sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Oremos com a ajuda do Senhor enquanto ouvimos o senhor professor Pedro "fenómeno" Arroja

Isto sobre a lei da adopção por casais do mesmo sexo, o senhor professor opinou e fez muito bem, porque todos temos o direito de opinar. E olé olé p'rá frente é que é o caminho. Que se respeite a opinião de outros, ainda que determinadas opiniões nos deixem muito baralhados das ideias. Ficamos ali encurralados entre o não sei se chore, não sei se ria. Ainda estou encurralada e acho que tão cedo não conseguirei sair de tamanho emaranhado de palavras tão juntinhas entre si só naquela de se aquecerem em dias de muito frio. Termino com um sonoro... brrrrrr, que frio que se fez de repente.

A tortura começa ao minuto 2:18 quando o senhor professor diz:

«Quais são os pressupostos, como é que pensam as pessoas que votaram favoravelmente essa lei, que são favoráveis à adopção por casais do mesmo sexo. Qual é a filosofia, os pilares de pensamento que estão ali por trás, em que é que eles acreditam?

Três coisas fundamentais
Número 1: que os homens são iguais às mulheres ou que as mulheres são iguais aos homens.»

Ao que a jornalista intervém: não são em direitos?
O senhor professor não responde, aliás, responde com um: 

«... e é por isso... e é por isso... é por isso que até aqui uma criança era criada por um casal heterossexual, um homem e uma mulher, mas como o homem é igual à mulher tanto faz que uma criança seja criada por um casal de homem e mulher, heterossexual... como são iguais... como seja criada por dois homens ou por duas mulheres.

Em segundo lugar: acreditam que o facto de uma pessoa ser homem ou mulher, ser homem ou mulher é uma questão de escolha individual, de escolha do próprio individuo, sou eu que escolho ser homem, porque se eu tivesse escolhido ser mulher, eu seria mulher, portanto, a escolha do sexo, ou do género, é a chamada filosofia do género, como eles lhe chamam, é uma matéria de liberdade, de escolha individual, eles acreditam que de facto cada um é homem ou mulher porque escolheu ser assim.

Terceiro: Não acreditam em Deus. São ateus. São estes três pilares que eu gostaria de, em primeiro lugar, comentar. Em primeiro lugar sobre o facto de os homens serem iguais às mulheres. Na aparência se as pessoas olharem para mim e para si, Ana, no essencial dizem: ambos têm cabelo, ambos têm olhos, boca, aquilo que está à vista de facto dá a sensação numa visão superficial que um homem é igual a uma mulher (aqui intervenho eu... olhe que não senhor profe... olhe que não... a Ana-jornalista é muito mais linda que o senhor, garanto-lhe) as grandes diferenças estão cobertas, não apenas as diferenças físicas que estão cobertas mas, sobretudo, as diferenças espirituais, e é aí que as diferenças são de facto mais significativas, o espírito de uma mulher funciona de uma maneira, às vezes radicalmente diferente, ou quase sempre... radicalmente diferente do espírito de um homem, são coisas absolutamente distintas, a forma como a mulher reage à vida e como um homem reage às circunstâncias da vida, à forma como uma mulher actua e como um homem actua, portanto existem de facto diferenças mas, para não ir às espirituais que são as mais importantes é mais fácil dar um exemplo com as diferenças físicas.»

(aqui entro eu novamente: senhoras e senhores apertem os cintos, respirem fundo, bebam dois litros de água que isto não vai ser fácil, o senhor professor vai aprofundar a parte das diferenças falando de pénis, a coisa começa aqui ao minuto 4:20, enjoy muito, sim, porque neste momento tenho pouco tempo para enjoar, fui, portanto, ah, não, dei um passo atrás para deixar aqui escrita esta pérola do senhor profe "mas eu posso facilmente perguntar à minha mãe... olha, tu sabes fazer pénis?")

Não dá mais, lamento, uma pessoa depois disto merece um fim-de-semana prolongadíssimo-íssimo-íssimo. Parto, sem pena. mas volto. É uma promessa sem íssima.

