segunda-feira, 9 de maio de 2016

Na senda dos dois pesos e duas medidas, do branquear situações, dos privilégios, ou seja, vou falar da polémica Bárbara Norton de Matos

A intenção deste post não é, e repito, não é, incendiar. Já aqui escrevi que gosto mais de apaziguar do que de incendiar. Sei que nos tempos que correm as pessoas são incentivadas a incendiar, a deitar achas para a fogueira, a inventar se for preciso... pelo que sei rende audiências em canais de televisão, likes em "facekoisos" e visualizações em blogs. Pois é, mas eu tenho esta mania irritante de gostar de pensar por mim sem me deixar influenciar pelos outros e vai daí digo o que penso, escrevo de acordo com aquilo que me vai na alma, de acordo com aquilo que me parece ser justo. 

Para começar vou colocar aqui o link do JN com a tal polémica:
"a atriz de 36 anos que está grávida voltou a criticar naquela rede social a atitude do agente da Polícia Municipal de Cascais, que a autuou por ter o carro estacionado em zona não autorizada para o efeito. "Depois das proporções a que esta situação chegou, sinto-me obrigada a ter que tocar no assunto uma última vez", começou por escrever Bárbara Norton de Matos, acrescentando que o que o Presidente da Câmara Municipal de Cascais disse "não corresponde à verdade" e que está "mais do que disponível para contar" a sua "versão dos factos". "O agente em questão foi abordado por mim, com educação, não para deixar de pagar a multa mas sim com uma pergunta simples: "Diga-me onde posso estacionar o carro sem ser aqui para deixar a minha filha na escola?", à qual não obtive resposta. Recebi indiferença e ainda um sorriso de gozo. Voltei a perguntar uma segunda vez, mas a atitude manteve-se", continuou, contrariando as declarações de Carlos Carreiras, que havia referido que o agente "optou por não reagir aos insultos continuando a desempenhar a sua missão de forma serena e educada".

Resolvi destacar neste pequeno resumo do link do JN duas partes a azul que dizem tudo. Dizem que, falando curto e grosso, recorrendo a uma frase feita "ou há moralidade ou comem todos" se aplica e bem a este caso. Se todas as mulheres grávidas em Portugal, grávidas exactamente com o mesmo tempo de gestação da Bárbara Norton de Matos estacionassem em zonas não autorizadas, tudo isto ainda seria um maior caos. Que isto dos privilégios só porque se é figura pública e se está grávida, não pode acontecer. Que isto dos dois pesos e duas medidas, não pode acontecer. Que isto de gente amiga de Bárbara Norton de Matos a tentar branquear a situação, não pode ser. Que os portugueses e principalmente as mulheres grávidas que existem no nosso país e não são figuras públicas, que estacionam os seus carros sem ser em zonas não autorizadas, merecem mais respeito. 

Aquela pergunta que Bárbara Norton de Matos fez ao agente não pode ser verdade. Esta: "Diga-me onde posso estacionar o carro sem ser aqui para deixar a minha filha na escola?".  Portanto o que era exigido ao agente é que fosse simpático e entretanto aquela coisa de abrir um precedente acontecesse. É isso?! E isso por acaso não é perigoso nem nada? Pergunto eu que não percebo nada disto e só ando cá por ver andar os outros...

Não me apetece falar da parte em que se tiram fotografias e se publicam no "facekoiso", porque isto do síndrome do pequeno poder está a atingir proporções verdadeiramente assustadoras. Este parece-me ser um assunto que deveria ser tratado com toda a seriedade possível. 
...
(agora vou ali beber um litro e meio de água porque diz que aquilo hidrata a pele e não sei mais o quê, acho que até acalma os nervos a uma pessoa)

8 comentários :

  1. Dona Bárbara é figura púdica, perdão, pública e acha que tem direitos acrescidos por esse facto e por estar grávida.
    Carlos Carreiras é, dizem, o presidente da Câmara Municipal de cascais, um desbocado que calado seria considerado um poeta.
    Não acredito nem num nem noutro, pelo que me resta o agente da polícia municipal, figura não pública - porquê? - que terá usado dos seus poderes e, com o 'livro das leis' na mão, terá actuado em conformidade.
    O que terá dito Carlos Carreiras? O que terá feito Bárbara Norton de Matos? O que terá observado o polícia municipal?
    Aqui, deste lado, sentadinho e tudo, reitero a minha desconfiança em relação à figura púbica, perdão, pública - ai é? - e ao presidente Carreiras, habituado a falar pelos cotovelos e a não dizer grande coisa.

    Maria falou em 'Facecoiso'. Não me diga que nessa espelunca à beira Mark Zuckerberg plantado, surgiu algo muito importante? Não, não acredito nem quero 'acarditar' - linguagem Jorge Jesus - que coisas dessas poisam na rede social mais badalada do mundo e arredores.
    Pronto, já disse o que tinha a dizer. Espero não ser desmentido pelo senhor Carreiras, nem ser abordado pela dona Bárbara a perguntar onde pode estacionar a barriga, perdão, o carro. Muito menos pelo polícia municipal que nunca se sabe do que é capaz.

    Isto sim, estimada Maria, é assunto para abertura dos dez noticiários mais vistos/ouvidos do país.
    A TVI e o Correio da Manhã terão conseguido sobreviver sem este fantástico acontecimento?

