quer ter computador nem pagar Internet. Bom, praticamente todas as cidades e vilas tem algum sitio onde a Internet é gratuita, mesmo que a pessoa não tenha tablet nem smartphone (porque se tiver, então, a maior parte dos cafés tem wi-fi) ... Mas praticamente todas as cidades tem locais com computadores e acesso à net... Juntas de freguesia, bibliotecas, associações... Há sempre... Tudo bem que nem toda a gente vive em cidades e vilas (e há aldeias maiores que também têm.... Se for sede de freguesia, na junta há quase sempre)... Pode morar num sitio isolado no campo.... Mas nesse caso, se tivesse que entregar a declaração em papel também teria que se deslocar.... As repartições de finanças não costumam ser nos confins da serra... Terceiro : pode ser analfabeto. Pode, sim senhor... Mas nesse caso também teria que pedir a alguém que lhe preenchesse a declaração em papel. Aliás, nem é preciso ser analfabeto. Há pessoas que não sabem preencher. Pediram sempre. Assim, pedem a quem lhes faça pela net. Onde está o drama?

      (continua)

      Eliminar
    3. Se é uma pessoa que precisa da net diariamente para trabalhar, então o mais provável é que tenha rendimentos para comprar um computador. É caro? Pois, como dizia a minha mãe, baratas são bichos negros.... Um computador é caro, um frigorífico é caro, uma máquina de lavar é cara, um fogão é caro, uma televisão é cara.... Pagar a Internet é caro? A luz também, a água também, o gás também, o telefone e telemóvel também.... Se a pessoa acha que não é fundamental, então não tenha esse serviço... Mas depois não se queixe que informatizam tudo. Essas pessoas que reclamam muito provavelmente precisam da net uma ou duas vezes por ano... Nesse caso, repito: há espaços gratuitos para aceder à Internet. Tem que se deslocar? Provavelmente teria na mesma...

      A questão do sinal poderá ser aquela mais pertinente... Mas.... Não quero jurar porque não tenho a certeza (hei-de perguntar a um dos meus formadores, que esteve sempre ligado à PT, desde a antiga TLP, o senhor tem 60 anos e trabalhou sempre para a empresa e percebe disso tudo), mas eu acho que a todo o sítio onde chegue linha telefónica fixa (que é praticamente o país todo) chega Internet por ADSL... A fibra e a banda larga é que não chegam a todo o lado, mas ADSL, através de linha telefónica, penso que sim... Até por uma resposta que já me deram uma vez, em tom de quem passa um atestado de estupidez...

      Ainda tenho mais a dizer, mas tenho que sair agora :) . Até já :)

      Eliminar
    4. Quanto aos pobres dos velhotes que não sabem ler quanto mais "andar na net"... Bem, se for uma questão pontual como a entrega do IRS, já disse que, se é analfabeto precisaria sempre de ajuda, do filho, do neto, do vizinho.... Se precisa da net com mais frequência, então se calhar não é assim tão analfabeto como tudo isso...

      Há pouco tempo, um dos meus formadores disse isto, baseando-se num ditado popular "Dizem que burro velho não aprende línguas. E é verdade. Mas não é por ser velho. É POR SER BURRO!"

      Uma outra formadora contou o caso do seu pai: há cerca de 10 anos, quando ela ainda era solteira e vivia com os pais, aconteceu uma coisa engraçada. O pai tinha, na altura, 65 anos e houve um dia em que o pai a estava a irritar profundamente (ela é da Área de Ambiente, Higiene e segurança no trabalho, portanto está a ver) Não bastava o barulho que o pai estava a fazer na sua velha máquina de escrever TAC-TAC-TAC, senão o facto de, de 5 em 5 minutos, soltar um palavrão ou uma blasfémia e arrancar a folha, amarrotá-la e lançá-la para o lixo, amaldiçoando a vida.... Então, para aí já à sexta ou sétima folha a ir para o cesto, a filha, com paciência, disse ao pai para se sentar ao pé dela, em frente ao computador "Olhe, pai, isto é o Word....".... Lá foi explicando as bases, com paciência... Pois, ao fim da tarde o pai já estava maravilhado "Mas isto é uma maravilha! A pessoa engana-se, emenda... Só imprime quando está tudo bem... Isto é fantástico!"... 10 anos depois, aos 75 anos, o senhor já não passa sem o seu computador e já nem se lembra que algum dia teve máquina de escrever.

