sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Fui ao NIT e vim de lá angustiada por causa da Marta que não consegue um bilhete para ver a Adele

Portanto resolvi lançar uma petição para ajudar a Marta a ser mais feliz (introduzir aquela coisa do just kidding). Diz a Marta que é repórter no Nit que:


Estou a brincar com a Marta, evidentemente. Não estou de modo algum a gozar da Marta, não sou o género, consigo compreender que as "pancadas" de uns possam não ir ao encontro das "pancadas" de outros e, só por isso, existe uma linha que me recuso a transpor. Não existe em mim tal arrogância que me ponha num patamar superior em que eu consiga dizer que os gostos dos outros são caca, e os meus são revestidos a ouro. Caca revestida a ouro, talvez...

Não sou fã de Adele. Respeito a voz fabulosa de Adele. Porque a tem. Se compraria um bilhete para assistir ao concerto de Adele? Não. De forma alguma. The end.

8 comentários :

  1. Que tal lançar a petição para Adele não ouvir os gritos da Marta?
    É mau, não é? Esqueça!

    Ps - Gosto da Adele. Comecei a gostar dela, quando a ouvi interpretar o 'Sky Fall'. Daí para cá, ouço quase tudo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu se tivesse um bilhete para o concerto da Adele oferecia à Marta. E estou a falar a sério. É que dá para perceber que gosta a sério da cantora.

      A Adele tem uma voz fabulosa, no entanto não sou fã. Oiço apenas. Existe uma música dela - não me lembro o título - que gosto bastante. Apenas essa. Esta última do Hello... não me diz nada.

      Eliminar
  2. Ai, Maria... Nem faz ideia do que eu me ri. Não de gozo, mas de boa disposição. Fui ver o comentário completo da Marta e realmente sente-se a genuinidade dela. A jovem senhora realmente adora a Adèle. Acredite que se eu pudesse também oferecia um bilhete à Marta, até porque não me faria falta alguma,pois também não sou propriamente fã da referida cantora, embora oiça de vez em quando :)

    Temos a tendência para rir um bocado da espontaneidade com que certas pessoas exprimem este tipo de sentimentos.... Mas caramba! São felizes e não fazem mal a ninguém... Pelo contrário, até divertem :D ... Portanto, deixai-as ser felizes! Que feliz ficaria a Marta se tivesse um bilhete para ver a sua Adèle :D

    Sabe, nem todos temos a mesma maneira de ser, nem de exprimir os nossos sentimentos. Cada um tem a sua e desde que seja feliz sem prejudicar ninguém, que se deixe as pessoas viver e ser felizes, pois então! Lol

    Há relativamente pouco tempo atrás, no lançamento de um romance, uma mulher completamente em histeria saltitava à frente do escritor ,enquanto ele lhe autografava o livro, "Aí, eu nao acredito que estou à sua frente, José Rodrigues dos Santos!!! É um sonho! Um sonho! Hihihihi! Aí, nem faz ideia! Estou nas nuvens! Aí quando os meus amigos souberem! Aí , deixe-me tirar uma fotografia consigo para lhes mostrar! Eles nem vão acreditar! ...." E por ali fora naquele discurso emocionado e eufórico...

    Quase no fim da fila para os autógrafos, outra mulher, num misto de zombaria e divertimento, dizia para o amigo que a acompanhava "Olha, se eu chegar além à frente e fizer uma figura daquelas, estás autorizado a me mandar de volta para o pé do meu marido... Que é para não se estragarem duas casas!" . No mesmo tom, o amigo respondia " Achas? Eu vou é fingir que não te conheço! Que nunca te vi na vida nem falei contigo! Aliás, eu acho que vou é já afastar-me , antes que apanhe um vergonhaço e ninguém acredite que estava ao pé de ti por mero acaso..."

    E a senhora lá à frente, na sua euforia, lá tirou a fotografia toda entusiasmada e feliz da vida... O pior foi que naquela euforia, a senhora desequilibrou-se depois da fotografia, cambaleou um pouco e foi contra o placard que estava atrás do escritor, que, no seu jeito característico e divertido com a euforia dela , disse " Cuidado! O mundo é pequeno e perigoso "

    Mas não chegou a cair e nem o próprio placard caiu... Só abanou... Lá se equilibrou enquanto toda a sala ria baixinho e abasnava a cabeça dizendo "Coitada...", e lá foi embora feliz e contente com o seu livrinho autografado, depois de longos apertos de não ....

