sábado, 21 de novembro de 2015

Comentários que me deixam de queixo caído em pleno século que se veste de vinte e um

Acabei de ler (não vale a pena referir qual o blog) um texto que fala do parlamento e da adopção por casais do mesmo sexo, o texto está bem escrito, como sempre, e não fosse a pessoa em questão muito boa nisto de escrever e, eis senão quando, me disponho a ler os respectivos comentários, chego a um e fiquei ali meio sem saber se os olhos me estavam a pregar uma enorme partida, dizia a pessoa do comentário se sendo assim "a criança não seria mais facilmente homossexual". Ou seja, ainda existem pessoas que acham que sendo uma criança adoptada por um casal homossexual, a criança terá hipóteses de também o ser no futuro. Como se a homossexualidade fosse um género de vírus que existe no ar e quem o respirar com maior frequência aquilo é bem capaz de pegar. Uma pessoa sente-se um pouco mal ao ler este tipo de coisas. E uma pessoa de repente sente-se baralhada e percebe que ainda existe muito mato para desbravar. 

As ilações que tirei, mas vou já desinfectar-me de imediato, prometo, é que a homossexualidade na cabeça de muita gente é capaz de continuar a ser vista como se de uma doença se tratasse. E isto é grave. O povo português, pelo menos alguns, demasiados para o meu gosto, continua a ser um povo muito desinformado. Se calhar existe uma quota parte de culpa por parte de algumas pessoas que se recusam a olhar a vida com outros olhos, nisto, do país, não sair da cepa torta. A mentalidade de um povo ajuda e muito ao desenvolvimento desse mesmo país. Não tem a ver com a idade das pessoas, tem a ver com a mentalidade. Nessa parte estamos realmente muito envelhecidos. Preocupamo-nos com a idade, com a parte exterior, quando nos deveríamos  preocupar era com o que existe na parte de dentro das pessoas. A parte que me assusta é que existam outros, mais novos, talvez, que se deixem contagiar por olhos que estão fechados para outros mundos. Deste tipo de contágios é que convém ter medo.