      As pessoas também têm muita tendência ao medo do desconhecido. Há pouco tempo, quando se ouviu dizer que as receitas médicas iam passar a seguir pela net, fartei-me de ouvir barbaridades, sempre no mesmo estilo "Ai, coitados dos velhotes e tal"... Mas em que é que este novo sistema veio prejudicar o utente?? Se a pessoa leva um papel na mão na mesma e vai à farmácia? Ou melhor, pode ir às farmácias! Pode comprar cada medicamento na farmácia onde lhe der mais jeito, ou onde houver.... Ou sejs, este sistema só veio facilitar a vida ao utente, não o contrário.... Mas nem imagina o que eu ouvi... Só barbaridades...

      Estou ou neste momento a fazer um curso de formação profissional. Acabei um, nos mesmos moldes, há 10 anos atrás. O outro era de Técnico Administrativo e este é de Técnico de Logística. Em 10 anos, reparei que isto deu um salto enorme! No outro curso, os formandores forneciam todo o material em papel. Hoje, é pouco o material que é entregue em papel. Só um resumo da matéria. 80% do material fornecido vai todo em PDF para o email da turma... A pessoa tem acesso a muito mais material. Se quiser em papel, que imprima....

      Sou a única da turma que não tem computador (somos 20... A mais nova com 23 e o mais velho com 58)... Vou-me desenrascando com o tablet e o telemóvel, para estudar, para ler os documentos... Preferia ter um computador.... Mas se não tenho não é porque sou uma desgraçadinha... É porque sou burra!!! Aliás, a Maria já me disse isso, preto no branco, não por essas palavras, mas fez-se entender e eu concordo. Chegava ao dia difícil de ser forçada a abandonar o lar? Pegava nele debaixo do braço e "Olhe, Sr. Guarda, isto não faz parte dos bens do casal! Estão aqui documentos meus, coisas pessoais e portanto, o computador vai comigo!"

      Não o fiz porque fui burra!

      Bom fim de semana :)

      Eliminar
    5. Obrigada, São, pela sua opinião. É sempre positivo ler opiniões diferentes das nossas e saber manter o nível.
      ...
      No entanto deixe-me apenas dizer que nunca a chamei de burra, tão pouco dei a entender (é só procurar as minhas respostas aos seus comentários e verá exactamente o oposto) quem sou eu para chamar alguém de burro?! no mínimo chamarei a mim própria sem qualquer problema. E que nunca deixei que ninguém insultasse ninguém neste meu blog, tentei sempre gerir a situação de forma a que as pessoas defendessem a sua opinião sem chamar nomes a ninguém. Penso que é o que tem vindo a acontecer até aqui, quando vejo que a situação pode descambar entre dois comentadores, intervenho de imediato. Também não quero deixar de salientar que não tenho muita queda, nem paciência, para bate-boca, a São já deveria ter percebido isso, gosto de interagir com quem está desse lado, gosto que as pessoas se assim o pretenderem também interajam umas com as outras, mas coisas na onda de chinelo no pé e mão na anca não permito. Nunca o permitirei, não foi assim que fui educada, somos todos gente adulta e gente adulta sabe discutir, defender os seus pontos de vista, de forma civilizada.

      Continuo a achar que a São complica demasiado as situações, aqui ninguém crucificou ninguém, basta perceber que nem sequer referi o nome do entrevistado, nem da jornalista, isto diz tudo, por vezes temos que saber ler nas entrelinhas. Referi uma situação que é uma realidade no nosso país. Alguém que pretende deitar areia para os olhos das pessoas e uma jornalista que fez uma pergunta bastante pertinente. A partir daqui está aberto o debate saudável.

      Tenha também um bom fim-de-semana.

      Eliminar
    6. Olá, mais uma vez, Maria. Peço desculpa por voltar a este post só agora , mas durante a semana fica um bocado complicado andar muito pela net em modo de lazer, e no fim de semana passado (que foi prolongado porque a segunda-feira coibcidiu com o feriado municipal) tive uma surpresa maravilhosa, vivi os dois dias mais lindos que se possa imaginar, dois dias que infelizmente acabaram depressa.... Como tudo o que é bom...

      A Maria não me chamou burra, mas devia de ter chamado. Disse que eu teria feito bem se tivesse trazido o meu computador, e disse-o com razão. Há coisas que nos fazem falta e se a pessoa casou com comunhão de adquiridos tem os seus direitos legais. Devia pensar melhor antes de abdicar deles.