    Claro que a mulher do fim da fila não se comportou da mesma forma, falou de forma normal, com simpatia, mas sem euforia, com o autor. Deu os parabéns, obviamente, e ficou agradavelmente surpreendida quando o escritor a reconheceu pelo nome. Mas limitou-se a sorrir, respondeu que estava tudo bem ,quando isso lhe foi perguntado.... Claro também que o amigo não se afastou, porque sabia que a sua amiga não ia fazer o espalhafato que a outra tinha feito, nem nada que se parecesse.... E a outra? Merecia um marido como o dela? Claro que não! Ninguém merece! Cada pessoa tem a sua maneira de ser e de estar... E de viver e de se expressar... Como diz o velho adágio, vive e deixa viver!

    Ah, essa Marta merece ir ver a Adèle, claro que merece... Se eu pudesse também lhe proporcionava essa alegria!

    Abraço, Maria :) e resto de bom fim de semana :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu achei realmente piada à Marta exactamente porque me cheirou a genuíno. Gosto particularmente de pessoas genuínas, espontâneas. Foi o caso. Pode ser que alguém se chegue à frente depois de ler este meu simples post e dê a possibilidade à Marta ver a Adele. Isso é que eu gostava...

      Diz que e Portugal os bilhetes esgotaram em três horas (penso, não tenho a certeza) e que em Londres esgotaram em 45 minutos. Portanto a Marta está metida num grande molho de bróculos :))))

      Sou um pouquinho diferente nisso das demonstrações públicas de entusiasmos. Tendo a ser discreta. Prefiro dizer baixo à pessoa, só naquela de ser ela a única a ouvir o que pretendo transmitir. Feitios... que ainda bem não são todos iguais.

      Bom fim-de-semana para si também :)

      Eliminar
    2. Oh, Maria, eu também sou discreta. Nem preciso tentar, sai-me essa forma de ser e de estar de forma natural. As pessoas que admiramos são pessoas, não são deuses, portanto,acho que é para se falar com elas de forma normal, como se fala com pessoas.... Mas o que quis dizer foi que essas pessoas como a Marta, ou como a tal que foi contra o placard não fazem mal a ninguém e são felizes... E até nos divertem :D ... Fazem com que nos sintamos bem dispostos :D

      Aí... Não me diga que pensou que eu era a que foi contra o placard... Credo!

      :D

      Eliminar
    3. Eu gostava que a Marta recebesse um bilhete. Estou concentrada só nessa parte. Go, Marta, go :))

      Eliminar
  3. Li o post da Marta e digo-lhe com todo o respeito e sinceridade que NÃO POSSO POR SER DEMASIADO CARO, sem acrescentar o tal politicamente correcto "se pudesse até lhe dava". Não posso e mais nada e oxalá que apareça alguém que lhe ofereça o bilhete.

    Gosto de alguma canções de Adele, (esta última é estrondosamente bela) mas também sonho em ouvir em directo o meu cantor favorito e nunca pude ir a nenhum concerto e se fosse teria ser na zona VIP ou lá como se chama, porque tenho fobia a multidões.

    Não entendo as filas para a compra dos ingressos. Chegam a dormir, minha nossa. Compreendo os jovens...mas alguns pais e avós sujeitarem-se a tal? Então não refilem quando estiverem horas num Centro de Saúde, Hospital e ou até no IMTT ou vou mais longe...no Centro de Emprego.

    Jamais o faria, nem pelas filhas...eu hem?



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fatyly, quando eu escrevi que se pudesse oferecia-lhe o meu bilhete, foi naquela de que não dou assim tanta importância ao concerto de Adele que não me importaria de disponibilizar o meu bilhete a alguém que é fã desta forma. O problema da Marta não passa pelo preço do bilhete, o problema é que parece que já esgotaram, não consegue arranjar um em lado algum.

      A Fatyly e as suas comparações (ahahahah)... então. mas estar numa fila de um centro de saúde ou hospital quer dizer que a pessoa está doente, coitada, não é fácil estar ali horas à espera. Neste caso é um concerto onde se vai por pura satisfação, as pessoas estão bem, felizmente :)))))

      Eliminar