    Dito (tudo) isto, está na altura de ir espremer alguns limões e beber o sumo com maior efeito sedativo de sempre.

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Observador, não está aqui em questão quem mentiu e quem não mentiu, está aqui em questão o facto de alguém ter estacionado numa zona não autorizada. Ponto. Com certeza que quase toda a gente já o fez, agora o que a mim me deixa perplexa é o facto de alguém o fazer, neste caso Bárbara Norton de Matos, que dizem ser figura pública, e entretanto acabar por fazer todo este escarcéu. Fosse comigo e sabendo que quem estava errada era eu, nem sequer abria a boca, pagava a multa e sai dali para fora o mais rapidamente possível. Aquela pergunta que a actriz fez ao agente, é no mínimo surrealista, talvez a cheirar um pouco a provocação, fosse eu o agente e perguntaria se queria que eu a levasse pela mão a um lugar de estacionamento. Entretanto tirar uma foto ao agente e publicar no "facekoiso" é de uma falta de noção absurda. Obviamente que muitos agentes não serão as criaturas mais polidas, mais bem formadas que conhecemos, mas neste caso a pessoa que estava errada era a actriz. Estacionou num lugar proibido. Se realmente estava com o pai e precisava de uma garrafita de água, o pai comprava a garrafita de água enquanto a actriz esperava no carro e duvido que isto tivesse acontecido.

      O problema aqui é que existem muitas mulheres grávidas neste país e se lhes desse para, a partir de agora, estacionar onde bem lhes apetecesse, isto era um caos. Não pode existir aquela coisa de dois pesos e duas medidas. E olhe que eu até simpatizo com Bárbara Norton de Matos, só que tenho esta tendência para separar águas. Não esteve bem. De todo.

      (não comento a parte de ministros, presidentes de câmaras municipais... responderem a polémicas do género em "facekoisos", acho que descredibiliza e de que maneira, mas isto é só a minha opinião)

      Beijinho para si também e uma boa semana.

      Eliminar
    2. Fui mal interpretado, estou em estado de choque!
      Bárbara Norton de Matos para a masmorra, já. Carlos Carreiras a presidente de qualquer coisa além da Câmara, também já. E dê-se, ao polícia, um lugar ao sol. De preferência, numa daquelas esplanadas que fecham à meia noite.
      Saio resignado. Má sorte ter nascido assim. Quando for crescido, prometo mudar.
      Fuiiii

      Eliminar
  2. Isto é uma não noticia, que virou notícia de primeira página. Gente que estaciona em lugares proibidos, é o que não falta neste país. O que me parece que faltam é polícias que cheguem para multar todos.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Elvira, é uma não notícia tendo em conta que algumas figuras públicas apenas pretendem protagonismo, serem faladas, não sei se foi o caso... no entanto acaba por adquirir o estatuto de notícia na parte em que existe um desrespeito absurdo com isto de se estacionar em qualquer lugar. E ainda por cima se achar que é um direito que nos assiste. Eu já morei numa rua em que para sair de manhã as pessoas quase que tinham que passar por cima dos carros que eram estacionados basicamente encostados à porta de casa das pessoas não lhes dando espaço para sair. É a mais pura das verdades.

      Tenha também uma boa semana.

      Eliminar
  3. Já reparou, Maria, que, por norma, não comento este género de posts. Por várias razões: tenho dificuldade em discernir o que é uma figura pública, não confio em depoimentos exacerbados, a maior parte das pessoas merece-me a maior reserva, não tenho qualquer forma, nem interesse, em confirmar alegações...
    A vida é uma senhora complexa, feita de sorrisos e choros, e estou numa de entendê-la cada vez mais. Creio que só assim chegarei à almejada harmonia. O presidente da Câmara de Cascais, Bárbara Norton de Matos e o guarda, por mais simpático que seja, são meros peões de um espectáculo que alguns adoram cultivar. Eu, confesso, acho que o melhor é passar ao lado.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  4. Ah, ao ler um post acima sobre culinária (mas com várias vertentes, eu sei) adoraria que outros, do género, estivessem abertos a comentários. É que também eu adoro combinar sabores e odores na cozinha. :)

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei que o AC não comenta este género de posts, vou acabando por conhecer aos poucos e poucos as pessoas que vão comentando por aqui. Apercebi-me desse facto há já algum tempo.

      Quando dizem que Bárbara Norton de Matos é uma figura pública, eu cá acho que se perguntar a uma grande parte das pessoas não sabem quem é. O mundo cor-de-rosa sabe, mas o pacato cidadão, não. Eu que não sou do mundo cor-de-rosa também tenho dificuldade em saber a quem se referem na maioria das vezes. Fico sempre a pairar :)))

      Tenho para mim que quem mais cultivou para depois colher foi a própria. Resta saber quem é a própria. Temos que nos esforçar imenso para lá chegar.

      AC, por muito que queira não consigo passar ao lado de determinadas coisas, gente que estaciona onde bem quer e entende e entretanto acha que os outros é que são culpados do dia lhes correr menos bem, tiram-me do sério. Fosse a minha melhor amiga, fosse a Bárbara Norton de Matos e a minha reacção seria exactamente a mesma.

      Beijinho para si também :)

      PS: Peço desculpa por ter fechado a caixa de comentários no post sobre culinária, um dia destes atiro-me de cabeça no tema sem me perder, pelo menos vou esforçar-me por não me perder. Fica prometido :)

      Eliminar