quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Novo governo: copo meio cheio ou copo meio vazio no que às mulheres diz respeito

A dúvida colocar-se-ia desta maneira:
Ainda bem que existem quatro mulheres neste novo governo (?)
Existem apenas quatro mulheres neste novo governo (?)

As quatro ministras são:

Francisca Van Dunem - Ministra da Justiça

Maria Manuel Leitão Marques - Ministra da Presidência e da Modernização Administrativa

Ana Paula Vitorino - Ministra do Mar

Constança Urbano de Sousa - Ministra da Administração Interna

Eu acho que o copo continua estupidamente vazio. Estupidamente gelado também seria um termo válido. O mundo continua nas mãos dos homens. Em 17 ministros, só quatro são mulheres, é caso para pensar. Alguma coisa precisa de ser feita. Urgentemente. Para ontem, de preferência. 

12 comentários :

  1. Faça-se justiça e, de forma imediata, exponha-se o assunto a Francisca Van Dunem.
    Calma, ela só toma posse daqui a 5 minutos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As criticas que ouvi em relação a esta senhora Ministra (ministra daqui a 5 minutos) são muito positivas. Dizem que: "é uma magistrada altamente qualificada e de uma honestidade a toda a prova”. Gostei da parte em que é referido que sempre "lutou" contra a violência. Violência doméstica e violência contra as pessoas de mais idade, a chamada terceira idade. A ver vamos...

      Eliminar
    2. Não era 'daqui a 5 minutos' mas sim amanhã (5ª feira) às 16:00.
      Estou farto de dizer a Cavaco para não alterar as coisas sem meu conhecimento.
      Chiça!!!

      Eliminar
    3. E então? Continua a ser... daqui a 5 minutos. Amanhã, é já daqui a 5 minutos, pelo menos foi essa a minha leitura ;)

      Eliminar
  2. Mais do que o número, quer de homens quer de mulheres que constituem o novo governo, interessa, isso sim é da maior importância, a competência, honestidade e empenho de cada um deles, de medíocres, incompetentes, de alminhas que só vivem em função do "tacho", desses estamos cansados, mas tão cansadinhos.

    Continuação de um bom dia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. GL, deixei de parte todos secretários de Estado (que incluem mulheres, evidentemente) e os Ministros. Foquei-me só nas mulheres com o cargo de Ministra porque realmente ainda existem diferenças enormes que precisam de ser combatidas para que exista o tal equilíbrio.

      O que acaba por passar quando a balança pende mais para um sexo do que para o outro, é que a tal competência, honestidade, empenho, existe em maior número nos homens do que nas mulheres, já que são poucas as que chegam ao patamar de Ministras. O que não corresponde à verdade. Ainda existe muito por fazer neste campo. É necessário arregaçar as mangas.

      Tenha também um óptimo dia.

      Eliminar
  3. Na volta houve mais convites e pode ter acontecido a recusa, tal como ocorreu com a Elisa Ferreira que optou por continuar no parlamento Europeu.

    No novo governo há dois que nunca gostei.

    Só lhes desejo a todo o elenco governativo que não se deixem influenciar "por fumaças esquisitas que acreditam que existam lá para o lados de S.Bento", porque nas suas vidas profissionais são todos bons e chegam lá...mudam tal cata-vento. Isto digo eu que sou estranha e esquisita:)

    Vamos aguardar e acredito que a crise passará, sobretudo a dos valores éticos e morais!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O novo Governo parece estar bem equipado com pessoas competentes, agora temos que aguardar para ver se na prática resulta. Admito que estou um pouco preocupada mas, fazendo eu parte do pacote dos portugueses que quer o melhor para este país, com certeza que gostaria que resultasse. Posso não concordar com algumas situações que não são para aqui chamadas no momento, no entanto, aceito. Eu estou naquela de: a ver vamos...

      Fatyly, mesmo existindo uma ou outra recusa, de qualquer forma em 17 ministros só existem quatro mulheres, isto precisa de ficar mais equilibrado.

      Espero bem que "cheguem lá". Para bem de Portugal e de todos os que cá moram. A não ser assim estamos metidos num grande molho de brócolos.

      Eliminar
  4. Ola, Maria :)
    Ainda ontem estive num seminário em Amarante, sobre igualdade de género, violência doméstica, direito à diferença e temas afins e as conclusões apontam para o facto das coisas estarem a mudar. Mas ainda vai demorar muito até que homens e mulheres tenham exactamente ( e na prática) o mesmo peso na sociedade. É irónico, tendo em conta que a grande maioria dos estudantes universitários são actualmente do género feminino. Os homens estão a optar mais pela via dos quadros técnicos...

    Ora, tal facto deveria deixar claro que dentro de relativamente pouco tempo, os quadros superiores e cargos como os de ministro, enfim, pessoas que têm o futuro do país nas mãos, fossem ocupados por mulheres... Mas na verdade, não será bem assim... Talvez um dia... Talvez as nossas netas vejam essa realidade, numa idade já relativamente avançada ...

    Um abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá São,

      Tocou num ponto muito pertinente e que me passou ao lado, o facto de que a grande maioria dos estudantes universitários são mulheres e, na prática, no mercado de trabalho, o patamar de quadros superiores em empresas ou cargos que influenciam directamente o país, raramente lhes são atribuídos. Muito gostaria eu de saber o porquê. Aliás, fala-se de tanta porcaria neste país, no entanto não se lança a debate este tema. Tema esse muito pertinente, como já tinha escrito lá mais no princípio.

      O que me preocupa é o "talvez as nossas netas vejam essa realidade, numa idade já relativamente avançada".

      Um abraço para si também :)

      Eliminar
  5. Maria,
    A questão que levanta já não é de agora, mas o facto é que continua a ser pertinente, sinal de que continua por resolver. Partilho da opinião da GL, o que é importante é que as pessoas sejam competentes. No entanto, num país em que as mulheres ultrapassam os homens, cada vez mais, na aquisição de competências, é realmente estranho que apenas haja quatro ministras neste governo. Lá está, é o país que temos, o exercício de cidadania continua a ser mera retórica.
    Aqui para nós, que ninguém nos ouve: eu até acho que as mulheres, na generalidade, pela sua capacidade de resistência e perseverança, aparentam ser mais competentes que os homens. Mas não diga nada a ninguém, que há gente que ainda se arrepela com esta questão dos sexos. Por outro lado, muitas vezes as maiores inimigas das mulheres acabam por ser as próprias mulheres. Mas isso já é outra questão.

    Uma boa noite :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não há como não concordar com a GL, o que realmente deveria estar em cima da mesa era a competência, o empenho, a honestidade, independentemente do género, só que para isso acontecer não pode existir este fosso tão grande entre homens e mulheres. Sendo assim é inevitável que não se puxe o assunto para debate porque é realmente estranho.

      O seu segundo parágrafo daria pano para mangas. Ó se daria.

      Boa noite, AC :)

      Eliminar