terça-feira, 18 de dezembro de 2018

Fui ler um artigo interessante: O negócio das redes sociais e quanto é cobrado por cada post

Eis um excerto do dito artigo: 

«Ao contrário do que acontecia no início do aparecimento dos blogs e dos sites de redes sociais, as celebridades portuguesesas, tal como acontece no panorama internacional, já não fazem publicações a promover as marcas a que se associam em troca de produtos ou de serviços. Atualmente, as caras das televisões nacionais cobram por cada ‘post’ que fazem na internet e os valores podem ir até aos 3500 euros. Ao site da revista VIP, um responsável de uma empresa de marketing digital desvendou alguns pormenores sobre este assunto. Os famosos que lideram o ‘ranking’ dos ‘mais bem pagos’ são os da TVI. As estrelas da estação de Queluz de Baixo cobram milhares de euros às marcas em troca da ligação de um produto à sua imagem. Cristina Ferreira, segundo a responsável de marketing digital, lidera a tabela, «podendo cobrar até 3500 euros por publicação online”, seguindo-se os colegas Manuel Luís Goucha e Fátima Lopes «que estarão 500 euros abaixo». Atrás na lista estão os atores Lourenço Ortigão, Pedro Teixeira, Rita Pereira e Sofia Ribeiro «com cachets a começar nos 1400 euros». Já na SIC, apesar de ter menos celebridades de “topo”, os valores pagos não são muito diferentes e a encabeçar a lista estão sobretudo as artistas “roubadas”, nos últimos anos, ao canal 4. As atrizes Cláudia Vieira, Diana Chaves e Sara Matos deverão poder «faturar por artigo, quase 1300 euros». Já os apresentadores João Manzarra e Carolina Patrocínio «poderão ascender aos 1000 euros». Rostos da RTP também lucram  Mesmo tendo apenas quatro figuras com êxito nas redes sociais, «a RTP tem, nos seus apresentadores, uma imagem mais limpa do que acontece nas televisões privadas», esclarece a consultora. As caras da estação pública «têm credibilidade, não estão envolvidas em grandes polémicas e valem por estas características». Por isso mesmo é que Catarina Furtado, Pedro Fernandes e Tânia Ribas de Oliveira conseguirão arrecadar por cada produto promovido «valores à volta dos 1200 euros por publicação nas seus perfis» 

Eu que não sigo nenhuma figura pública nas redes sociais, portanto não sei que tipo de textos escrevem, não faço a menor ideia, apenas espero que um post que valha mil e tal euros, ou outro na onda dos três mil euros, seja um texto bem elaborado, imaculado no que à língua portuguesa diz respeito, sem quaisquer falhas a nível de ortografia, sem erros de sintaxe e por aí fora. E qual a razão de escrever isto? Ora, não é preciso pensar muito. Se existe gente anónima a escrever por aí que aquilo é um primor, não ganhando rigorosamente nada, seria uma tremenda de uma injustiça alguém escrever um "texto" deste género para promover um perfume: "a-d-o-r-o" com um emoji de três corações à frente 💗💗💗e, tungas, por um adoro com três corações arrecada mil euros ou mais. Não é inveja, não é por aí, porque nem sequer sou isso de imaculada na escrita, muito longe disso, o que se passa é que sendo por aqui, o tal do chico-espertismo continua a dar cartas em todas as frentes.

...

É mais ou menos como colocar lado a lado, na luta por um prémio final, blogs de gente desconhecida e blogs de figuras públicas, num braço-de-ferro, numa concorrência desleal e desonesta, não é preciso pensar muito para chegar à conclusão de quem serão os vencedores.

Para terminar. Existem sim, diferenças entre blogs e sites e nessas diferenças revejo-me muito mais nos blogs, sem dúvida - Sites transmitem uma imagem mais profissional dos serviços e produtos ofertados. Tendem a ser mais tradicionais e formais. Blogs são mais espontâneos e tem conteúdos mais flexíveis, expressando opiniões pessoais. Normalmente permitem mais interactividade com os internautas.

Se a decoração dissesse algo sobre nós, sobre os nossos gostos, no meu caso diria simplesmente isto...