segunda-feira, 23 de maio de 2016

Hoje vou voltar-me para os Açores e para as faixas etárias que se pretendem para clientes de alguns hotéis

Isto de promover um hotel é coisa para me deixar a pensar. Foi o caso quando ouvi a pessoa - não me recordo do nome - que tentava (não sei bem se conseguiu) promover o novo Azor Hotel na ilha de São Miguel que, penso, irá abrir já no próximo mês de Junho. Até aqui nada de anormal. Isto de pensar que muita gente terá trabalho e assim conseguirá ter melhor qualidade de vida é coisinha para me deixar muito feliz. Sim, fosse eu governo e aquilo com que me preocuparia mais era com isto de pessoas sem trabalho, pessoas que não conseguem pagar uma casa para viver, que não conseguem fazer as suas compras no supermercado que bem entenderem, que não conseguem comprar roupa, brinquedos, livros, para os seus filhos, resumindo, que não conseguem viver e são obrigadas diariamente a ver outros fazer a sua vida, quando elas não podem. Isto preocupa-me e de que maneira. E gostava que o governo desse corda aos sapatinhos, se mexesse, no sentido de acabar com isto do desemprego de vez. Seja em que faixa etária for. Terminado este meu desabafo, vou pegar ali no fio das faixas etárias e desenvolver em duas linhas o que me trouxe até aqui. 

Lá na promoção do Azor Hotel o tal senhor a dada altura diz que os clientes que são esperados naquele hotel situam-se na faixa etária que vai dos 28 anos aos 40 anos, logo de seguida disse assim como que a tentar limpar algo que, obviamente, as pessoas de todas as idades são bem-vindas. Eu que, por vezes, assumo, tenho um feitio um pouco mais áspero (passa-me depressa, também é verdade) pensei de imediato que comigo aquele senhor já era, tivesse eu 60 anos, que não tenho, tivesse eu muito dinheiro, que não tenho, continuaria a escolher os Açores, com certeza que sim, mas provavelmente escolheria um hotel que não colasse essa coisa das faixas etárias como algo muito a ter em conta. No trabalho querem pessoas até aos 35 anos, nos hotéis dizem que os clientes esperados têm entre os 28-40 anos, que tal fazer um forno em modo gigante para se livrarem de gente com mais de 40 anos. Os velhos, portanto. 

Maria avisa toda a gente na faixa etária dos 20 anos: livrai-vos de fazer anos, de somar anos, isso não é nada cool, envelhece que se farta.

11 comentários :

  1. http://www.turisver.com/casino-chega-ponta-delgada-abertura-do-hotel-azor/
    Sabe aonde a leva este link, Maria? Não, não vou dizer, vá pelos seus dedos.

    Agora ... bora lá: o nome do 'jovem' que disse isso é Filipe Pacheco. Dez chicotadas é o castigo mínimo.
    A ideia de criar faixas etárias é ridícula mas menos do que tentar desdizer o que disse sem dizer coisa nenhuma (que confusão!)
    Captei uma frase que tenta dizer tudo sobre a obra:
    "Um hotel moderno, cosmopolita e vibrante com forte ligação ao mar e à natureza. O ponto de partida para descoberta dos Açores. O hotel abre em Junho de 2016 segundo o conceito de design DHM".
    'Inté' me vieram as lágrimas aos olhos. O marketing tem poder. O conceito DHM ... não conheço mas deve ser coisa em grande. A ligação ao mar e à natureza deve ter constituído uma árdua tarefa. Pois todos sabemos que S. Miguel é uma ilha e, como tal, não está rodeada de água por todos os lados e de natureza, só importando.

    Se não sabe, Maria, fica a saber: o Azor Hotel não é para velhos, inspirado no filme dos irmãos Ethan e Joel Coen. É só trocar umas palavras e já está.

    Pronto, saio sem mais nada dizer. Isto é demais para uma 2ª feira.
    Beijinho e boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também não é preciso fustigar o senhor porque, pelo que me lembro, já tem mais de 40 anos e é muito, muito velhinho (ahahahah). Era bom que o feitiço se voltasse contra o feiticeiro e os cliente começassem a exigir gente a promover hotéis na faixa etária dos 28-40 anos. Amor com amor se paga e vai-se andando e coiso e tal... já foste.

      Eu que não percebo nada disso de promover hotéis, mas a ter esse género de trabalho escolheria muito bem as palavras só naquela de não me espalhar ao comprido. Existem distracções que são a morte do artista. Também acho que são os clientes a partir de uma certa idade que mais podem usufruir da vida, logo, têm mais dinheiro disponível para viajar, para hotéis com alguma qualidade, portanto é um verdadeiro tiro no pé isto das faixas etárias, pode cair mal a alguma pessoas. Falo por mim que sou muito observadora, estou sempre muito atenta a pormenores, sou a típica cliente que é capaz de escolher isto e não aquilo só por causa de um pormenor qualquer que me prendeu a atenção, logo, afastaria por completo gente que me dissesse assim como quem não quer a coisa que, como já não cheiro a carne fresca, não presto. Inté estou com receio de ter muito mais idade e que me apareçam este tipo de criaturas pela frente, a ver se não me esqueço de andar sempre com uma bengala fashion, posso ter que a usar frequentemente :)))

      O que chateia também é isto de tratar as pessoas como se fossem descartáveis, tratar as pessoas com muito oportunismo, o problema é que os de 28 anos agora, serão os de 45 anos daqui a uns tempos, aí também eles passarão ao patamar de descartável. É um género de... next. Entretanto estamos a passar por uma fase em que a malta mais nova não consegue arranjar trabalho, ter uma vida estável, logo o discurso do tal senhor é capaz de também estar desajustado. Penso eu, mas que sei eu... Não tenho remédio, eu, as coisas entram-me pelos ouvidinhos adentro e só me dá para questionar.

