quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Empresa grega cria uma secretária que se transforma numa cama para que os trabalhadores possam fazer sesta no trabalho

Não sei não. Eu acho que se calhar não é boa ideia essa história de dormir no trabalho. Pelo menos por enquanto. No futuro logo se verá.

Mas que a ideia é engraçada, lá isso é.


18 comentários :

  1. Mesmo sem estes avanços, já muita gente que dorme no trabalho.
    Os gregos tinham que arranjar uma forma de oficializar o sono em serviço.
    Só falta a legislação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As pessoas só dormem no trabalho se os superiores hierárquicos também estiverem voltados para esse lado. Os exemplos vêm de cima. Se não vierem de cima, é despedir os de cima e dar uma nova oportunidade aos de baixo com um novo de cima. Sei, foi um pouco confuso, mas acho que dá para perceber a ideia.

      Eliminar
    2. Folgo em saber que o amigo Observador reconhece que o povo grego é... É como é...

      Fez-se entender muito bem, Maria, fique descansada :)

      Abraço :)

      Eliminar
    3. São, não folgue coisa nenhuma porque tenho os gregos em muito boa conta. Principalmente as gregas.
      Ah, e o que dizer do Partenon? :)

      Eliminar
    4. Maria, e quando são os tais superiores a dar o exemplo? Alguns ressonam e tudo.

      Eliminar
  2. Quando li a notícia e vi a imagem pensei logo nos tempos que estava grávida da minha filha mais nova. Com duas horas de almoço, almoçava na secretária o que levava de casa e punha uma pilha de pastas e que bem que me sabia e por vezes nem dava pela entrada dos colegas. Agora imagina com uma cama dessas.

    Hoje não posso nem devo fazer a sesta ou "siesta" porque fico terrivelmente mal disposta.

    Acho que haveria abusos, a não ser que tocasse uma sirene tipo bombeiros:)

    Um bom serão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que dizem os especialistas é que a sesta torna as pessoas mais saudáveis, reduz a pressão arterial e ajuda naquela parte de se ser mais criativo. No entanto acho que o tempo da sesta não pode exceder os vinte minutos, ao exceder pode acontecer essa tal má disposição que a Fatyly fala.

      Eu não sei se existiriam abusos, o que sei é que seria muito estranho estar ali deitada a dormir junto a colegas e outros que tais. Roupa toda amarrotada e tal. Não. Passo :)

      Eliminar
  3. Isso fazia jeito em qualquer lugar... Até no comboio quando se vai a caminho de um fim de semana com que se sonha há anos e se planeia há meses... Principalmente se não se dormiu na véspera e a ansiedade nos levou o apetite...

    Abraço de uma São entre o excitada e o receosa :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas nos comboios existem camas. Penso eu. Não percebo nada disso porque raramente ando de comboio, embora goste. Sim, gosto de comboios.

      Sendo assim, bom fim-de-semana, São :)

      Eliminar
    2. Obrigada, Maria :)... Sabe... Por um lado estou muito entusiasmada por ir conhecer pessoalmente um grande amigo virtual... E por ir a um evento ao qual nunca me deixaram ir... Mas por outro lado, estou preparada para todos os tipos de desilusão...

      Isso devem ser alguns que fazem ligações internacionais.... Não estes que fazem Porto-Lisboa... Também... Quem se vai lembrar de dormir numa viagem de três horas? Escrevo isto já com os olhos a fechar...

      Um abraço :)

      Eliminar
    3. São, permita-me que lhe diga o seguinte: nunca, por nunca ser, se parte para o que quer que seja com um espírito derrotista. Essa forma de encarar e se dar à vida é meio caminho andado para que a vida seja por antecipação já uma autêntica desilusão.

      Há quem durma numa viagem de dez minutos para o trabalho...

      Abraço para si também :)


      (foi um senhor já com muita idade que um die ame ensinou)

      Eliminar
    4. rectificação: "que um dia me ensinou"

      Eliminar
    5. Eu sei, Maria :) ... Mas às vezes também acho que não devemos partir para as coisas com demasiadas expectativas.... Devemos ter sempre presente que as coisas podem não correr como gostaríamos que corressem, ainda mais quando, se por um lado sentimos que conhecemos bem as pessoas, por outro, quando nunca houve o tal contacto visual de que a Maria tanto gosta... Mas mesmo que haja (e por isso é que não lhe dou tanto valor assim) muitas vezes lidamos no dia a dia com as pessoas há anos e depois surpreendem-nos pela negativa... E fica aquela dúvida :será que as pessoas mudam ou apenas se revelam?

