terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Eu que já ando nisto dos blogs para cima de... três dias

Continuo a gostar do facto de ter escolhido o lado daqueles que gostam realmente de escrever e fazem-no de forma descontraída, sem qualquer tipo de pretensão, abordando todo o tipo de temas, dando a sua opinião, interagindo e, ponto. Depois do ponto vão à sua vidinha que se faz tarde. Cada vez se faz mais tarde...

Seria muito cansativo ter escolhido o outro lado, o lado daqueles que andam por aí a escarafunchar todo o tipo de blogs, a ditar sentenças, a usar de uma sobranceria capaz de rebentar todo e qualquer ovo de Páscoa. Sim, sou uma pessoa muito à frente, enquanto os outros estão no Natal, já eu estou na Páscoa ou mesmo no Verão. Ou seja, não simpatizo propriamente com as pessoas dos blogs que querem passar uma imagem de gente de bem e tal e, vai-se a ver, de bem só existe a canção um pouco pirosa do "me engana que eu gosto".

Oiçamos a Wanessa (com dábliu) que também não vai nessa.


Não tenho culpa, este é o meu lado desassossegado que por vezes tem um mau feitio que não se aguenta, já deu para perceber que eu nunca poderia ter um blog de poesia, ou um blog que falasse todos os dias da beleza que é comer arroz com arroz, só em casos de extrema necessidade conseguiria comer todos os dias arroz com arroz... se por um lado não gosto do tédio do arroz com arroz, tenha o arroz mel ou piripiri, por outro gosto muito que exista gente que sabe muito bem da arte de bem escrever poesia, são esses, os que sabem da nobre arte de bem escrever poesia que me acalmam em momentos de inquietação. Os outros, os falsos-gente-de-bem só me chateiam. Convém pôr aqui mais um ponto. Ponto. Afinal foram quatro pontos... e reticências, sem ponto

10 comentários :

  1. Quem é que quer fazer-se passar por aquilo que não é? Só pode ser um(a) tolo(a). Não há nada como a malta mostar-se tal como é - o melhor possível, sempre - mas sem manias. Sempre ouvi dizer que as manias fazem mal ao fígado e provoca comichões em noites de lua cheia. Vade retro!
    Maria, importa-se de fazer um favor? Prometa que não repete estes sons das Wanessas, mesmo que tenham dáblius e outros assessórios.
    Estas Wanessas são tão estranhas que nem se importam que as enganem ... porque gostam.

    Sou dos que gostam de escrever mas reconheço que algumas vezes a minha escrita se torna problemática. Principalmente para quem não gosta do que eu escrevo. Ontem tive que mandar um blogger borda fora só porque o dito não simpatizou com uma coisinha que eu escrevi. É o que eu digo, uns morrem outros ficam assim.

    A blogosfera é linda. Ó ó, onde é que eu já li isto? ;)

    Beijinho para si e para mim também :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Observador, sabe qual é problema disto dos blogs? Os que os têm apenas porque as suas vidas pessoais são tão pobres que precisam de escarafunchar, afundar os outros, para se sentirem importantes. Para se sentirem gente crescida. Devem ser gente crescida com umas pilinhas muito pequeninas. Pilinhas masculinas e pilinhas femininas, bem se vê. Tivesse eu poder para tal e cortava-as pela raiz, pegava nelas e fazia salada de pilinhas acompanhadas com compota de manga e romã. A partir daí era vê-los/vê-las a piar fininho, neste caso, a escrever fininho :)))

      PS: Pronto, uma pessoa por vezes também tem que falar de pilinhas "bloguisticas".

      Eliminar
  2. Não conhecia a canção e gostei. O resto do post, percebo que é muito irónico, que provavelmente é um recado para alguém, mas daí a saber comentá-lo vai uma grande distância.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Elvira, eu gosto bastante de ironia, não faço a menor ideia se a sei usar como se deve usar, mas que me agrada sobremaneira, é bem verdade. Acho inclusive que por vezes sou mal interpretada porque algumas pessoas não entendem esta coisa da ironia. Ou, se calhar, o problema é meu porque falhei na parte de não ter tirado uma licenciatura qualquer nesta matéria.

      Não é um "recado para alguém", se escrever a frase no plural, aí sim, é capaz de ter razão.

      Um abraço para si também.