      Mas não sou perfeita. Aliás, se fosse perfeita não tinha ido buscar agora esse post de há meses atrás em que me senti insultada... Não sendo católica, há uma coisa com que concordo a 100% e acho muito sensata nos casamentos católicos tradicionais, que é o "diga agora, ou se cale para sempre". Acho que as coisas ou se dizem na altura certa, ou então, depois, também já não vale a pena, nem é de bom tom ir falar delas. Na altura, senti-me insultada, sim. E gostei da atitude da Maria ao princípio, mas depois teve uma segunda atitude que.... Eu teria agido de forma diferente. Mas pronto, eu na altura não disse nada, portanto agora também já não fica bem. Não tenho nada a dizer em minha defesa em relação a ter ido buscar esse assunto. Errei. Foi um erro. O ser humano erra às vezes.

      No que respeita ao tópico em si.... Pois... Tenho pena que a Maria não tenha respondido nada em relação a ele, tendo em conta que tem uma opinião tão formada.

      Eu acho que este devia ser um dos casos em que a Maria (ou qualquer outra pessoa que falasse do assunto) devia ter revelado os nomes de entrevistador e entrevistado.... Ou melhor, devia não... Quem sou eu para dizer o que as pessoas devem fazer? Eu teria feito de outra forma. Ao que percebi foi uma entrevista pública. Aliás, muita gente viu, portanto não sei porque não referir, não especificar. Porque nestes casos, as coisas devem ser analisadas caso a caso... Não sei em que contexto a pessoa o disse e seria importante saber para ter uma ideia mais exacta do assunto. Se também acho que hoje em dia raras pessoas não têm acesso à Internet? Acho. E acho que as novas tecnologias vieram facilitar e não dificultar. Óbvio que haverá pessoas que não têm acesso. Como há pessoas que não têm ainda electricidade. Mas são uma minoria....

      E também sei que as pessoas reclamam muito ao princípio, mas.... Primeiro estranha-se....

      Acho que é do conhecimento geral que nós portugueses, fomos os que melhor se adaptaram ao Euro... É verdade que tínhamos uma conta assim para o redondinho, que era o 200.... Mas os dados também revelam que quando, mais ou menos pela mesma altura, houve as mudanças nos indicativos telefónicos (pelos vistos também na Europa toda) também foram os portugueses que tiveram mais facilidade.... É pena termos esta tendência para o derrotismo e para acharmos que tudo o que é novo é uma desgraça.... Somos todos uns taxistas em potência (ou os taxistas é que são o típico português).... Em vez de tentarmos adaptarmo-nos ao progresso, queremos é que o mundo pare e espere por nós :)

      Mas eu ainda estou muito feliz com a recordação da semana passada e não me quero aborrecer :)

      Abraço :)

      Eliminar
    7. São, os momentos felizes são sempre bem-vindos, são eles por vezes que nos dão ânimo para continuar. Quanto ao resto... o resto já está arrumado.

      Abraço para si também.

      Eliminar
  9. Phonix!
    Maria, o fenómeno que emerge do texto não é exclusivo dos governantes, embora estes, pela suposta selectividade com que foram escolhidos, tenham outra responsabilidade. Está (quase) toda a gente a ficar sem memória, apenas obedecendo a estímulos directos, coisa que me assusta bastante. Que raio de mundo estamos/estão a criar?
    (Hoje pareço enredado em teorias da conspiração. É só aparência. :) )

    Tenha um bom fim-de-semana )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lá está, AC, os governantes têm outra responsabilidade, por isso foram escolhidos, ora se têm essa responsabilidade convém que não digam disparates destes. Só alguém que esteja com a cabeça metida na areia é que diz uma coisa destas. Aquilo que foi dito não vai ao encontro da realidade que existe neste país. Muita, demasiada, gente de idade, não sabe realmente funcionar com as novas tecnologias, não tem dinheiro para comprar um computador, não tem dinheiro para pagar acesso à net. Não me querendo repetir, mas já me repetindo, muitos mal sabem ler e escrever. É o Portugal que temos no momento e há que saber lidar com ele.

      (também eu me assusto com muita coisa que vejo e oiço)
      ...

      Bom fim-de-semana, AC :)

      PS: Phonix com ph? Isso é muito chique :))))

      Eliminar
  10. Valha-nos Deus, que tristeza!
    E mais não digo, Maria.

    Tenha um bom Domingo.
    Beijinho.

    ResponderEliminar