terça-feira, 17 de novembro de 2015

Se calhar o que é urgente é falar mais de amor e menos de sexo

Digo eu, vestindo aquela atitude de que nada sei e só digo o que me vai na alma. 

Noto cada vez mais que as pessoas mais frias, talvez mais materialistas, talvez um niquinho mais oportunistas, são aquelas que quando falam, colocam, do verbo eu a colocar sou muito bom ou boa, dependendo do sexo indefinido de quem coloca, quase sempre o sexo em primeiro lugar como tema de conversa. Parece que não se sentem muito à vontade para falar de amor. Tenho muito medo de pessoas que não se sentem muito à vontade para falar de amor. Preferem falar de sexo. Todo um mundo em que cada vez mais se sabe tudo e mais alguma coisa sobre sexo e se sabe cada vez menos de amor. A curva descendente no que ao mundo diz respeito, já começou. Estamos nas mãos dos frios desta vida. Dos que não sabem falar de amor. Se calhar a salvação, se é que ainda é possível a salvação, seja contrariá-los. Aviso que os frios desta vida não gostam de ser contrariados, portanto o trabalho que existe pela frente, o trabalho daqueles que ainda acreditam no amor, não vai ser nada facilitado. Lá teremos também que ser implacáveis...