      Isso é bom também é pata poupar espaço :) ... Eu sei que uma vez vi um documentário qualquer sobre apartamentos minúsculos, salvo erro no Japão, em que os móveis se transformavam dependendo daquilo para que eram necessários no momento... Lembro-me que achei interessante, embora para mim, espaço seja uma coisa preciosa :)

      Bom fim de semana :)

      Eliminar
    6. São, eu não falei em partir para as coisas com demasiadas (ou poucas) expectativas, eu falei simplesmente que não é aconselhável encarar a vida com um espírito derrotista. Ao fazê-lo já estamos de alguma forma derrotados. Dificilmente conseguiremos vencer o que quer que seja.

      A minha forma de estar na vida não passa por achar que algo pode correr bem ou mal. Não acho, simplesmente. Ou, nem sequer penso nisso. Essa parte do correr bem ou mal já está garantida. O que faço é apenas concentrar-me no desfecho que pretendo para aquela situação. Concentrar-me é a palavra-chave. Não entram expectativas, derrotas antecipadas, nada, apenas me concentro. Aprende-se com as pancadas que a vida nos vai dando. No inicio caímos, e tornamos a cair, e voltamos a cair, às tantas já conseguimos controlar ansiedades, stress, nervos, maldade alheia, mau carácter de terceiros. Às tantas somos nós que gerimos os receios e não ao contrário.

      Não sou só eu que gosto do contacto pessoal, visual, com as pessoas. Felizmente que ainda muitos apostam e defendem esta forma de estar na vida. Nada chega ao estar com amigos, conhecidos, família, olhos nos olhos. Sabe que o olhar frio, gelado, de uma pessoa não se consegue perceber através de um computador? Pessoalmente aquilo gela qualquer um. Ah, pois é!

      Não gosto de casas muito grandes. Gosto de espaços aconchegantes. Pode ter espaço, mas não um espaço que não permita encontrar-me. O que quer que isso de encontrar-me queira dizer.

      Bom fim-de-semana, São.

      Eliminar
  4. Ai, valha-me Deus! Acha que neste pequeno rectângulo resultava?
    Mudar os de cima? É por aí, Maria, é por aí, e não só no que respeita à caminha. Ah, pois é!

    Não, não se pode generalizar, mas...? Ó,ó!

    Continuação de um bom dia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já trabalhei numa empresa quase à beira da falência, falência essa causada por culpa de alguém que entrou através de uma cunha, não percebia nada da área, vai daí foi introduzindo amiguinhos queridos na empresa com ordenados daqueles pornográficos e aquilo quase que foi ao fundo. Um dia resolveram despedir o homenzinho e seus amiguinhos queridos, entrou um outro, inteligente. Inteligente porquê? Porque se apercebeu que a culpa não estaria na arraia miúda, a culpa estava nos lá de cima. Despediu todos. Em dois anos e com novos "lá de cima" a empresa voltou aos primeiros lugares do ranking. História verdadeira. Vivi-a na primeira pessoa. Ah, pois é!

      Bom dia, GL

      Eliminar
  5. Um raríssimo e feliz exemplo, Maria.
    Assim devia ser, só que? Pois, lá está.
    É que os que estão em cima, por norma, estão num piso demasiadamente alto e o elevador não vai até lá.
    Quando chega até ao primeiro andar já é uma festa.
    É o que há, Maria, é o que há.
    É triste? Nada disso! Já faz parte da nova organização do trabalho.
    Qual o teórico que avançou com essa tese? Lamento, mas isso já não sei dizer-lhe.

    Um bom dia para hoje. Sim, é 1h,35 da matina!
    É cedo para a matina? Então faça o favor de continuar a descansar.:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é assim tão raro como se pensa, GL. Acho é que as pessoas por vezes não se apercebem que existem muitos mundos dentro deste só mundo. Portugal está cheio de mundos em formato pequeno. Realidades muito diferentes da própria realidade de cada um. Queremos formatar o mundo, só que o mundo é tudo menos formatado.

      Só existe mudança quando as pessoas se unem para que a mudança se dê. Está sempre tudo nas nossas mãos. Acho que a GL perceberá o que quero dizer. Se as pessoas se acomodam, se têm medo, nunca nada mudará.

      Não existe na caixa de comentários deste blog horário de publicação de comentários para que as pessoas sintam essa liberdade. Ninguém aponta o dedo a ninguém por aqui. Pode comentar num momento de insónia às três da madrugada ou numa pausa de café no trabalho às onze da manhã. Cada um sabe da sua vida e ninguém tem rigorosamente nada a ver com isso ;)

      Eliminar