17 comentários :

  1. Só tenho uma coisa a dizer: qualquer criança à qual tenha sido dada uma segunda oportunidade por um casal gay, foi gerada por um casal hetero (e, ler com ironia), com certeza muito devoto a Deus). beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os fenómenos já não são um exclusivo do Entroncamento, também nascem em universidades de Economia. O senhor professor Pedro Arroja é muito iluminado nisto de nos explicar as coisas tim por tim. Caramba, o que uma pessoa aprende e se diverte com isto de ouvir outros e, ao mesmo tempo, crescer em bom. Sinto-me no momento muito crescida em bom, traumatizada, mas muito mais crescida :DD

      Agora num registo mais sério... qualquer criança tem o direito de ser feliz, tem o direito a que alguém lhe dê uma vida digna, independentemente do facto da situação passar por casais hetero ou homossexuais. O resto é paisagem e não é da boa, decididamente.

      Eliminar
  2. Quando Maria sugere que se veja o vídeo, com especial atenção ao minuto 4:20, previ que algo de mau estaria para vir. Mas lá fui, na esperança de encontrar uma coisa assim assim e depois dizer a Maria que afinal a coisa não era muito má.
    Ei-me no tal minuto e, daí para a frente a começar-me a sentir enojado - não com os pénis, afinal também tenho um - mas sim com a postura mental desse tal senhor Pedro Arroja. Um atrasado mental que já há dias tinha, numa entrevista na Porto Canal, feito algumas (des)considerações absurdas e até nogentas sobre as mulheres em geram e Catarina Martins, Joana e Mariana Mortágua, Marisa Matias em particular. Uma aberração que foi 'apreciada' na altura por quem viu, em directo ou, logo a seguir, nas redes sociais.
    Havia muito para dizer. Sobre o assunto, claro, mas a atitude de Pedro Arroja relega-me 'para lá do inferno'. Admitindo que o inferno existe, esse inferno. Porque existe, na realidade, um inferno, onde se encontram bestas como Arroja. Ou seja, no nosso dia a dia, estamos sujeitos a ouvir/ver/ler coisas. Apenas coisas.
    Para resumir que se faz tarde, apenas com 'meia dúzia' de palavras, a saber: PEDRO ARROJA É UM IMBECIL, METE NOJO E FAZ PERDER O BOM SENSO AOS SERES HUMANOS NORMAIS, QUE ARROJA NÃO É.
    O que esta mancha humana deveria ter perguntado à mãe é: 'porque é que me fizeste?'.

    Maria, saio cabisbaixo e com uma vontade enorme de dar uma tareia nesse Arroja que enoja. Se bem que consciente que bater num porco é lutar em circustâncias desiguais.

    Um beijinho para si, Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Observador, pode não acreditar mas, fiquei com o cérebro completamente atrofiado depois de ouvir este vídeo. Parecia que estava a ver um vídeo de ficção muito cientifica. Que me perdoe o senhor professor em questão, ou não, mas esta foi das visões de vida mais limitadas que alguma vez me foi dado a ouvir. Pelo menos na tv e por uma pessoa que tem o título de professor. O mundo nas mãos destas pessoas jamais avançará. Na parte em que começa a falar das mulheres, quase que desfaleci.

      Sabe que no primeiro momento, quando começa a parte folclórica dos pénis, deu-me para soltar uma gargalhada, existem situações que só dá para fazer em modo gargalhada, aquela era uma delas, entretanto uma pessoa põe-se a ouvir o que vem a seguir, a ouvir mais atentamente e, não dá mesmo para rir. Aquilo é muito sério. Sério na parte em que deveria ser proibido dar mais de um minuto e meio de tempo de antena a estas pessoas. É a minha opinião, também tenho direito a ela. Quanto é que o Porto Canal pagará a este senhor?...
      ...

      Tem razão, considerações mais do que absurdas sobre as mulheres em geral. Fosse eu a jornalista e tinha espremido o senhor professor até ao tute que é ano. Leia-se tutano.

      Para si também, beijinho e boa sexta-feira feira.

      Eliminar
  3. Ai, Maria... A certa altura o senhor diz que é um ser equilibrado... Sinceramente, não me parece... A primeira coisa que me veio à cabeça foi "volta, Gustavo Santos, estás perdoado..."

    Já tenho ouvido o senhor várias vezes e sempre disse coisas absurdas, mas desta vez superou-se a si mesmo... Nada no discurso dele tem pés ou cabeça... Sinceramente, acho que o meu cérebro atrofiou um bocado depois de ouvir este senhor... Acho que estou um pouco bloqueada...

    Abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fui buscar mais um pequeno excerto do vídeo em que o senhor pedro diz assim num determinado ponto:

      "o homem dá à mulher direcção, indica-lhe o caminho, aquela frase... eu sou o caminho, só poderia ter sido dita por um homem... uma mulher em geral não define o caminho, e o que é que uma mulher dá ao homem?... (...) uma mulher sozinha não sabe para onde é que há-de ir... (...) eu corro o risco de sair um atado, lá está aquela incapacidade em relação a um homem, da mulher, para definir um caminho, tomar decisões... eu corro o risco de sair um atado... "

      Isto é do mais surreal que existe. Só à dentada mesmo e, garanto, que não seriam dentadinhas de amor. Bolasssssss, como é que é possível este tipo de verborreia em pleno XXI?!?

      Inté fiquei mal disposta.

      Um abraço para si também :)

      Eliminar
    2. Sim, também reparei a essa parte... Disse que criado e educado por duas mulheres ia sair um atado e por dois homens ia sair um brutamontes... Não sei... Afinal, não foi criado por dois homens e é um brutamontes na mesma..

      O argumento muitas vezes usado de "Ah, e tal, tantas coisas mais importantes em que deviam ter pensado e foram pensar na adopção de crianças por casais homossexuais" é do mais hipócrita e demagogo que pode existir..

      Por acaso, o facto de pensarem neste assunto, implica que tenham forçosamente que deixar outros de lado???

      Bom fim de semana :)

      Eliminar
    3. Ora, o senhor é homofóbico, logo este assunto nunca seria importante, nem agora, nem nunca.

      Eliminar
  4. Maria, o homem é tudo menos equilibrado. Leio as suas palavras e partilho do que disse. Há por aí demasiada filosofia do certo e do errado e vai-se a ver, estão ultrapassadas há séculos ou mesmo nunca tiveram razão de ser. Vou mesmo por esta última. Eu partilho da opinião que uma criança que não tenha pais precisa de amor e de uma família. Não importa se for um homem e uma mulher, dois homens ou duas mulheres. O essencial aqui é o amor, o carinho e o respeito. Por isso é que sou totalmente a favor da adopção por parte dos casais homossexuais. Sempre fui e sempre achei uma discriminação a lei não o permitir! A nova lei permitirá uma nova oportunidade para o amor. Pena é que pessoas como o senhor Pedro Arroja não tenham cabecinha para o perceber!
    Beijinhos, Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carpe, desconhecia completamente a existência deste senhor, pouco ou nada sintonizo o Porto Canal, de vez em quando calha lá parar mas, nunca me tinha apercebido daquele espaço de comentário. Ontem à noite andava para aqui a fazer uma pesquisa no youtube e tungas, aparece-me um vídeo e mais outro e mais outro. Entrei no primeiro, ouvi e fiquei boquiaberta. Parecia tudo menos real. Este senhor parece saído da pré-história tal é a visão limitada que tem em relação a alguns assuntos, nomeadamente este da adopção por casais do mesmo sexo e a forma como fala das mulheres. Para ele as mulheres são seres que só chegam a algum lado se tiverem um homem ao lado, somos umas atadinhas, portanto. A sorte foi não o ter ao lado, senão a resposta era a doer, até fazia um croqui só naquela de o fazer perceber que muitas mulheres são independentes e, veja-se a coisa fantástica, até sobrevivem sozinhas, têm casas delas, gerem tudo sem a ajuda de um homem. Não se aguentam mulheres destas! Borram a foto toda...

      Existe uma parte do vídeo em que ele se debruça sobre o aspecto de... se tivesse que escolher entre um casal de homens ou de mulheres. É a coisinha mais hilariante de se assistir. Hilariante e ao mesmo tempo aflitiva.

      Beijinho e um bom fim-de-semana.

      Eliminar
  5. Um camelo numa agulha
    É coisa pouca arrojada
    Em grande, só mesmo ouvir
    O Arroja à Pedrada.

    Perdoe-me, Maria, mas não resisti.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. À pedrada é coisa pouca
      Que se junte um empurrão
      Para que o fenómeno Arroja
      se estatele de vez no chão

      Eu sei que não tenho jeito para isto, mas quis contribuir um pouco para este seu comentário original. Ainda bem que não resistiu.