      Eliminar
  3. Maria, you are a legend! Ja que seu poste aceitou a Wanessa com dábliu achei que um inglesinho para expressar meus sinceros (e exatos) pensamentos poderiam também ser aceitos...e estou contigo nessa coisa de escrever sem pretensão... atuar na vida e no próprio blogue da muito trabalho. Aff, fiquei cansada so de pensar nisso. Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na minha mais do que modesta opinião um blog só faz sentido quando as pessoas que nele escrevem o fazem sem esperar nada em troca. É o meu caso e o de algumas pessoas por aí na blogosfera. Escreve-se por puro prazer. Não atacamos bloggers, não faz sentido. Não perseguimos bloggers, ainda menos faz sentido. Quando se faz alguma critica é em relação a algo público, seja um acontecimento, seja uma figura pública, seja uma notícia, nunca a pessoas comuns que têm os seus blogs seja porque motivo for. Isso de perseguir gente dita comum é muito rasteiro. Próprio de gente sem princípios.

      O escrever livremente e sem quaisquer tipo de pretensões também acarreta alguns problemas. Principalmente em posts intimistas. As pessoas rasteiras alimentam-se deste tipo de posts.

      Um abraço para esse lado também :)

      Eliminar
  4. Maria, o escrever livremente é um dos meus "mantras". Escrever faz bem, traz-me um sorriso, aconchega-me o coração. Gostei de a ler, aliás, como gosto sempre de a ler. Nunca vou perceber esse lado da blogosfera, o tal lado mais negro. Não gosto e também não quero passar por aí. Prefiro a luz, aliás como escrevo hoje a propósito da arte e as esculturas de luz. Ora cá está, a arte é outra das minhas paixões, das que me fazem feliz. Deixo-lhe um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Escrever faz bem, Carpe, não há como discordar, só que, no meu caso, o tipo de escrita é diferente, é um pouquinho mais ventosa, ou desarrumada, digamos assim, e isso traz-me alguns dissabores. É bem verdade. O engraçado é que as visitas aumentaram, mas tudo resto se mantém, ou desce de vez em quando. O que não deixa de ser contraditório.

      Também gosto do mundo das artes, no entanto, como deu para perceber no post mais acima, não gosto lá muito da arte de Joana Vasconcelos. Gostos, cada um com o seu :)

      Eliminar
  5. A canção é pirosa e não gosto, apesar de respeitar a "Banessa" e quem goste dela.

    Li e reli quase sem respirar e sabes o que senti para além de concordar contigo? que foste "o pendura" do camião Tir que conduzia sem dar hipóteses a nada nem a ninguém de me ultrapassar e de não respeitar a minha opinião e deparar-me com textos sem qualquer textura e postes tão iluminados que mais parecem uma resma de luzes fundidas para não aplicar outro termo.

    Felizmente em quase 16 anos só embati duas vezes e mandei-os para a "valeta do esquecimento".

    Ufaaaaaaaaa:)))))

    Um abraço e nunca deixes de escrever as tuas verdades sentidas!!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fayly, um blog para mim é algo pessoal e deve ser respeitado como tal. Escreva a pessoa bem ou mal. Sejam os temas considerados maiores ou menores. Não interessa, ninguém obriga ninguém a ler aquilo que não quer ou a visitar quem não quer. O que não suporto são pessoas deveras "iluminadas" que andam por aí o tempo todo a pesquisar, a fazer prints, a escarafunchar em blogs alheios achando-se mais do que os demais. Chateiam-me. E espanta-me o tempo que têm para estas coisas. Espanta-me a sério. É que para conhecer tanto blog não fazem mais nada....

      Dou-lhe um exemplo:
      Lembro-me de uma dia ter caído aqui uma miúda que de um dia para o outro começou a visitar-me quase todos os dias, era boa miúda, dava muitos erros ortográficos, tinha alguns preconceitos que me faziam ficar de cabelos em pé, mas pronto, nunca me deu para a insultar. Jamais, em tempo algum, faria tal coisa. Fingia que não via. No entanto comecei aos poucos e poucos a ler os textos que escrevia, descobri que tinha uma deficiência, vivia numa daquelas aldeias quase isoladas, convivia quase e só com a família, portanto o único refúgio era a net e as pessoas que "conversavam" um pouco com ela. O desespero para conhecer pessoas na net (ficava triste quando tinha poucos comentários) vim a descobrir que era no sentido de conseguir vender uns bordados, ou renda - não me lembro bem - para conseguir algum dinheiro. Ora, quem é a pessoa que consegue "abater" uma miúda destas?! Ninguém. Pois aí é que está, o tal lado das mulheres que não fazem mais nada senão escarafunchar em blogs descobriu o blog da miúda e arrasou-a. A miúda fechou o blog. E eu fiquei furiosa com este tipo de mulheres que nada mais são senão gentinha do piorio.
      ...

      Gosto de escrever, no dia em que o deixar de fazer tornar-me-ei numa pessoa menos "feliz". Sem dúvida alguma.

      Obrigada pela sua simpatia :)

      Eliminar