      Biejinho para si também. Boa semana.

      PS: "A ligação ao mar e à natureza deve ter constituído uma árdua tarefa. Pois todos sabemos que S. Miguel é uma ilha e, como tal, não está rodeada de água por todos os lados e de natureza, só importando" (ahahahahahaha, agora esteve muito bem).

      Eliminar
    2. Two details only:
      1st: "Falo por mim que sou muito observadora (...)" - Terei por aí uma concorrente? :)
      Second: "Biejinho para si também" - Uma nova versão de beijinho? :)))

      Eliminar
    3. 1st: Pronto, agora para além das faixas etárias, uma pessoa também tem que saber falar estrangeiro de Inglaterra. Tanta pressão um dia destes acaba com "nóis" :)))

      2nd: Nããã, eu não sou concorrente de coisa alguma, tenho medo de cupões, fujo deles a sete pés só porque não tenho oito.

      3rd: achava o caro Observador que as vogais também não se atropelam, que era um exclusivo do ser humano, pois desengane-se, nesse "biejinho", os iiisss atropelam os ééésss e nem sequer pedem licença :))

      Eliminar
  2. As barbaridades que se dizem por aí, Maria. Agora estar a definir um público-alvo para o Hotel não tem sentido nenhum. Até parece que o dinheiro dos tais 28-40 vale duplamente quando comparado com outros escalões etários. Ridículo é o mínimo que se pode dizer.
    Confesso que a minha área é precisamente o Turismo e nunca me passaria pela cabeça estar a definir um público-alvo. O turismo, como outras áreas, precisa de clientes, tenham eles a idade que tiverem. O importante é ter actividade económica. As palavras desse sr fazem-me imensa confusão.

    Beijinhos, Maria
    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Falou quem está dentro da área do Turismo e falou muito bem, Não acrescento muito mais só para não estragar, realço apenas uma parte do comentário que me parece muito importante: "definir um público-alvo para o Hotel não tem sentido nenhum". Também eu achei que não tinha sentido nenhum daí ter trazido o tema a debate. Obrigada, Carpe.

      Beijinho para esse lado. Boa semana.

      Eliminar
  3. Maria, acredite que me ri... Isto é tão absurdo, apesar de mau, que dá vontade de rir :D... Repare que neste caso, não se descrimina apenas quem é mais maduro, descrimina-se também quem é mais jovem! Antes dos 28 "jamais... Salomé"... Repare que é só ali uma pequena faixa de 12 anos... Vá 13,se incluirmos o 28 e o 40... Eu dizia o que é que isto me parece sugerir, ou melhor, que sugeriu, não sou culpada :D... Mas que raio de programas querem fazer com os hóspedes???:D :D :D

    Eu acho que esse senhor devia de ter tido umas aulas de marketing antes de promover o hotel.... As pessoas hoje em dia já nem gostam de ser padronizadas por faixa etária, porque tudo está muito generalizado por todas as faixas etárias... Há pessoas de todas as idades a gostar de todo o tipo fe coisas.... Antigamente é que havia muitos padrões por faixas etárias... Hoje em dia não...


    Caramba! É que é mesmo uma faixa muito pequena :D... Eu não quero dizer o que me sugere :D

    Boa Terça-feira :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem alguma razão quando diz que também se discrimina quem é mais jovem, gente com menos de 28 anos, só que nesse caso a leitura que fiz é tratar-e ainda de pessoas que estão num inicio de vida, que podem ainda ser estudantes, logo, dependentes dos pais, que ainda não terão uma vida estável que lhes permita frequentar determinado tipo de hotéis. No meu caso tornei-me independente, financeiramente falando (e não só) por volta dos 22/23 anos, mas existe quem não o faça, seja porque não pode (desemprego) ou porque não quer (comodismo). Daí me ter voltado para as pessoas mais velhas. Mais velhas acima de 40 anos, o que é completamente ridículo.

      Tudo tem vindo a mudar de forma gradual, e sim, é verdade, pessoas de 40/50/60 anos nos dias de hoje, nada têm a ver com pessoas de 40/50/60 anos do tempo dos meus avós. Seja no aspecto exterior, seja na forma como vivem a vida. O conceito de "velho" mudou de forma considerável e parece que existe gente que continua agarrada a um passado que há muito não existe.

      Tenha também uma boa terça-feira, São.

      Eliminar
    2. Sim, é verdade... Mas até podem ter pais que lhes permitam umas férias confortáveis... E 28 anos até já é uma idade bem considerável.... Muita gente é autónoma com essa idade...

      Além disso, mais valia dizer que se destinava a um público de classe mais alta... Mais :nem todas as pessoas dos 28 aos 40 têm boas condições financeiras...

      Enfim... Pessoas que quando abrem a boca dizem o que sai... Enfim...

      :)

      Eliminar
  4. Nunca fui ao Açores. Sinceramente entrou nos meus ouvidos a 100 e saiu a 200 e havia de ter dinheiro que iria com mais uns quantos e chegados lá...dizia em alta voz...pois é... isto é só até aos 40 anos...adeus, adeus e instalávamos noutro perto, nem que fosse uma pensão:))))

    Este assunto é uma caganita de pássaro ao pé da dura realidade do desemprego tão tapeada por "cabecinhas pensadoras" para ficarem bem nas estatísticas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fatyly, daí ter sublinhado que o que mais me agradou na abertura deste hotel no próximo mês de Junho é o facto de existirem novos postos de trabalho. Muita gente vai ter trabalho, quanto ao resto é de alguém que não está na função certa. Penso eu. No entanto convém que os assuntos sejam falados, se não se falar nada muda.

      Eliminar