      Para si também, AC, aceite um beijinho e bom fim-de-semana :)

      Eliminar
  6. E assim, sem mais, fico com uma eterna dívida de gratidão para consigo, Maria.
    É que perder uma pérola daquelas era absolutamente lamentável!
    Ouvi tudo, sem perder uma única palavrinha, do princípio ao fim. Foram 20 minutos e alguns segundos de puro encantamento, de ensinamentos que jamais esquecerei. Sim, porque sempre pensei que eram as mães que faziam tudo, meninos e meninas, afinal não é nada como eu imaginava. Doeu-me ser confrontada com a minha total ignorância. É que estas coisas rebentam com o ego de uma pessoa.
    Simplesmente lamentável e vergonhoso.
    O que mais espanta é o ar convicto com que enormidades daquelas são ditas.
    Será possível que o homem não tenha um mínimo de consciência dos disparates que disse? É que a ser assim a situação é muito grave.

    Maria, depois desta bela lição de cátedra só me resta desejar-lhe um.óptimo fim-de-semana.

    Continuação de uma boa noite, de preferência sem pesadelos.:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A GL depois desses vinte minutos não se sentiu culturalmente mais rica? Aposto que sim. Lá está, gosto de contribuir para a felicidade daqueles que por aqui vão passando :))

      Essa parte que refere, da teoria do senhor à volta de quem faz os meninos e as meninas, foi um momento hilariante. Por outro lado também se sofre um pouco, é bem verdade. Um pouco é favor... sofre-se imenso. Uma pessoa estupidifica.

      O ar convicto dele e o ar da jornalista. Sei que é um espaço de comentário, portanto a jornalista não pode interferir demasiado mas, de qualquer maneira, a jornalista merecia no mínimo um globo de ouro por conseguir estar ali sem se desmanchar nem um pouco. Eu não sei se conseguiria, uma parte de mim iria espremer o senhor um bocadinho. Só um bocadinho, assim como quem não quer a coisa.

      Para si também, GL, um óptimo fim-de-semana.

      Eliminar
  7. E são professores desta espécie que dão aulas com o cu (desculpa) colado à cadeira em detrimento de outros bem melhores mas que estão no desemprego. Insuportável e nojento já aquando o que disse quanto "as jovens do BE" e agora esta perfeita idiotice para não dizer coisas mais graves. Ouvi tudo e saio agoniada com tanta idiotice e falta de informação. Se pudesse punha-o a ler até cair para o lado o "que está cientificamente provado". Talvez perdesse de vez o ar seboso de quem está convicto. O que dirão os seus alunos? E se algum for homossexual?

    Sem alvitrar nada até porque não o conheço nem tenciono conhecer...para mim quando afirmou +- que "não queria as jovens do BE nem para casar e agora estas barbaridades, com cara de cebola, seboso...percebes???? pois fico-me por aqui...é que muitas vezes "machos latinos" não passam de...isso mesmo Maria!

    Vou ali pedir ao Senhor lá de cima que mude um dos neurónios deste senhor que deve ter fundido!!!! e saio de fininho!

    Bom domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É licenciado em Economia, penso que deu (ou dá, não sei) aulas numa faculdade do Porto. Não tenho a certeza, pouco ou nada sei da pessoa em questão.

      Se este senhor profe não mudou até agora de mentalidade, duvido que vá mudar. Este género de pessoas pela forma como se expressam estão cheios de certezas absolutas e nada os demove. É que nem quando se argumenta por a+b que podem eventualmente estar errados, que a sua forma de ver a vida é completamente retrógrada, não adianta. Portanto é ignorar. O que a mim me confunde é que um canal de tv lhe dê tempo de antena. Portanto se lhe dão tempo de antena das duas uma: ou são tão retrógrados quanto a criatura, ou aquilo é para as audiências. Cá para mim é a segunda hipótese. Mas que sei eu...

      Bom domingo para si também, Fatyly.

      Eliminar
    2. Actualmente é professor no Instituto Superior de Estudos Financeiros e Fiscais (IESF) em Gaia, onde lecciona a disciplina de Gestão de Carteiras.
      Gestão de carteiras. De que carteiras se fala? Pelo sim pelo não, mantenho a minha bem guardada :)

      Eliminar